Faz login e reduz a publicidade

More Than Words #59 – Vilão Indesejado

há 3 meses Artigos 5

Ainda se lembram do reinado de Jinder em 2017? Se se lembram, lamento, eu sei que é difícil recordar. Mas pronto, como se devem lembrar, Jinder não era propriamente o Superstar que os fãs mais queriam ver no topo e a maioria ansiava por que chegasse a altura em que ele perdesse o título. Porém essa altura tardou em chegar e Jinder manteve-se no topo durante vários meses, dando maus combates ou simplesmente aborrecidos contra oponentes de excelência como AJ Styles. Isto faz-vos lembrar alguém? Provavelmente não, até porque ele ao contrário de Jinder não é campeão, mas a mim lembra-me o adversário de Kurt Angle na WrestleMania, Baron Corbin.

Para aqueles que gostam do Baron Corbin, peço desculpa, mas a verdade é que Corbin, apesar de não ser de todo tão mau em ringue como o Jinder, a verdade é que este, nos últimos meses, tem estado numa posição proeminente no card, mesmo apesar do já mais que expresso descontentamento em relação a ele. Corbin não é um mau lutador e até apresenta algumas manobras bastante boas no seu arsenal, mas não merece estar na posição que está, ou pelo menos, não tem qualidade que suficiente que sustente a sua posição atual no card.

Cada vez que me lembro deste reinado, esta é a primeira imagem que me vem à cabeça. Ainda hoje me arrepia, mas não pelos bons motivos. Cada vez que ouço a palavra Punjabi o meu corpo treme todo.

Tudo começou quando Corbin chegou ao RAW como uma figura de autoridade escolhida pessoalmente por Stephanie McMahon, vestido de forma diferente e de cabelo rapado. A partir do momento em que Corbin deixou de ser o Lone Wolf e se transformou no Constable Baron Corbin, responsável por gerir o Monday Night Raw, as reações negativas começaram a intensificar-se cada vez mais. Sempre que Corbin aparecia no ecrã, era visível o rosto de frustração na cara dos fãs e até aí tudo bem, o papel de figura de autoridade assentava-lhe que nem uma luva. O problema foi quando este deixou de ser uma figura secundária e passou a ser o principal destaque da Brand Vermelha.

Corbin elegeu-se a si próprio como GM do Raw e a partir daí tudo descambou. Começou feuds com Finn Balor e Braun Strowman e interagiu com praticamente todos os babyfaces do programa, aparecendo em todos os episódios, sempre com uma posição de destaque. Corbin em nada beneficiou desta exposição, rapidamente se percebeu as suas limitações, este não é mau em nenhum aspeto, mas não é interessante o suficiente, não tem carisma, nem talento que façam de uma exposição constante, uma experiência positiva e todos os wrestlers que se juntavam a ele ou o enfrentavam, saíam prejudicados. Corbin simplesmente não é alguém capaz de pertencer ao Main Event neste momento e no entanto a companhia forçou a sua estadia nessa posição do Card, o que acabou por não o benefeciar enquanto personagem.

É curioso o seu tema de entrada chamar-se I Bring The Darkness, a brand vermelha realmente atravessava uma fase negra.

Até agora vocês devem pensar que eu tenho algum tipo de ódio de estimação pelo Baron Corbin, mas se pensam isso, enganam-se, eu até queria gostar de Baron Corbin. Acho que ele tem um look interessante, um moveset com manobras bastante apelativas e habilidade ao microfone suficiente para fazer coisas interessantes, o problema é que a WWE não me deixa gostar. A partir do momento em que eles colocam o Corbin num pedestal em que este não pertence, o meu interesse em vê-lo no meu ecrã é práticamente nulo. Não estou a dizer que este eventualmente não será capaz de atingir o nível necessário para estar na posição em que ele se encontra de momento, mas neste momento olho para Corbin e não vejo alguém capaz de estar associado a Drew McIntyre. Aliás, eu olho para os dois e vejo dois heel detestáveis por razões totalmente diferentes.

