Navega no Wrestling PT sem pop-ups

Lariato #5 – A História do Bullet Club (Parte 2)

O Lariato regressa depois da primeira parte da história do Bullet Club. O artigo teve um feedback acima do esperado e após tudo o que se passou com a vinda da WWE a Portugal, o artigo retoma a sua actividade, desta feita com a “2ª geração” do Bullet Club, com Karl Anderson na liderança e AJ Styles a assumir-se como a figura de destaque do grupo, levando o Bullet Club pela primeira vez ao topo da New Japan Pro Wrestling.

Bullet Club “Fenomenal”

No mesmo dia em que Prince Devitt fez o seu último combate pela New Japan Pro Wrestling, eis que apareceu uma nova cara em cena, nada mais nada menos do que “O Fenomenal” AJ Styles. AJ Styles apareceu para completa surpresa de toda a gente, especialmente do então IWGP Heavyweight Champion Kazuchika Okada que foi atacado com um Styles Clash e Styles fez saber as suas ambições de rapidamente chegar ao topo da NJPW.

Após este choque, Karl Anderson assumiu a liderança do grupo dado que Styles tinha uma ainda recheada agende de compromissos no circuito independente nos Estados Unidos. No PPV seguinte, o Wrestling Dontaku, em Maio de 2014, AJ Styles desafiou Okada pelo IWGP Heavyweight Championship com sucesso, com a traição de Yujiro Takahashi aos CHAOS, grupo a que pertencia, para favorecer AJ Styles e se juntar ao Bullet Club. Com esta vitória, AJ Styles levou o Bullet Club pela primeira vez ao IWGP Heavyweight Championship, título que já não era detido por um wrestler norte-americano desde 2006, quando terminou o reinado de Brock Lesnar.

De repente, o Bullet Club via-se no espaço de um mês com grandes mudanças, desde a saída de Devitt à chegada de Styles e Yujiro ao grupo, sendo Yujiro Takahashi ainda até hoje o único membro japonês do Bullet Club. No fim do Wrestling Dontaku, o BC tinha não apenas o IWGP Heavyweight Championship de AJ Styles, como também os títulos de tag team das duas divisões da NJPW, o que dificilmente permitia ver como uma perda para o grupo a partida de Devitt.

Os meses seguintes viram algumas mudanças, com os Young Bucks a perderem não apenas os IWGP Jr. Heavyweight Tag Team Championships, como também os ROH World Tag Team Championships, que deteram em simultâneo. Em sentido contrário, Bad Luck Fale tornou-se IWGP Intercontinental Champion após vencer Shinsuke Nakamura, ao passo que Yujiro Takahashi derrotou Tomohiro Ishii pelo NEVER Openweight Championship. Nesta altura, o Bullet Club detinha os 3 principais títulos da empresa, bem como os IWGP Heavywight Tag Team Championships com Anderson e Gallows.

Entretanto chegou o G1 Climax, onde o Bullet Club não conseguiu colocar nenhum dos seus membros na Final e em Agosto o Bullet Club recebeu um novo membro após Jeff Jarrett, fundador da Global Force Wrestling, que patrocinaria e ajudaria mais tarde a distribuir o Wrestle Kingdom 9 nos Estados Unidos, ter atacado Hiroshi Tanahashi após este ter derrotado AJ Styles numa non-title match.

Os meses de Setembro e Outubro deram seguimento à derrota de Styles contra Tanahashi, com o Bullet Club a perder os títulos de Yujiro Takahashi, Bad Luck Fale e AJ Styles. No entanto, eis que em Novembro foi anunciado um novo membro do grupo: Kenny Omega.

Kenny Omega veio para o Bullet Club um mês após assinar em exclusividade com a New Japan Pro Wrestling, depois de ter trabalhado para a DDT e já ter tido algumas presenças na NJPW. Omega veio como o novo “ace” do Bullet Club para a Jr. division e foi apresentado como o “próximo” IWGP Jr. Heavyweight Champion.

