Faz login e navega sem pop-ups

Reality Check #18 – Too Sweet!

Boas pessoal, o meu nome é Luís Correia e sejam bem-vindos à primeira edição de 2018 do Reality Check aqui no Wrestling.PT.

Nesta edição vou-vos falar sobre Finn Bálor que no último Raw se reuniu com os seus antigos parceiros dos seus tempos no Japão, Luke Gallows e Karl Anderson e desta forma criou alguma expectativa no que toca ao seu futuro mais próximo.

Finn Bálor foi sem dúvida alguma um dos melhores lutadores que já passou pela WWE neste século e a sua passagem pelo NXT foi bastante marcante, sendo que a popularidade que tem atualmente provém maioritariamente dos seus tempos na brand de desenvolvimento da WWE. Escusado será dizer que todo o seu reinado como NXT Champion foi muito bom e que toda a sua rivalidade com Samoa Joe foi a meu ver uma das melhores que a brand já presenciou e que deu para ver o talento e qualidade tanto de Bálor como de Joe, que atualmente também se encontra num patamar bastante alto no Main Roster.

O “Demon King” é até agora o atleta que conseguiu ter o NXT Championship durante mais tempo (293 dias) e isto prova a importância que este teve aquando da sua passagem no NXT e que muita da qualidade que se pode desfrutar atualmente na brand se deve ao que nomes como Finn, Samoa Joe, Seth Rollins, Sami Zayn e Kevin Owens conseguiram fazer quando lhes foram dadas oportunidades e principalmente a enorme responsabilidade de representar a brand e o título mais prestigiante da mesma.

Em Julho de 2016 no Draft vimos então a esperada chegada de Bálor ao Main Roster e podemos presenciar então uma rápida ascensão do mesmo no Main Roster quando rapidamente conseguiu conquistar a oportunidade de se tornar no primeiro Universal Champion da história. E então no Summerslam desse mesmo anos tivemos um combate entre Bálor e Seth Rollins de modo a encontrar o primeiro detentor do Universal Title, sendo que a vitória acabou por sorrir para Finn que assim conseguia conquistar o seu primeiro título no Main Roster após pouco mais de 1 mês de ter chegado ao Raw.

Mas infelizmente este sofreu uma lesão no ombro durante o combate com Rollins e foi obrigado a abandonar o título na noite seguinte ao o ter conquistado, o que levou a Bálor a ausentar-se por largos meses de forma a conseguir recuperar da lesão. Mas apesar desta infelicidade todos nos encontrávamos confiantes no que tocava ao futuro do “Demon King” e acreditávamos plenamente que este quando regressasse iria continuar a ter um papel de grande destaque no Raw e iria ter rapidamente a oportunidade de voltar a conquistar o Universal Championship.

E então a 3 de abril do ano passado tivemos o tão aguardado regresso de Finn Bálor aos ringues após mais de 6 meses de ausência e claro que o facto deste regresso se ter sucedido numa noite como esta veio trazer um sabor especial à situação, pois nada melhor que presentear o WWE Universe com Bálor no Raw após a Wrestlemania. Nas semanas seguintes vimos o “Demon King” a conseguir várias vitórias de forma consecutiva de modo a ganhar cada vez mais impacto e credibilidade para o que lhe aguardava no Extreme Rules que era uma Fatal 5-Way com Samoa Joe, Roman Reigns, Finn Bálor e Seth Rollins para determinar o novo candidato ao Universal Championship.

Mas Samoa Joe acabou por ser o vencedor do combate e Bálor viu a sua merecida oportunidade pelo Universal Title a ser adiada, algo inacreditável visto que este nunca chegou a perder o título e deveria ter uma chance pelo mesmo sem ter necessidade de algum Number One Contender Match, mas vá-se lá entender a lógica dos criativos da WWE. Depois do Extreme Rules vimos então Wyatt a envolver-se com Bálor de forma a criar uma feud entre ambos que culminou em combates no Summerslam e No Mercy, sendo que Finn saiu vencedor em ambos mas que a meu ver nenhuma das vitórias lhe trouxe benefícios.