São dois tipos de ódio diferentes, as pessoas gostam de odiar o gigante escocês, enquanto que odeiam ter que odiar Baron Corbin. Ambos geram heat, aquela palavra que o Vince tanto gosta, a diferença é que McIntyre gera o heat que Vince quer e Corbin gera o chamado Go-away heat, no qual as pessoas simplesmente o vaiam porque não o querem ver, mas Vince parece ficar alheio a essa situação.

Deve ser muito desconfortável lutar diante uma plateia que não gosta de ti por más razões, mas deve ser ainda pior ter que lutar nesta roupa. Não sei se há 5 à sec nos EUA, mas se houver, o Corbin deve ter cartão de sócio.

Vince parece estar tão alheio a esta situação, que decide que Baron Corbin é o adversário ideal para defrontar Kurt Angle na WrestleMania deste ano, no seu último combate. Tudo bem que faz sentido em termos de storyline e ainda bem que a WWE se lembra de que Corbin e Kurt Angle tiveram grandes desavenças no último ano, mas numa WrestleMania que se calhar terá 17 combates! 17! Talvez a melhor estratégia não seja continuar uma storyline que ninguém gostou de ver, digo eu. Se fosse um combate num PPV qualquer e Kurt Angle ainda estivesse na flor da idade, tudo bem, faz sentido o combate acontecer e talvez o combate nem fosse mau, mas sendo o último combate de Angle e não estando ele nas melhores condições físicas, existiam muito melhores opções para um adversário do que alguém que de vez em quando saca um bom combate.

Logicamente a reação dos fãs perante o anúncio do combate foi negativa e mais uma vez, Corbin, sem culpa, é colocado numa posição ingrata onde as pessoas não o querem ver e a WWE não percebe que quem sai prejudicado é o próprio Corbin, que é lançado às feras sem estar preparado para tal. Caso o combate aconteça mesmo, muito provavelmente não será bom, mas num evento com mais 16 combates, não causa grandes estragos à companhia, já a Baron Corbin poderá não se suceder o mesmo. No entanto espero que acabe por não acontecer e que vejamos por  Cena ou outro wrestler mais adequado substituir Corbin e dar um último combate a Angle. Todos beneficiariam disto, só espero que a WWE perceba isso antes que seja tarde demais.

Baron Corbin: Kurt, é bom que te prepares para o teu último combate na WrestleMania, porque vai ser contra mim.

Kurt Angle: Hm…será que tenho o número do Cody no telemóvel? Ainda vou a tempo.

Obrigado a todos os que leram este artigo, espero que tenham gostado e volto na próxima semana, com mais um More Than Words.

5 Comentários

  1. SCB99 há 3 meses

    Concondo contigo o baron corbin não merece estar aonde está

  2. Duzonraven há 3 meses

    Penso que o Corbin foi escolhido para fazer o papel de “GM heel” exatamente por estar meio perdido no roster na época, foi uma tentativa de renovar seu personagem. Conseguiu um heat imenso, o que vejo por um lado bom, mas agora também acho que deveria renovar-se novamente e aproveitar esse heat de outra maneira. ainda acho que o John Cena vai invadir a wrestlemania e tomar o lugar do corbin no combate contra Kurt angle

    • Foto de perfil do Facebook

      eu sempre gostei dele, so nao acompanhei quando ele teve no NXT mas quando o começei a ver lutar vi logo que ele tinha skill e ainda hoje tem pena nao ser bem aproveitado, so gostei foi agora desta historia de ele se ter “juntado a autoridade” gosteava que ele voltasse a ser o lone wolf quem sabe um dia

  3. Maurício Neto há 3 meses

    Eu acabo sendo o único que gosto do Baron Corbin na roda de amigos
    Não sei pq, o tema dele é maravilhoso, o mic skill dele e bom é no ringue ele tem vários moves que são únicos deles, eu só acho que ele tá perdido no roster e a WWE não sabe oq fazer com ele
    Acaba que ele começa a ser indesejado ali

    • Mas o Córbin é bom mesmo só as condutas dele no backstage que o fizeram passar por tudo antes de estar onde está hoje mas se todos sentem ódio dele isso significa que ele está fazendo MUITO bem o trabalho dele.

Comentar