Omega apresentou-se como “The Cleaner”, o homem que ia literalmente limpar toda a divisão e apesar de saber falar fluentemente japonês (pelos seus anos de experiência a lutar e a viver no Japão), não o iria fazer mais. Omega, que no passado tinha oposto ao Bullet Club, abraçou o grupo pelo dinheiro e pela oportunidade de perseguir o título.

Após Omega se juntar ao grupo, seguiu-se a World Tag League, onde os campeões Gallows e Anderson perderam na Final para Hirooki Goto e Katsuyori Shibata. Assim terminou 2014 e se iniciou um novo ano, com o Wrestle Kingdom 9 a abrir.

O Wrestle Kingdom 9, a 4 de Janeiro de 2015 o Bullet Club teve uma noite agridoce. Os Young Bucks falharam no intento de ganhar os IWGP Jr. Heavyweight Tag Team Championships numa 4-Way Tag Team Match, onde os campeões reDRagon (Kyle O’Reilly e Bobby Fish) retiveram. A equipa de Bad Luck Fale, Jeff Jarrett e Yujiro Takahashi também saiu derrotada, bem como Gallows e Anderson que perderam os IWGP Heavyweight Tag Team Championships para Shibata e Goto. Pela positiva, o grupo viu Kenny Omega cumprir e entregar o Jr. Heavyweight Championship para o grupo, depois de na sua estreia como membro do Bullet Club ter derrotado Ryusuke Taguchi.

A juntar ao sucesso de Kenny Omega, também AJ Styles saiu vitorioso do Wrestle Kindgom 9, com uma vitória sobre Tetsuya Naito. No entanto, o Bullet Club não tinha qualquer membro nos combates pelo IWGP Intercontinental Championship ou pelo IWGP Heavyweight Championship. Ainda assim, Styles venceu Naito com um Styles Clash da segunda corda, move que não voltou a ser visto desde então na carreira de AJ Styles.

No dia seguinte, no New Year Dash, Karl Anderson apresentou o primeiro Bullet Club Young Boy, o filho de Scott Hall, Cody Hall. Hall manter-se-ia no grupo até meados de 2016 sem grande sucesso ou oportunidades individuais, onde após sofrer uma lesão não voltou a aparecer na empresa e acabou por assinar pela Pro Wrestling Noah, onde se mantém nesta altura, sem qualquer ligação ao Bullet Club.

Com a vitória de AJ Styles sobre Naito no Wrestle Kingdom e após Hiroshi Tanahashi defender o IWGP Heavyweight Championship contra Kazuchika Okada, cimentando a sua posição como “Ace” da New Japan Pro Wrestling, Styles colocou os seus olhos no topo da empresa e no título de Tanahashi. No New Beginning em Fevereiro, Styles enfrentou e venceu Tanahashi num grande combate.

No mesmo evento, o grupo viu ainda os Young Bucks ganharem uma vez mais os IWGP Jr. Heavyweight Tag Team Championships, bem como Anderson e Gallows recuperarem os IWGP Heavyweight Tag Team Championships, que haviam perdido para Shibata e Goto no Wrestle Kingdom 9. Kenny Omega confirmou ainda o seu reinado como IWGP Jr. Heavyweight Champion ao derrotar Ryusuke Taguchi na desforra do combate que tinham também tido no Wrestle Kingdom.

As celebrações não se fizeram esperar da parte do grupo, no ringue e nos bastidores.

Após o sucesso do grupo no New Beginning, chegou a New Japan Cup, que viria a ser ganha por Kota Ibushi, tendo este desafiado AJ Styles pelo IWGP Heavyweight Championship no Invasion Attack, PPV de Abril. Ainda durante a New Japan Cup, Bad Luck Fale surpreendeu ao ter derrotado Kazuchika Okada, ao passo que Karl Anderson e Gallows foram eliminados na primeira ronda.

