Desde que foi adquirida pelo TKO Group, a WWE realiza grande parte dos seus premium live events fora da América do Norte.

Depois do Backlash em França, teremos o King and Queen of the Ring na Arábia Saudita, e em Junho, será realizado o Clash at the Castle em Glasgow, na Escócia.

Num artigo da BBC News sobre o Clash at the Castle, a WWE está a ser acusada de “extorquir” os seus fãs europeus.

É apontado que os fãs estão bastante desapontados pelos preços pedidos pela WWE para o evento, com o bilhete mais barato a custar 300 libras (cerca de 348 euros ou 1934 reais), e o mais caro a custar 2000 libras (2325 euros ou 12922 reais).

A BBC News conseguiu conversar que um porta-voz da WWE, que afirmou que alguns bilhetes mais baratos, já tinham sido vendidos, mas não mencionou nem quantos, nem a que preço.

Apesar desta controvérsia, o WrestleTix revelou na passada quarta-feira, que quase 10 mil bilhetes já tinham sido vendidos para o Clash at the Castle, faltando apenas vender pouco mais de mil.


Pensas que há razão para esta controvérsia no que toca aos bilhetes do Clash at the Castle?

16 Comentários

  1. un2 meses

    Foram perguntar a população que é burra porque toda a gente sabe que estes eventos são caros como tudo, e so preciso ter dois dedos de testa.
    Se um Rock In Rio e 100€, tavam a espera que uma WWE fosse 5 paus, ainda por cima sabendo que é um evento que tem gente para caralho. Possivelmente e os preços que praticam tambem na America, a culpa nao e deles se aqui pagam maus ordenados.

  2. Preço normal para um Evento deste genero

  3. Só paga quem quer e pode. Nem digo o valor que dei pelos meus do Bash In Berlin…

  4. Bray2 meses

    Se eles vendem a esse preço como é lógico não vão pôr mais barato….

  5. The Last Outlaw2 meses

    O valor não parece um problema visto que já venderam quase todos os ingressos.

  6. Anónimo2 meses

    É caro mas está quase tudo esgotado, e só paga quem quer, ninguém é obrigado.

  7. Eo Caso2 meses

    Como se alguém fosse obrigado a comprar.

  8. Só vai quem quer também!