O NXT tem sido uma das marcas que mais cresceu em menos tempo, passando de um game show para a WWE Network e tendo nos últimos anos passado para televisão via transmissão na USA Network (o mesmo canal do Raw).

E ninguém melhor para refletir na evolução da brand amarela que Samoa Joe, que esteve presente em duas fases distintas. Em conversa com o podcast After The Bell, o antigo NXT Champion por duas vezes destacou o que mudou desde 2015 até aos dias de hoje.

Creio que muita dessa mudança aconteceu no momento em que me estreei e houve um ímpeto que quase que se foi licenciando para o que é hoje. Obviamente, o NXT tem sido na maior parte da sua vida um sistema de fornecimento e desenvolvimento para Raw e SmackDown. Porque depois de eu e [Finn] Bálor chegarmos lá [main roster], seguiram-se Kevin Owens, Sami Zayn, Shinsuke [Nakamura], Asuka, Sasha [Banks], Bayley, Charlotte [Flair], e a lista continua.

À medida que essas Superstars vieram para o NXT, a marca começou a ficar gradualmente maior e a construir uma base de fãs sua, e vê-la a transformar-se numa terceira brand é simplesmente uma grande diferença. [O NXT] Foi legitimado, é o que é e agora está em televisão. Penso que é apenas distinto no sentido em que o NXT é efetivamente uma marca, apresenta excelentes shows a cada mês em paralelo com os payperviews de Raw e SmackDown, e tornou-se noutro fenómeno.


Concordas com o ponto de vista de Samoa Joe?

4 Comentários

  1. El Cuebro2 meses

    Falou bem demais, hoje em dia o NXT é o que se tem de melhor para ver na WWE, onde o roster é mais bem aproveitado, basta olhar para quem comanda o show! Num momento que a WWE vive um momento muito estranho na sua história, com falta de iniciativas boas por parte de quem comanda, um certo velho, um Khan que não é o Tony, entre outros!

  2. Carlosilva2 meses

    Acho que a magia do NXT era mesmo essa, e hoje já não existe. Estas estrelas brilhavam no NXT, eram populares, “fresh”, e trabalhavam lá até chegar ao ponto que se pensava “não há nada mais que possas fazer aqui, está na hora de subires” e depois vinham novos talentos para esse pessoal antes de subir os meter Over, e o ciclo funcionava assim, na perfeição.

    Mas hoje em dia, com a competição da AEW, com o circuito independente praticamente morto, o NXT teve de mudar de filosofia, porque já não tem a capacidade de trazer lutadores capazes de vincarem no lugar daqueles que sobem ao Main Roster.

    E com isso o NXT perdeu imenso momentum, e teve de confiar nestas estrelas que lá tem que nunca subiram ao Main Roster, mas que hoje em dia estão completamente estagnadas.
    Em 2018, o Gargano e o Ciampa eram talvez as maiores estrelas no mundo do Wrestling, e hoje andam lá completamente estagnados. Vi o último NXT e pelo que entendi o Ciampa está numa tag team, e o Gargano está ali numa parceria comica com a mulher enquanto é campeão de mid card, perderam imenso momentum porque lá está, não apareceu ninguém capaz de assumir o lugar deles na brand. O Kross foi o único a aparecer desde que mudaram de filosofia. O Eli Drake ou o Kushida não têm o mediatismo que pessoal como o Joe, Roode, Cole, Balor, Nakamura ou Owens tinham quando chegaram

    Na altura o NXT diferenciava-se exatamente por estas razões, hoje em dia lá está, é uma terceira brand, e não uma alternativa, daí achar que perdeu a sua magia

  3. Anónimo2 meses

    Concordo com o ponto de vista do Samoa Joe.

  4. O NXT é motivo de orgulho!