No Invasion Attack, a 5 de Abril de 2015, o Bullet Club tinha um importante teste ao seu domínio conquistado no New Beginning. No entanto, o domínio do grupo com ambos os títulos de tag team da empresa, bem como o IWGP Jr. e o Heavyweight Championships, foi severamente afectado. Os Young Bucks perderam os IWGP Jr. Heavyweight Tag Team Championships contra os Roppongi Vice, caminho igualmente seguido por Anderson e Gallows, que perderam os Heavy Tag Championships para os The Kingdom (Michael Bennett e Matt Taven). Sem títulos em jogo, Bad Luck Fale e Okada tiveram a desforra da New Japan Cup, com Okada a sair vencedor.

Por oposição, Kenny Omega continua a sua “limpeza” à divisão Jr. com mais uma defesa bem sucedida, desta feita contra Mascara Dorada (hoje conhecido como Gran Metalik na WWE). Com as defesas frente a Taguchi e Dorada, Omega gabou-se de já se ter livrado do lixo japonês e do lixo mexicano e foi aí que o americano Alex Shelley se chegou à frente.

No main event, AJ Styles defendeu com sucesso o IWGP Heavyweight Championship contra o vencedor da New Japan Cup, Kota Ibushi, onde também haveria como ponto de interesse o facto de Kenny Omega estar no canto de Styles, apesar de ter uma ligação passada com Ibushi. Styles acabou por conseguir a vitória num pormenor delicioso quando Ibushi procurava aplicar o Phoenix Splash, apenas para ser apanhado no Styles Clash.

Depois de um Invasion Attack agridoce, o Bullet Club viu chegar o Wrestling Dontaku, onde os Young Bucks recuperaram os IWGP Jr. Heavyweight Tag Team Championships. Na mesma linha, Kenny Omega derrotou Alex Shelley, defendendo com sucesso uma vez mais o IWGP Jr. Heavyweight Championship, com interferência dos Young Bucks, com Kushida (parceiro de Shelley a tentar equilibrar as contas). Após o combate, Kenny Omega declarou que não participaria no torneio anual Best Of The Super Jr’s e que o vencedor do torneio seria o seu próximo adversário em Junho no Dominion, em Osaka.

Ainda no mesmo evento, AJ Styles e Yujiro Takahashi saíram vitoriosos num tag match contra Okada e YOSHI-HASHI. No reverso da medalha, Doc Gallows, Amber Gallows e Karl Anderson foram derrotados pelo trio dos Kingdom representado por Michael Bennett, Maria Kanellis e Matt Taven.

Estamos neste momento a caminho do Dominion em Osaka, um dos pontos mais importantes do ano da New Japan Pro Wrestling, mas antes acontece o Best Of The Super Jrs, onde KUSHIDA sai vencedor e vai lançado para o Dominion, decidido a destronar Kenny Omega. Esta história, bem como a de Okada a desafiar AJ Styles pelo IWGP Heavyweight Championship, são dois grandes destaques do evento, bem como o culminar da rivalidade entre Kingdom e Gallows/Anderson pelos Heavyweight Tag Team Championships, isto no que ao Bullet Club diz respeito.

Neste combate, o vídeo package apresentado no lançamento sugere que KUSHIDA é um homem numa missão, a viver o seu sonho de criana. Este entra como o homem que vai salvar a divisão do domínio de Kenny Omega e das suas tácticas pouco convencionais. O “Time Splitter” vem com ímpeto depois da vitória no Best of The Super Jrs e uma vez coroado o melhor desafiante da divisão, tem tudo a ganhar com uma vitória em Osaka. Por outro lado, Kenny Omega continuava na sua missão de limpar todo o “lixo” da divisão.

O combate terminaria com a vitória de Kushida e iniciaria a rivalidade que dominaria os meses seguintes nesta divisão (o combate pode ser visto clicando na imagem promocional do combate acima).

