Existem 2 vagas na Equipa do Wrestling PT para publicar notícias. Contacta-nos!

Long Horn Peep Show #40 – The Novelty Act 4

Após uma edição de Slammys, mais uma vez, marcada pela controvérsia na atribuição de alguns prémios (incrível a exclusão do Brock Lesnar vs CM Punk para o prémio de Combate do Ano) e de um promo de Cena que certamente tinha muito pano para mangas, o Long Horn Peep Show mantem-se fiel como sempre à sua identidade e, acima de tudo, aos seus leais peeps.

Por isso, que melhor forma de marcar a quadragésima edição do LHPS, apresento-vos a quarta edição do espaço dentro deste próprio espaço, que tem lugar todas as sextas-feiras antes de um PPV. Isto é, a quarta edição do The Novelty Act que até agora tem esmagado (3-0) as decisões da WWE de despedimento e/ou falta de aproveitamento de lutadores com potencial para main-eventers.

Com esta edição ficam riscados da lista quatro lutadores consensuais entre todos vocês, pelo que volto a pedir a todos os peeps que esta semana voltem em grande número a deixarem sugestões quanto a potenciais lutadores que merecem entrar no TNA. Relembro as condições: nunca ter conquistado o World Heavyweight Championship ou o WWE Championship.

Indo direto ao assunto, depois de três lutadores cujo potencial a WWE não conseguiu devidamente utilizar, eis que surge outro lutador declarado por muitos como um talento enorme. Lutador que tira partido de a conquista do ECW World Heavyweight Championship não ser impedimento para a entrada no TNA, tendo em conta que a WWE nunca lhe deu a importância que tinha (Título Mundial) e nunca colocou o ECW Champion ao nível dos outros dois campeões Mundiais.

Assim sendo, é apenas natural que John Morrison seja o quarto lutador a entrar para o TNA e o próximo que irá fazer mexer o marcador a favor dos “rejeitados” ou, pela primeira vez, a favor da WWE. Foi em Abril de 2005, quando tinha apenas 25 anos, que subiu definitivamente ao plantel principal da WWE como parte da equipa que o colocou no mapa: MNM. Ao lado de Melina e Joey Mercury, Johnny Nitro (como era conhecido em homenagem à WCW Monday Nitro) subiu ao SmackDown e cedo conquistou ouro ao derrotar Rey Mysterio e o falecido Eddie Guerrero pelos extintos WWE Tag Team Championship.

De facto, esta parceria com Mercury iria resultar em três conquistas desse título, sendo que em Maio de 2006 Melina e Nitro uniram-se contra Mercury, culminando com o fim dos MNM. Isto levou a que Nitro passasse a competir individualmente e que ele e Melina fossem transferidos para o Raw. A verdade é que pouco tempo depois desta mudança, Nitro tornou-se Intercontinental Champion no Vengeance desse ano num combate Triple Threat contra Shelton Benjamim (também membro do TNA) e Carlito.

Para primeiro reinado individual Johnny mostrou-se à altura do ouro que carregava ao manter o título durante quatro meses, altura em que o viria a perder para Jeff Hardy. Pouco tempo depois, Nitro viria a conquistar novamente o Intercontinental Championship e a perdê-lo na semana seguinte. Os Hardys pareciam ser a maldição de Nitro, que em Novembro desse ano voltaria a formar equipa com Mercury para enfrentar Matt e Jeff. Estavam assim reformados os MNM, sem que voltassem a ter uma única vitória importante até que em Março de 2007 Mercury foi dispensado da WWE, após ter sofrido uma lesão muito grave na cara, e assim terminaram definitivamente os MNM.

No entanto, Junho era definitivamente mês de bom augúrio para Nitro e precisamente em Junho de 2007 não só foi transferido para a ECW, como viria uma semana depois a tornar-se ECW World Heavyweight Champion ao vencer CM Punk num combate pelo título que se encontrava sem dono. Poucas semanas depois, num episódio da ECW teríamos a transformação que finalmente permitiu que Nitro passasse ao próximo nível e muito contribuiu para a sua evolução a nível individual como lutador: Johnny Nitro passou a chamar-se John Morrison.

Morrison levou a sua gimmick a outro nível, passando a ser ainda mais egocêntrico e convencido, sendo que foi modelada com base em Jim Morrison (vocalista dos The Doors com o qual “Nitro” era muito semelhante). Morrison viria a perder o título para CM Punk, no quarto combate consecutivo em PPV entre eles pelo ECW Championship. Pior do que a derrota, só mesmo a suspensão de 30 dias que Morrison sofreu por violar a Wellness Policy da WWE.

Aquando do seu regresso, Morrison viria a competir contra The Miz pela posição de Number One Contender ao ECW Championship. Enquanto rivais, foram forçados a combater como parceiros pelos WWE Tag Team Championship de Matt Hardy e MVP, equipa que andava em confrontos. Incrivelmente, Miz e Morrison viriam mesmo a conquistar os títulos nesse combate, apesar de posteriormente terem combatido numa Triple Threat contra Punk pelo título com o agora Best In The World a sair vitorioso.

