Navega no Wrestling PT sem pop-ups

Opinião Feminina #310 – Celebrating the absurd

Quando foi anunciado que a WWE iria novamente restabelecer a separação do plantel, um dos pontos mais discutidos foi o aumento da quantidade de eventos que a companhia iria realizar. Todos os meses, o Raw e o SmackDown iriam apresentar o seu próprio evento exclusivo, onde culminariam as suas próprias rivalidades, com exceção dos meses de Royal Rumble, WrestleMania, SummerSlam e Survivor Series.

Para além de aumentar a quantidade de programação que os fãs têm de acompanhar, esta situação aumenta o número de semanas entre cada evento mensal, deixando a WWE numa situação em que apenas verdadeira criatividade pode resultar em programas semanais de qualidade e eventos bem promovidos. Entre o Raw e o SmackDown, consegue-se perceber facilmente qual dos dois programas consegue usar as semanas extra a seu favor, sem se perder ou se tornar repetitivo.

O número de semanas entre cada evento semanal impede a WWE de se limitar a seguir as mesmas fórmulas de sempre, onde apresenta a rivalidade numa semana, faz um combate de equipas entre lutador A e lutador B ou obriga-os a enfrentar outros adversários numa competição para provar quem é o melhor, apenas para rematar a rivalidade na semana seguinte, a mesma onde o grande evento se irá realizar. Quem se lembra dos anos, sem separação do plantel, onde outubro e outros meses tinham mais de um evento mensal?

Quando tem mais do que três semanas, a WWE é obrigada a desenvolver as rivalidades e a ser criativa. É nesta altura que se vê quem tem um plano a longo prazo e uma ideia bem definida do que se quer apresentar e quem não tem. No Raw, vemos a WWE constantemente a mudar de direção nas suas rivalidades principais e perder de vista o que realmente é importante promover. No SmackDown, as coisas são notoriamente diferentes.

O mais importante do SmackDown não é uma lista ou o fantasma de Triple H, mas sim o título da WWE e, por associação, a história que o envolve. E é aqui que chegamos ao hilariante absurdo que é James Ellsworth. Ellsworth é mais um dos inúmeros exemplos que, num universo controlado e rígido, o sucesso vai para o que for naturalmente absurdo.

James Ellsworth é a solução do SmackDown para ocupar o tempo até ao próximo evento mensal. O calendário atual deixou o SmackDown numa posição complicada, visto que desde o No Mercy (início de outubro) que está pronto para preparar o seu próximo evento exclusivo. O problema é que o seu próximo evento exclusivo será em dezembro e, antes dele, ainda tem o Survivor Series em novembro. Mas, como o Survivor Series será um evento repleto de combates contra o Raw, como já foi confirmado, e o Raw estava firmemente concentrado em promover o Hell in a Cell, o SmackDown ficou, aparentemente, de mãos e pés atados.

É então que James Ellsworth aparece para entreter a rivalidade principal até ser altura do calendário para começar a promover a sério o combate principal do próximo evento exclusivo. Desde o No Mercy que o SmackDown tem tentado ao máximo evitar que as suas rivalidades principais sofram de demasiada exposição. E, no que toca à rivalidade principal, tal tem sido executado de forma extremamente divertida. AJ Styles, como vilão arrogante e pomposo, tanto gozou com a ideia de James Ellsworth como seu adversário que o resultado tinha de ser vários combates entre os dois com algumas derrotas vergonhosas para Styles.

Percebo a desconfiança e relutância dos fãs em aceitar e festejar os acontecimentos das últimas semanas. Percebo os fãs que defendem que AJ Styles deveria ser um campeão sério e que depois das monumentais vitórias que conseguiu ao longo dos últimos meses, ele não deveria estar associado a esta palhaçada. Percebo esta posição porque sei que foram incontáveis erros criativos por parte da WWE que a criaram. Foi a WWE que, através da apresentação de campeões pouco credíveis e do seu tratamento pouco imparcial de lutadores que não preenchem os seus requisitos imaginários, gerou esta desconfiança.