O combate de AJ Styles com Kazuchika Okada pelo IWGP Heavyweight Championship era um momento importante na afirmação do reinado de Styles, sendo que já tinha derrotado o “Ace” Hiroshi Tanahashi. Era também uma grande oportunidade para Kazuchika Okada para recuperar o seu lugar no topo da empresa. Mas algo em comum aos dois homens era que em caso de vitória, entrariam campeões no G1 Climax e garantiriam o reinado pelo menos até Outubro, dado que pelo meio teriam o longo G1 e o Destruction (tour onde por norma o título não é defendido). No que foi um dos melhores combates de 2015, o “Rainmaker” Kazuchika Okada saiu vitorioso, depois de um combate pautado pelo equilíbrio e constantes contra-ataques de ambos, com uma brutal sequência final no combate (o combate pode ser visto clicando na imagem promocional do combate acima). Apesar das interferências do Bullet Club, o árbitro Red Shoes Unno expulsou os membros “extra” ao combate de uma forma no mínimo original.

Após o Dominion chega a altura do grande torneio anual do verão, o G1 Climax. No G1, o Bullet Club ficou dividido pelos dois grupos. AJ Styles, Doc Gallows e Bad Luck Fale ficaram no A Block, ao passo que Karl Anderson e Yujiro Takahashi ficaram no B Block.

Em termos de resultados o Bullet Club ficou fora da Final, terminando o torneio com relativamente pouco sucesso, ainda que tenham conseguido vitórias surpreeendentes através de Fale e Gallows. Destacou-se ainda a vitória de Karl Anderson sobre Shinsuke Nakamura. O torneio foi ganho por Hiroshi Tanahashi, colocando-se em posição de desafiar pelo IWGP Heavyweight Championship no Wrestle Kingdom 10. No último dia do G1, os Young Bucks perderam os IWGP Jr Tag Team Championships para os reDRagon (Kyle O’Reilly e Bobby Fish).

Já na segunda parte do ano da NJPW, chega o Destruction em Setembro e no primeiro show da tour em Okayama, Gallows e Anderson defendem com sucesso o IWGP Heavyweight Tag Team Championship depois de terem reconquistado os títulos em Junho, no Dominion. Ainda no mesmo evento, Kenny Omega termina prematuramente o reinado de KUSHIDA, ao recuperar o IWGP Jr Heavyweight Championship. Após o combate, Kenny Omega encontra o seu próximo adversário, Matt Sydal.

Após o Destruction e rumo ao evento de Outubro, o King Of Pro Wrestling, o Bullet Club tem em destaque Kenny Omega a defender contra Matt Sydal e AJ Styles a procurar a desforra frente a Okada pelo IWGP Heavyweight Championship.

Kenny Omega defende com sucesso contra Matt Sydal e solidifica o seu reinado, garantindo a sua ida para o Wrestle Kingdom como campeão. Por outro lado, AJ Styles falha no seu intento de recuperar o IWGP Heavyweight Championship e fica afastado da luta por um lugar no main event do Wrestle Kingdom, no mesmo evento em que Tanahashi carimba a sua passagem para enfrentar Kazuchika Okada no WK10.

Em Novembro no Power Struggle, AJ Styles e Bad Luck Fale fazem equipa e vencem Toru Yano e YOSHI-HASHI, ao passo que Karl Anderson tinha no main event a chance de se tornar IWGP Intercontinental Champion, ao enfrentar Shinsuke Nakamura (o combate pode ser visto ao clicar na imagem promocional abaixo) depois de o ter vencido no G1 Climax.

Após o combate, do qual Nakamura saiu vencedor, chegou-se à frente um novo desafiante para um verdadeiro dream match no Wrestle Kingdom 10, AJ Styles.

Assim ganhava forma o card para o Wrestle Kingdom, com Nakamura vs Styles pelo IWGP Intercontinental Championship e Okada vs Tanahashi pelo IWGP Heavyweight Championship como os combates de destaque.

Terminado o Power Struggle, restava a World Tag League antes de chegarmos ao Wrestle Kingdom 10. Neste torneio de tag teams de pesos pesados, o Bullet Club teve 3 equipas a representarem o grupo, incluindo Gallows e Anderson, os então IWGP Heavyweight Tag Team Champions. No entanto, o grupo falhou o acesso à final com as equipas que apresentou, tendo a vitória sorrido a Togi Makabe e Tomoaki Honma, que derrotaram EVIL e Tetsuya Naito na Final. Makabe e Honma seriam então os adversários de Gallows e Anderson no Wrestle Kingdom, a 4 de Janeiro de 2016.