Mas o ponto alto desde o seu regresso vai para o seu combate no TLC em Outubro quando Bálor era suposto enfrentar Bray Wyatt, mas devido à ausência deste tivemos a oportunidade de ver Finn a enfrentar o “Phenomenal One” AJ Styles naquele que para mim foi um dos melhores combates que pudemos presenciar em 2017. Nada melhor que ver dois dos melhores lutadores da atualidade no mesmo ringue e a fazerem aquilo que fazem melhor e a dar luz a um PPV que a meu tinha um card bastante medíocre e que com este combate teve um ponto de interesse adicional.

Com o que se sucedeu na passada edição do Raw acredito que a WWE pode finalmente ter acordado e arranjado a seleção perfeita para que Bálor mantenha a sua popularidade e continue a ser uma das figuras mais populares e queridas entre o WWE Universe e quem sabe lhe seja dada em breve a oportunidade pelo Universal Championship que tanto merece. E esta também pode ser uma forma de manter o público interessado nos The Club que nos últimos tempos não têm tido a melhor sorte no Raw e quem sabe se uma entrada na rota dos Raw Tag Team Championship seja algo que se avizinhe para Luke Gallows e Karl Anderson.

A meu ver seria bastante interessante ter o Universal Championship a ser defendido no Elimination Chamber do próximo mês pois esta seria a forma ideal de dar a Bálor a oportunidade pelo título que este tem direito e também de dar algum interesse ao PPV visto que nada melhor que ter o título principal da brand vermelha a ser defendido. Mas infelizmente pelo que a WWE já nos proporcionou este cenário pode muito bem não acontecer e não me surpreenderia se o que acontecesse fosse um Elimination Chamber Match para encontrar o candidato ao Universal Title na Wrestlemania 34, o que não seria mau caso Finn Bálor conseguisse sair vitorioso.

E tu,

  • Qual é a tua opinião sobre a reunião de Finn Bálor com Luke Gallows e Karl Anderson?
  • Acreditas que esta reunião entre 3 antigos membros do Bullet Club é para continuar?
  • Irá o “Demon King” finalmente ter a sua oportunidade pelo Universal Championship?
  • E terão Luke Gallows e Karl Anderson as oportunidades que já mostraram merecer?

Até para a semana. Fiquem bem!

9 Comentários

  1. Sou do Russo há 2 semanas

    Bom artigo Luis, espero que não me tenhas levado a mal no que comentei aqui: ”https://wrestling.pt/o-que-mudavas-no-wrestling-pt-para-2018/” foi dito sem maldade. Sou fã dos teus artigos desde que li o primeiro, se reparares até comentei os primeiros. Em relação a esta edição do teu artigo, creio que o maior problema na rivalidade entre o Finn e o Wyatt foi a credibilidade deste último pois como todos sabemos o Wyatt é um grande contador de histórias, no ringue não é mau,é bom no microfone, ele tem as qualidades todas para main eventer, o problema é que perde as suas rivalidades quase todas… não há um booking lógico da parte da equipa criativa. Em relação ao Finn vencer a elimination chamber já se sabe que é impossível…pois o vencedor será o Roman Reigns para o mesmo enfrentar o Brock Lesnar e ser o ”tal” a conquistar a Besta. Embora seja fã do Reigns, eu sou daqueles que preferia ver um Balor contra um Lesnar… anseio isso desde que o Lesnar derrotou o Goldberg na última edição da Wrestlemania. Relativamente ao Karl Anderson e ao Luke Gallows, tenho pena que a equipa não seja aproveitada em condições (por vezes têm segmentos de comédia, o que é lamentável tendo em conta o talento de ambos no ringue), a divisão de tag team do raw nos últimos meses tem sido Sheamus, Cesaro, Shield, Sheamus Cesaro, Shield…. embora tenham boa química uns com os outros torna-se cansativo… e os Club nesse aspecto se bem trabalhados dariam uma lufada de ar fresco na divisão e até poderiam voltar a ser tag team champions… Pode ser que a equipa criativa comece a abrir os olhos e comece a trabalhar melhor no Finn Balor e nos seus parceiros…
    Resta-me dizer-te mais uma vez que adoro os teus artigos tais como os do Vasco, espero que não desanimes de escrevê-los da minha parte, tentarei comentar sempre que possível e espero que não tenhas levado a mal o que te disse, foi mesmo sem más intenções. Abraço

    • Obrigado desde já e não fiquei nada chateado com o que me disseste, antes pelo contrário, agradeço pelo reparo que fizeste e a partir de agora vou tentar responder mais vezes aos comentários que são feitos nos meus artigos.