Pessoalmente, não sinto que Styles tenha perdido alguma credibilidade ao ser derrotado por Ellsworth porque a vitória de Ellsworth deveu-se unicamente à interferência de Ambrose e às suas patetices. Styles já provou repetidamente que é melhor que John Cena e Dean Ambrose em situações sérias. E, eventualmente, acho que a brincadeira deve chegar ao fim e AJ Styles deve dizimar Ellsworth de uma vez por todas num ataque brutal e sério que irá conquistar o ódio profundo dos fãs.

No entanto, percebo porque não está a acontecer já. Percebo que com tantas semanas até ao TLC e ainda com o Survivor Series pelo meio, o SmackDown esteja a tentar apresentar uma diversão. Algo diferente do que apresentar AJ Styles e Dean Ambrose em combates de equipas ou intermináveis debates até dezembro. Ellsworth é uma forma de fugir à rotina e, felizmente, é uma forma que os fãs apoiam.

Ellsworth tornou-se relativamente popular ao longo das últimas semanas e é responsável por parte do investimento dos fãs nesta rivalidade. É certamente responsável pelo meu investimento, visto que estou há meses a morrer para ver Dean Ambrose tornar-se mais sério e ameaçador, apenas para rebolar a rir com as suas patetices durante os combates de Ellsworth e Styles.

Quando, no Backlash, os fãs escolheram apoiar AJ Styles em vez de Dean Ambrose, temi que Ambrose estivesse perto de perder por completo o apoio dos fãs. Temi que apenas uma mudança radical de atitude o poderia salvar. Ainda acho que tal é o caminho natural para ele. Ainda acredito que essa é a última oportunidade que Ambrose terá de se lançar permanentemente como uma estrela principal. Mas, até lá, James Ellsworth conseguiu comprar algum tempo a Ambrose e à companhia. Todavia, não se deixem enganar, o relógio continua a correr e, eventualmente, a personagem de Ambrose chegará à altura em que não tem outra opção.

Voltando a James Ellsworth, este tem sido um sucesso junto dos fãs, não por causa da sua aparência física, nem por causa do seu slogan, mas porque desempenha o seu papel na perfeição. É um facto que Ellsworth primeiro destacou-se e causou furor por causa da sua aparência física e, apesar de ter sido isso que o tornou conhecido, não é isso que o mantém popular. Este continua popular porque foi escolhido pelos fãs e desempenha o seu papel na perfeição.

Este consegue contar a sua história com naturalidade e o seu charme de derrotado torna-o num dos aspetos mais interessantes da rivalidade. Aliás, nada disto funcionaria se ele não fosse perfeito para o papel. Apesar de ser uma personagem secundária nesta história, Ellsworth é essencial para o funcionamento da mesma. E apesar de ter sido tudo bastante divertido e brilhantemnete executado até ao momento, não consigo deixar de estar receosa para o futuro. Se há uma coisa que a WWE não compreende é contenção. Quando encontra algo que gosta ou funciona, a WWE costuma comportar-se como uma criança pequena com um brinquedo novo – usa-o até se estragar.

Raramente, a companhia mostra a disciplina necessária para perceber quando é altura de acabar com algo bom no tempo certo. Normalmente, a companhia prefere arrastar as coisas e expô-las em demasia até que os fãs se revoltam contra o que antes gostaram. Receio que a WWE não saiba quando deve acabar a história de Ellsworth. Receio que arrastem demasiado esta história e que, eventualmente, Ellsworth acabe por prejudicar a história e as personagens que este tanto ajudou em tempos.

Receio que, quando chegar a altura de voltar a contar a história de Styles e Ambrose, a companhia se deixe levar pelas anedotas e pela diversão. Todos vimos como foi a construção do combate dos dois do Backlash e gostaria que desta vez fosse diferente. Gostaria que desta vez se mostrasse alguma evolução. Se vou passar vários meses a ver os mesmos lutadores a rivalizar, então gostaria que ao menos a história evoluisse naturalmente e não fosse algo estático e permanente.

