Menos amaldiçoado que os torneios King e Queen of the Ring, é o bem duradouro Top Ten! Que agora já avança uns bons aninhos nesta recordação nostálgica de outras eras para uma que parece tão recente e que já tem um bom tempo. Sim, quase que não dá para fazer esta introdução sem uma explicação do ponto de vista do escriba do que é exactamente a tal “PG Era.”

Muitos consideram que essa seja a que está a acabar agora. Uma era de mais de década e meia? E sentiram que esse tempo todo foi sempre igual? Na verdade não, se tivermos que atribuir um período para lhe chamarmos isso, então será como as outras, tem uns quatro ou cinco anos, durando desde meados de 2008 até por aí 2012 ou 2013. Caracteriza-se não só pela classificação televisiva – essa já aparecia de vez em quando nas outras eras, a malta é que estava lá a reparar nisso – mas pelo retrocesso na sua “edge” para tentar fugir às águas escaldadas e má imagem pública que voltaram a ter nos tempos pós-Benoit.

Aí regressaram os babyfaces heróicos da Golden Era, o conteúdo ficou muito mais brando e havia uma necessidade constante de agradar a patrocinadores e mídias exteriores para recuperar uma imagem familiar. Podia considerar-se a “pipebomb” de CM Punk o derradeiro ponto de viragem, mas muita coisa ficou igual depois disso portanto prolonga-se um pouco mais e considera-se esse momento como uma abertura de portas para o que viria a seguir, aí pela altura do início do novo NXT em que lá veio uma “Reality Era” ou “Internet Era” na qual se abriram a muitos talentos exteriores, mudaram um pouco de cara e já tivemos um protótipo de como seria um produto orientado por Triple H.

OK, introdução exaustiva pode ficar por aqui. Dentro do período aqui considerado como oficial, destacam-se dez momentos muito estranhos que mostram como era difícil pensar dentro daqueles limitados parâmetros e tinham que inventar assim… Umas coisas.

4 Comentários

  1. Flávio4 semanas

    Santino Marrela é uma lenda, sabe fazer humor em cima do ringue como poucos. A dupla Ricardo Rodrigues e Alberto del Rio também funcionava muito bem. No mais, foram anos tediosos em que John Cena era o Super Homem.

  2. I am Lucas3 semanas

    Nossa, teve um período em que a Natalya teve uma gimmick onde ela aleatoriamente soltava puns nos segmentos. Isso foi tão cringe que até hoje custo a acreditar que isso aconteceu de verdade.