Pouco tempo depois surgiu o programa muito conhecido que colocou tanto Miz como Morrison verdadeiramente nas bocas do Mundo: The Dirt Sheet. Programa que era escrito todas as semanas por ambos e nos quais gozavam com outros lutadores e outros assuntos. Esta equipa teve muito sucesso e manteve os títulos durante alguns meses, tendo sido derrotados pela curiosa equipa de Curt Hawkins e Zack Ryder (que atualmente já nem aparecem no mapa).

Já que estamos em semana de Slammys, Miz e Morrison arrecadaram o Slammy de 2008 para melhor Tag Team do Ano, bem como para o melhor “WWE.com exclusive”. Cinco noites depois, no dia 13 de Dezembro de 2008, Miz e Morrison viriam a conquistar algo mais importante: os World Tag Team Championship que pertenciam a CM Punk e Kofi Kingston. Este reinado não viria a durar muito tempo, já que os Colóns (Carlito e Primo) eram os WWE Tag Team Champions e, num combate destinado à unificação de ambos os títulos tag-team, viriam a derrotar Miz e Morrison pelos títulos. Como parte do Draft de 2009, Miz foi transferido para o Raw e atacou Morrison, começando assim uma rivalidade entre ambos.

Morrison viria a ser sorteado novamente para o SmackDown em 15 Abril de 2009, como parte do Supplemental Draft. Mudança que, novamente, fez muito bem a Morrison que depois de um combate muito aclamado pela crítica contra Edge em 19 de … adivinhem o mês… Junho desse ano, apesar da derrota, lhe viria a valer a sua primeira oportunidade pelo World Heavyweight Championship. Todavia, Morrison acabaria por perder esse combate contra o campeão Jeff Hardy (pode ser visto todas as quintas-feiras a lutar na companhia com a mesma sigla deste espaço).

Desse ano enquanto membro do SmackDown somente há a ressalvar a conquista do Intercontinental Championship contra Mysterio, que perderia para Drew McIntyre (atualmente membro de uma banda) e outra oportunidade sem sucesso pelo World Heavyweight Championship na Elimination Chamber. Apenas um ano de “azul e branco”, porque no Draft de 2010 o Guru of Greatness seria novamente transferido para o Raw.

JoMo continuaria um percurso semelhante ao que tinha evidenciado no último ano, chegar perto dos títulos, mas nunca os conquistar. Chegou à final do King of the Ring, mas perderia o torneio para Sheamus. Chegou a ter a sua primeira oportunidade pelo WWE Championship num Falls Count Anywhere Match contra o Campeão e ex-parceiro, The Miz, que igualmente viria a perder.

Seguiu-se uma rivalidade contra R-Truth, com quem também tinha feito tag team embora durante pouco tempo, que terminou com Morrison a ter de ser submetido a uma cirurgia devido a um nervo comprimido no seu pescoço. Lesão que funcionou como final da aposta da WWE em Morrison, que viria a regressar para terminar a sua rivalidade com R-Truth e depois perder um combate pelo United States Championship e dois combates contra Cody Rhodes pelo Intercontinental Championship.

O Shaman of Sexy conseguiu a sua primeira vitória num espaço de três meses (!) precisamente contra o então US Champion e atual Mr. KickOff, desculpem, o Show Off, Dolph Ziggler. JoMo enfrentou Ziggler pelo título e, claro, perdeu. Seria no Raw de 28 de Novembro de 2011 que o New face of Extreme viria a ter o seu último combate na WWE, ao enfrentar o seu ex-parceiro Miz, outra vez num Falls Count Anywhere Match, que terminaria com a vitória do Awesome One após aplicar o seu Skull-Crushing Finale no palco. Isto serviu para que Morrison fosse transportado numa maca no final do combate, justificando assim o final do seu contrato.

Dias depois de ter sido libertado pela WWE, Hennigan (nome verdadeiro de “Morrison”) publicou um vídeo onde explicou que era altura de tratar das lesões e tirar algum tempo para recuperar energias para um possível regresso ao wrestling. Entretanto, JoMo tem combatido no circuito independente, tendo já conquistado vários títulos e recentemente combatido contra Matt Morgan pelo Family Wrestling Entertainment Heavyweight Championship.

Já há muito se fala de um possível regresso do Monday Night Delight à WWE e, de facto, Morrison tem em Randy Orton um amigo pessoal muito próximo que águas pode mexer para que o seu regresso se concretize. Considerando que o Prince of Parkour várias vezes admitiu em público que as suas fontes de inspiração são Curt Hennig, Randy Savage e o regressado à WWE Shawn Michaels, então talvez seja uma oportunidade esplêndida para efetivamente voltar a assinar pela melhor companhia de pro-wrestling no Mundo.