Ellsworth foi uma diversão excelente e divertida. Mas vai chegar a altura em que tem que acabar. Em que Styles tem de conquistar novamente o ódio dos fãs ao arrasar por completo com este seu novo ídolo, como referi acima, e Ambrose tem de tentar vingar Ellsworth e vencer o título. Vi várias pessoas a defender que a rivalidade principal do Smackdown não é muito diferente da disputa pelo título Universal no Raw – ambas as histórias revolvem à volta de comédia, algo a que nenhum título principal deveria estar associado. E concordo com isso. O título principal nunca deve ser uma anedota.

No entanto, sinto que a situação do SmackDown é diferente porque, ao contrário de Kevin Owens, AJ Styles tem imensa credibilidade como campeão, conquistada através de várias vitórias sólidas, e enquanto a inserção de James Ellsworth na rivalidade é uma diversão para fugir à rotina e preencher algumas semanas do calendário, no Raw a situação é diferente. Figuras de autoridade e uma versão pouco credível de Seth Rollins envolvidos na luta pelo título não é uma fuga à rotina – é a rotina. Não temos visto mais nada ao longo dos últimos anos do que isto.

O SmackDown tem feito várias coisas diferentes do Raw, mas também não tem sido perfeito. Tal como no Raw, as figuras de autoridade do SmackDown também não são tão imparciais quanto deveriam ser, só que em vez de apoiarem os vilões, apoiam os heróis. No entanto, reservo uma réstia de esperança para a resolução desta rivalidade. Espero que o SmackDown acabe com a história de Ellsworth na altura certa, antes de se tornar um defeito e um problema, antes de perder a magia.

Estas últimas semanas foram divertidas e cumpriram o seu propósito. Aliás, cumpriram tão bem o seu propósito que já voltamos à rotina de ter pessoas a lutar contra o campeão pela oportunidade de enfrentar o campeão pelo título. Não faz sentido, mas é como interferências em combates com estipulações que têm como propósito evitar isso mesmo – faz parte da rotina e apesar de não fazer sentido, ninguém quer questionar isso demasiado. No fim do dia, essa é a dica que qualquer fã da WWE deve seguir religiosamente se quiser manter a sanidade mental.

Desejo uma excelente semana a todos e até à próxima edição!

 

14 Comentários

  1. JoãoFerreira - há 1 ano

    Finalmente!

  2. O mundo não gira ao redor do umbigo de ninguém.

  3. Diamond - há 1 ano

    Fui dos poucos contra a separação das brands pois só infantiliza ainda mais a marca WWE.

    O Raw foi bom enquanto durou, o SmackDown idem mas está na hora de ambos os programas acabarem, assim como o NXT que só serve para encher chouriços. Nunca fez sentido para mim existirem dois títulos mundiais. Afinal, quem é o campeão do mundo? Com isso tudo, o titulo mundial da WWE perdeu todo o crédito assim como perdera o World Heavyweight Title, com campeões banais como Ziggler, Swagger, Christian, Rey Mysterio, Alberto Del Rio, Sheamus.. Hoje em dia é muito fácil seres campeão mundial da WWE e foi isso que levou a empresa a perder crédito. Mesmo o título da WWE não pode nunca ter um campeão como The Miz; título esse que já andou em mãos como a de Stone Cold, Bret Hart, John Cena, Undertaker, Triple H ou Shawn Michaels. Está na hora de apostar forte e feio no título Universal da WWE e criar um novo programa, aumentando o ranking para TV 14 ou TV MA, e chega de eventos estupidos como NXTs, Velocity, Main Events, Heats pois isso em nada ajuda na criação de boas story-lines, pois ninguém vai acompanhar essa treta.

    Como referi, qualquer um pode ser campeão mundial nos dias de hoje, o que simplesmente destruiu o produto do próprio título mundial da WWE. Neste momento, o título Universal teve dois campeões com categoria para o mesmo, agora é unir os melhoes da empresa de momento (AJ Styles, Bray Wyatt, Ambrose, Reigns, Rollins, KO) e dar azo a uma Nova Era na WWE, acabando de vez com os part-timers, John Cena, Brock Lesnar, The Rock, Triple H que aparecerem e desaparecem com enorme facilidade, descredibilizando os full timers e profissionalizar cada vez mais a marca. WWE é um nome demasiado infantil. Lutem novamente contra o WorldWildLife Funds ou metam um nome mais adulto.