Chegamos desta forma ao Wrestle Kingdom 10 no Tokyo Dome, com o Bullet Club representado em força, estando envolvido em 5 title matches ao longo do extenso card do maior evento anual da New Japan Pro Wrestling, com assistência apenas superada pela WrestleMania da WWE.

O Wrestle Kingdom 10 apresentava um grande “peso” do Bullet Club no card e as chances do grupo sair recheado de ouro eram muito fortes mas esta acabou por ser uma noite de verdadeiro pesadelo, em que apenas venceram um dos 5 combates por títulos onde tinham membros inseridos. A luz na escuridão dos resultados do grupo veio por intermédio dos Young Bucks, que numa 4-Way match recuperaram os títulos frente aos campeões reDRagon, Sydal e Ricochet (vencedores do Super Jr. Tag Tournament) e os Roppongi Vice (Beretta e Rocky Romero), no que foi um combate com spots de loucos a abrir o show (clica na imagem abaixo para ver os melhores momentos do combate).

A partir deste ponto, o grupo não voltou a sentir o sabor da vitória. A equipa de Bad Luck Fale, Yujiro Takahashi e Tama Tonga desafiaram pelos novos NEVER Openweight 6-Man Tag Team Championships, que procuravam os seus primeiros donos, mas foram derrotados por Toru Yano e os Briscoes (Mark e Jay Briscoe).

A noite continuou, com Kenny Omega também a sair derrotado, no que foi o culminar da rivalidade com KUSHIDA. KUSHIDA recuperou o IWGP Jr. Heavyweight Championship e assumiria o topo da Jr. division (podes ver o combate clicando na imagem promocional abaixo).

Com a noite a ter começado bem, tudo parecia estar a descarrilar, especialmente depois da queda de Kenny Omega. Mas tudo podia e ia piorar, com também Anderson e Gallows a saírem derrotados e a perderem os IWGP Heavyweight Tag Team Championships para Makabe e Honma.

Restava AJ Styles, no combate pelo IWGP Intercontinental Championship, para salvar a noite do grupo. Apesar da vitória dos Young Bucks, mesmo com uma vitória de Styles, era difícil de negar uma noite desinspirada do Bullet Club, mas nem Styles foi capaz de vencer. Ainda assim, Styles e Nakamura deram a 4 de Janeiro de 2016 aquele que para muitos viria a ser o “Combate do Ano” (podes ver o combate clicando na imagem promocional abaixo).

O combate, que era um verdadeiro dream match, foi algo que a NJPW manteve “guardado” durante mais de ano e meio, onde em momento algum Nakamura e AJ Styles se enfrentaram num combate “1 on 1”. O cuidado do booking e a forma como ambos caminharam durante esse tempo na empresa levou a este momento, com dois dos melhores wrestlers do mundo a finalmente se encontrarem no ringue. O combate teve de tudo, desde AJ a vender uma suposta lesão nas costas, a Nakamura responder com os seus maneirismos.

Com o main event a ter o culminar da história de Tanahashi e Okada, este combate não ficou nada atrás e entregou um espectáculo excelente.

O combate terminou com a vitória do King Of Strong Style ainda com o IWGP Intercontinental Championship à sua cintura, mas estes dois rivais tinham acima de tudo ganho o respeito um do outro, respeito simbolizado após o combate onde ambos deram tudo.

“O fim de AJ Styles”

Após um fantástico Wrestle Kingdom (essencialmente para os fãs e não tanto para o Bullet Club), o Bullet Club apareceu em força no dia seguinte no New Year Dash, no Korakuen Hall em Tóquio. O trio de Fale, Yujiro e Tama Tonga, numa desforra do Wrestle Kingdom ganham os NEVER Openweight 6-Man Tag Team Championships, mas o destaque do grupo no show seria outro.

AJ Styles e Kenny Omega fazem equipa contra Shinsuke Nakamura e YOSHI-HASHI e os fãs um pouco por todo o mundo estariam longe de imaginar o que aconteceria a seguir.