      Concordo que as probabilidades de Finn vencer a Elimination Chamber são quase nulas e que vamos acabar por ter um Brock Lesnar vs Roman Reigns como já se fala há muito, mas a esperança é a última a morrer. Quanto a Luke Gallows e Karl Anderson tenho plena confiança que entraram na rota dos títulos de Tag Team em breve visto que a rivalidade entre os The Bar e os The Shield (neste caso Seth Rollins e Jason Jordan) já dura há bastante tempo e deve estar perto do fim, logo vai ser necessário encontrar novos candidatos aos títulos.

      Mais uma vez obrigado pelo teu comentário. Um abraço.

  2. Demon Assassin há 2 semanas

    Grande artigo Luís na minha opinião o melhor que já fizeste apenas um reparo quando disseste que a equipa finalmente encontrou uma maneira de manter a popularidade do finn o problema nunca foi a popularidade ele sempre foi dos mais populares na empresa o problema e o booking dele ele anda perdido no card há meses e isso é inaceitável para alguém com o seu talento esperemos que isto seja um sinal que finalmente a equipa criativa acordou continua assim Luís

    • É verdade, desde que regressou de lesão que o seu booking tem sido mau mas pode ser que com esta reunião com Gallows e Anderson as coisas melhorem para os três.

      Obrigado pelo comentário.

  3. Foto de perfil do Facebook

    O atual estado do Finn é lamentável. Um wretling do calibre dele ser tratado com tanto descaso é um absurdo! Espero que em 2018 as coisas mudem e que seja o ano dele.

    Qual é a tua opinião sobre a reunião de Finn Bálor com Luke Gallows e Karl Anderson?
    R- se forem bookados da maneira correta, sim. Agora se for pra preencher linguiça, não. Eles tem que ser uma stable dominante, tem que fazer estrago no RAW.

    Acreditas que esta reunião entre 3 antigos membros do Bullet Club é para continuar?
    R- sinceramente, não! Deve ter sido para preenchimento e tempo e tbm pq eles não tem planos para o Finn, devem fazer tudo em cima da hora.

    Irá o “Demon King” finalmente ter a sua oportunidade pelo Universal Championship?
    E terão Luke Gallows e Karl Anderson as oportunidades que já mostraram merecer?
    R- creio que o Vince não gosta / confia nem no Finn nem no Luke e Karl, então será meio difícil isso acontecer. Queria muito o Finn como o universal champ. Ter o Brock Lesnar como campeão é uma ofensa a todos os superstar que viajam o ano todo e batalham por uma oportunidade. Mas fazer oque ? É o capitalismo!

    • O que tem sido feito com o Balor e os The Club nos últimos meses tem sido muito mau, nenhum dos três merece o booking que está a ter e não ficaria surpreendido se esta reunião fosse só de uma noite, mas vamos esperar para ver o que acontece hoje.

  4. duzonraven há 2 semanas

    A melhor coisa a acontecer na minha opinião seria Finn ganhar o Royal Rumble, desafiar Brock Lesnar como “Demon” e na Wrestlemania ganhar com a ajuda de seus parceiros fazendo um heel turn e dando inicio a um grande reinado, além de uma rivalidade com a autority devido ao “OVER”

    • Penso que isso seria bastante difícil de acontecer mas é uma excelente ideia sem dúvida alguma e de certa forma manteria Karl Anderson e Luke Gallows com um papel de destaque mesmo que não ganhassem os Tag Team Titles eventualmente.

Comentar