    • Marcel Farsette - há 1 ano

      Ziggler é um otimo worker e otimo no ringue, estava extremamente over quando foi campeao. Christian é meu wrestler favorito, entao sou suspeito para falar, mas volte para 2004-2005, ou para seus tempos com E&C, e veja q ele era ouro como heel, um dos melhores e a wwe jogou dinheiro no lixo ao nao realizar um Cena vs Christian pelo titulo nessa epoca, suas ovaçoes eram das maiores… Quando foi campeao era a hr certa para isso, estava over e a historia a ser contada com a aposentadoria de edge foi mto boa, pena a WWE ter estragado seu reinado, mas deu uma otima feud com combates extremamente bons com Orton. Se vc acha q apenas lutadores como Stone Cold, Bret Hart, John Cena, Undertaker, Triple H ou Shawn Michaels sao possiveis campeoes, vc esta trabalhando com 6 campeoes em uma variaçao de 30 anos, o produto ficaria horroroso e repetitivo. De todos na lista q vc falou, apenas acho q o Swagger n deveria ter sido campeao, mas foi uma aposta da WWE q nao deu certo. Se a WWE arrisca vcs criticam, se o conteudo é repetitivo vcs criticam tbm… Ideias surreais as suas…

      • Diamond - há 1 ano

        Mister Kennedy tinha tudo para ser a cara da Ruthless Aggression Era. O homem tinha um estilo super hardcore e as melhores mic skills da história da WWF/E. As questões não é a quantidade campeões mas sim a sua qualidade e respetivas story-lines.

        Desde a Attitude Era até hoje, apenas estes wrestlers tinham e têm qualidade para serem campeões:

        Bret Hart, Shawn Michaels, Kane, Undertaker, Stone Cold, The Rock, Triple H, Ken Shamrock, Kurt Angle, Tazz, Chris Benoit, Eddie Guerrero, Chris Jericho, Brock Lesnar, King Booker, Batista, Goldberg, John Cena, Randy Orton, Mr. Kennedy, Edge, Roman Reigns, Seth Rollins, Dean Ambrose, AJ Styles, Kevin Owens, Samy Zayn (no futuro) e Curtis Axel (no futuro).

      • Marcel Farsette - há 1 ano

        ok, opinioes sao opinioes, colocar curtis axel e n pensar em ziggler ou christian pra mim é um absurdo, pra vc nao

  4. Diamond - há 1 ano

    Já agora, se isto fosse a Attitude Era, KO, Rollins, Reigns, Ambrose, AJ Styles ou Bray Wyatt seriam todos mid carders pois a qualidade na altura era tanta que não haveria espaço para todos no Main Event e esses mesmos seriam abafados por Stone Cold, Triple H, The Rock, Undertaker, Kane, Kurt Angle ou Chris Jericho.

    • Anonimo - há 1 ano

      Achares k um AJ Styles e um Rollins não seriam main-events em qualquer ERA em especial a Attitude Era é ridículo.
      Quase tanto como achares que um gajo com o físico do Reigns não seria bem sucedido na Attitude Era

    • Anónimo - há 1 ano

      Se aj styles fosse da wwe na attitude era ele passava na frente de muitos que já foram top guy da wwe…

  5. Anónimo - há 1 ano

    realmente não faz sentido o cara lutar com o campeão. para conquistar o direito de lutar com o campeão. parece que a criatividade da equipe criativa da wwe está em baixa

  6. Prefiro o plantel separado mesmo,sla.Mais uma pergunto que me faço é.”Será que em 2018,caso essa separação der certo,vão mudar o nome de novo da franquia de jogos W2K para SmackDown VS Raw?”

  7. KILL OWENS KILL - há 1 ano

    Excelente artigo. O Ellsworth é mesmo uma boa “escapada”, mas ficar vendo AJ VS Dean já começa a chatear. Espero que o combate no TLC seja o último e que essa rivalidade volte com a seriedade e dramaticidade nas próximas semanas.

Comentar

Editar avatar »