No combate, Omega consegue uma vitória limpa e surpreendente sobre Shinsuke Nakamura, o homem que AJ Styles não tinha conseguido derrotar na noite anterior. Seguia-se a celebração do duo vitorioso, ou assim pensávamos todos nós.

Após o combate e durante a celebração, Omega ataca Styles, assume o controlo do grupo expulsando AJ Styles após o fracasso no Wrestle Kingdom, rejeita a ideia de desafiar Kushida pelo Jr Heavyweight Championship e promove-se a Heavyweight e aponta baterias a Nakamura e ao seu título. Este ataque terminou a presença de AJ Styles na New Japan Pro Wrestling e no Bullet Club, onde esteve do primeiro ao último dia no seu tempo com a empresa. No final desse mesmo mês de Janeiro, Styles estrear-se-ia no Royal Rumble da WWE.

Espero que tenham gostado deste Lariato, um bem longo desta vez. Como sempre podem deixar as vossas opiniões nos comentários!

Qual foi o melhor combate de AJ Styles durante a sua estadia na NJPW?

O que dizer da ascensão de Kenny Omega?

Obrigado pelo apoio e por acompanharem o Lariato e como sempre podem ouvir o Canto New Japan todas as semanas aqui no Wrestling.PT.

Lariato #4 – A História do Bullet Club (Parte 1) 

Até ao próximo Lariato!

18 Comentários

  1. Styles vs Nakamura no WrestleKingdom 10

    • Facebook Profile photo

      Miguel Gonçalves - há 7 dias

      Um grande combate da run do Styles na NJPW, como foi também o Styles vs Okada do Dominion e o Styles vs Suzuki no G1 Climax, só para dar os exemplos mais famosos.

      O Nakamura vs Styles tem um storytelling fácil de acompanhar, também facilitado pelos comentários em inglês e para além disso era um verdadeiro dream match entre o wrestler japonês mais popular da altura contra o wrestler estrangeiro mais popular e “Ace” do Bullet Club.

      Um dream match que ficou guardado durante tanto tempo até ao fim da run do Styles na NJPW, um verdadeiro trabalho de pormenor da parte do booking da New Japan.

  2. The Demon Jorge - há 7 dias

    Excelente artigo mais uma vez. A única coisa que não sabia foi o facto de o Yujiro Takahashi ter pertencido aos Chaos.
    Para mim o melhor combate foi Shinsuke Nakamura vs AJ Styles no WK10.
    Sem dúvida alguma que o Kenny Omega foi muito bem construído e protegido para ser um futuro líder dos Bullet Club. O momento no New Year Dash (apenas o meu segundo show da New Japan) em que este faz o pin limpinho no Nakamura e a maneira como aplica o One Winged Angel no Styles foi espetacular.
    Uma cena que já reparei foi que ultimamente o Omega tem feito muitas promos em japonês o que me faz suspeitar que vem aí um face turn, e consequentemente uma traição no Bullet Club. Talvez uma separação entre Bullet Club e Elite.
    Vou acompanhar com muita atenção os próximos tempos.

    • Facebook Profile photo

      Miguel Gonçalves - há 7 dias

      O Yujiro estava sem espaço e sem destaque nos CHAOS e traiu-os para se juntar ao Bullet Club onde rapidamente ganhou o NEVER Openweight Championship. Diga-se que depois de o perder pouco mais de relevante conseguiu fazer. Mas hey, ao menos vem regularmente acompanhado pelas suas amigas, não é verdade?

      As promos em japonês são claramente um tease disso mesmo, ele que durante a run dele como Jr recusou sempre falar em japonês e só quebrou um pouco isso quando ganhou o IC ao Tanahashi e depois quando ganhou o G1 Climax (mas isso fica para o próximo artigo).

      • Rui Portugal - há 7 dias

        Penso que, tal como as facções, Omega, Okada e Naito são faces. Basta ver as reacções do público. O que não quer dizer que em certos contextos ou contra certos adversarios nao possam trabalhar como heel. Okada v Omega I foi face v heel, no II e III ja era o contrario. Nao é que hoje em dia e nestes contextos importe assim tanto porque as personalidades são mais complexas do que pode ser expresso por uma dicotomia tão redutora.
        O facto de o Jay White ter falado em japones (embora nao ao microfone) deixou-me tambem curioso
        É incrível como a única 5 star match do Styles pela WON seja o classico de 2005 em que, na minha opinião, até gostei (ainda) mais dos outros dois do que dele.
        Os reinados dele na New Japan não foram pacíficos (numa altura em que Bullet Club significava mt mais interferencias do que em 2017) mas abriram as portas para o que estava para vir.
        O meu combate preferido foi o Styles v Tanahashi do G1 25, penso que foi o melhor combate que tiveram e era o confronto ideal entre talvez os 2 melhores lutadores daquela geração. Por causa dos combates anteriores terem tido tanta interferencia nunca conseguiram chegar ao nivel deste. Não querendo com isto dizer que com o Suzuki e o Nakamura não tenham sido absolutamente fantásticos, e até melhores. É só uma questão pessoal.

      • Facebook Profile photo

        Miguel Gonçalves - há 7 dias

        A questão dos faces e heels tem muito que se lhe diga. No papel são heels os BC, os Suzuki-gun e os LIJ mas na prática só os Suzuki-gun são realmente heels a tempo inteiro.

        Como dás a entender, as personalidades são muito mais dinâmicas actualmente.

        Obrigado pelo comentário, Rui!

      • Facebook Profile photo

        Miguel Gonçalves - há 6 dias

        O artigo no seu todo podia estar mais completo. Resumi bastante os torneios e praticamente não toquei na presença do BC na Ring Of Honor porque se fosse explorar tudo, o artigo ficava com uma dimensão muito pouco “friendly” para quem fosse ler.

      • Rui Portugal - há 6 dias

        Embora as “gimmicks” sejam mais carregadas, sinto muito mais King’s Road que Strong Style nesta NJPW com o Gedo a booker. Especialmente no ringue e com os inúmeros “call-backs” nos grandes combates as personalidades tornam-se infinitamente mais complexas do que ser face ou heel. Tem tudo a ver com o contexto da personagem, as motivações… o ciclo Tanahashi v Okada foi o ponto alto .. uma história de 4 anos sem faces ou heels.
        Mas voltando um pouco ao assunto, mesmo a forma como os lutadores estrangeiros passaram a ser vistos no Japão mudou, muito por culpa do Bullet Club, quando antes eram tradicionalmente muito mais adinâmicos, (quase) sempre heels tradicionais

      • The Demon Jorge - há 6 dias

        Sem dúvida alguma que hoje em dia no mundo do pro wrestling já não existe “bem vs mal”. Os conceitos esteriotipados de face e heel já não são tão acentuados. Em vez disso todos os wrestlers demonstram a sua personalidade. Tanto Okada, como Omega, como Naito e até mesmo Tanahashi (falando dos principais) todos os eles têm atitudes face e heel e várias fazes das suas storylines. O Okada que no papel é face, pois é o líder da principal stable face do Japão, nos seus últimos combates, e últimas feuds este tem mais comportamentos heel do que face. Este revela constantemente as suas atitudes arrogantes e de superioridade. Omega que é um heel no papel, tem cada vez mais demonstrado as suas atitudes face. Na sua rivalidade contra Okada e nas suas séries de combates, este teve imensos momentos de um verdadeiro underdog. O facto de cada vez mais fazer promos em japonês é altamente contrastante com a sua fase mais de heel puro em que este simplesmente se recusava a falar em japonês. Naito, outro heel no papel, que tem atitudes heel, completamente revoltado contra a sua empresa, foi transformado num face pelas reações que provoca no público e enorme apoio que este recebe da audiência japonesa, que na grande maioria se identifica com a sua revolta.
        Daí que por inúmeras vezes já tenha referido nos meus comentários que o único heel puro hoje em dia, na minha opinião, é Minoru Suzuki. Todo ele é maldade, todas as suas atitudes têm como principal objetivo infligir dor nos seus adversários.
        Tal como tu Rui também reparei no facto de o Jay White ter falado em japonês, não tive propriamente a certeza uma vez que não foi ao microfone.

      • Facebook Profile photo

        Miguel Gonçalves - há 4 dias

        Rui e Jorge, acabam por dizer tudo. As personagens adaptam-se às circunstâncias.

        O Wrestle Kingdom foi uma “situação estranha”. Sim em partes iniciais o Kenny trabalhou como heel mas em termos de storyline, ambos tinham uma predisposição face, em que ambos queriam liderar a NJPW para níveis mais altos, algo perfeitamente nobre aos olhos de qualquer fã.

        O Tanahashi na rivalidade com o Okada quando se sentia por baixo ou frustrado recorria a “golpes baixos” e chegava a ser apupado por isso. O Naito também é uma personagem tremendamente dinâmica, assim como o Okada, que é o gajo rico que está no topo da montanha e volta e meia gosta de esfregar essa arrogância na cara das pessoas e isso também o leva a subestimar adversários e permite surpresas como a do EVIL no G1.

        O Omega falar em japonês, por muito pouco que seja, é indício disso mesmo, um “piscar de olhos” face aqui e ali. E sim, o Jay White falou em japonês a dada altura.

  3. KILL OWENS KILL - há 7 dias

    Mais um grande artigo, esse demorou a sair inclusive, estava a espera viu 🙂

    Interessante a fase de maior sucesso do Bullet Club. Gostei do destaque dado ao AJ que vinha de uns maus tempos na TNA e finalmente recebeu o devido tratamento que sempre mereceu. Senti falta de só uma coisa, gostaria que me esclarece quem realmente era o líder do BC nessa época, por que pelo que eu entendi, após a saída do Finn, o Karl tomou controle até o AJ estar pronto. Foi isso ou estou equivocado?

    De destacar também a run do Omega até se tornar líder do grupo, realmente foi muito bem construído.

    Cada vez mais começo a simpatizar com a New Japan, é interessante ver a empresa onde a história é contada 90% dentro do ringue.

    • Facebook Profile photo

      Miguel Gonçalves - há 7 dias

      O Líder do grupo era o Karl Anderson. Apesar disso, normalmente as pessoas têm a percepção que era o Styles porque era ele que lutava pelo título principal da empresa. No entanto, quando era altura de fazer promos era sempre o Karl Anderson a tomar a dianteira e era até ele que apresentava sempre os novos membros do grupo.

      Está explícito no artigo ao início como está também implícito ao longo da informação toda. O AJ era o “Ace” do grupo.

      Obrigado pelo comentário e pelo apoio aos artigos!

  4. Anónimo - há 6 dias

    Dava tudo para ver Kenny Omega ir para a WWE, não passando pelo NXT entrando logo no main roster tendo uma feud enorme do o Aj, mas isto sou só eu a sonhar alto.

    • Facebook Profile photo

      Miguel Gonçalves - há 4 dias

      Para já, o Kenny tem contrato até Janeiro de 2018 e já disse que está 100% com a NJPW e já tem datas também para Abril portanto é mais que certo que ele renove pelo menos por mais um ano (até Janeiro de 2019).

      Não vejo o Omega a ir para a WWE antes de conquistar tudo o que quer na NJPW, como continuar a rivalidade dele com o Ibushi e ganhar o IWGP Heavyweight Championship.

      • The Demon Jorge - há 4 dias

        E sinceramente espero mesmo que depois de conquistar isso continue na NJPW.

        Mas claro que isto é o meu desejo com fã de New Japan.

      • Facebook Profile photo

        Miguel Gonçalves - há 4 dias

        Ele disse que está aberto a propostas mas que tem preferência pela NJPW. Ele só não fica se a proposta da New Japan não for boa o suficiente e se da parte da WWE houver uma muuto boa oferta, dado que ele tem uma série de regalias na NJPW que nunca teria na WWE.

  5. Gonçalo "the best" - há 4 dias

    Mas uma grande artigo, Miguel!

Comentar

Editar avatar »