Algo que, a acontecer, não é nada chocante. Hennigan tem feito por manter a forma e o nível alto de wrestling no circuito independente que tem percorrido desde início de 2012, sendo que as críticas apontam para uma grande melhoria no seu jogo a nível das mic-skills ao longo do último ano. O que, como todos sabemos, representa um fator de enorme importância na WWE quanto a um wrestler.

Contudo, isto não deverá ser qualquer tipo de surpresa para qualquer verdadeiro fã deste lutador, tendo em conta que em 2009 o Pro Wrestling Illustrated (PWI) o elegeu como vencedor do prémio para Most Improved Wrestler of the Year. PWI que já o tinha elegido anteriormente como vencedor do prémio de Tag Team do Ano de 2005 (com Mercury) e o colocou em nº27 da lista dos 500 melhores wrestlers em 2010 e em 2011.

Se as suas mic-skills necessitavam de trabalho e é ótimo ver que Hennigan tratou de as melhorar, a mesma preocupação não necessita de ter a nível do seu trabalho dentro do ringue. Obviamente que dormir à sombra da bananeira não é recomendável para ninguém (nem mesmo para ti Orton), mas Hennigan é simplesmente entusiasmante de acompanhar quando combate e isso só pode ser um verdadeiro atestado de qualidade às suas in-ring skills.

Senhor de um elevado atletismo, é capaz de executar a mais fascinante das manobras e de acordar o mais sonolento dos membros da plateia com um standing shooting star press, um corkscrew neckbreaker ou um standing moonsault side slam. A lista de manobras termina com o seu finisher que fica na memória de toda a gente: split-legged corkscrew moonsault.

O seu look também foi trabalhado com sucesso ao longo dos seus anos na WWE, mas também chegou a um ponto de saturação. A imagem semelhante a Jim Morrison já cansava, bem como a sua entrada à popstar. Necessitava-se uma renovação do seu look, mas acima de tudo da sua gimmick para que um eventual regresso de JoMo à WWE tivesse efeito a longo prazo.

Efetivamente, o que era constantemente apontado a Morrison como falha do seu jogo, para além das suas mic-skills, era o facto de ser aborrecido. Sim, dentro do ringue sabia bem o que fazia, mas só isso não chegava, porque embora fosse capaz de efetuar várias manobras entusiasmantes, nem sempre Morrison conseguia ter um bom combate. Ao contrário de lutadores como Shelton, que regularmente proporcionavam grandes combates, ou como Cesaro, exemplo mais atual, Morrison era irregular nas suas produções in-ring, o que não contribuía nada para alguém que fora do ringue não despertava muito a atenção.

Um Campeão Mundial tem de ser alguém capaz de consistentemente ter boas performances e o facto da carreira de Morrison estar recheada de altos e baixos pode muito bem ter sido motivo de desconfiança na altura de tomar decisões importantes a nível de main-event quanto a este lutador. A subida ao estatuto de main-eventer foi discutida, mas nunca concretizada e a WWE, neste caso, teve motivos para tal.

É certo e sabido que a sua relação com Melina acabou por o prejudicar e muito nos bastidores do que vemos, sendo que independentemente da situação Morrison aparecia sempre para defender Melina de todo e qualquer caso. O que levou a que JoMo acabasse, muitas vezes, por sofrer os danos dos erros cometidos pela sua parceira. Portanto, muito à semelhança do que aconteceu com McIntyre, que apagou por pagar dividendos de ter uma mulher tão louca como Tiffany.

Por outras palavras, Morrison escolheu o amor sobre o estrelato que poderia ter alcançado, se soubesse ter jogado pelas regras. Outro dos aspetos importantes é saber representar a WWE e sempre que esteve envolvido em storylines de menor importância (como o combate com Snooki e Trish Stratus na WM27), Morrison acabou por tentar envolver Melina onde não era chamada. Não surpreende ninguém que nove meses depois desse combate tenha sido despedido.

À semelhança de Shelton Benjamim, ele nunca conseguiu estabelecer uma relação suficientemente forte com os fãs. Pior do que isso, quando estava envolvido com os lutadores de maior calibre não conseguia brilhar da mesma forma que ao nível do mid-card. Quando parecia que estava prestes a chegar ao main-event, Morrison quebrava e voltava ao fim da linha. Os avanços e recuos entre oportunidades por títulos mundiais e títulos secundários evidenciam isso mesmo.

Sou o primeiro a admitir que as in-ring skills de Morrison são intocáveis e que ele já teve combates em que simplesmente a sua performance foi fenomenal. De tirar o chapéu. Porém, foram várias as situações em que parecia completamente desligado da sua personagem. Combates em que a sua motivação, provavelmente, não estaria em alta e que quebrou o seu rendimento. Não sendo hipócrita, não é por falta de mic-skills que ele não seria main-eventer. Custa-me a aceitar isso como motivo, quando Lesnar é o que é e não fala.

Como todos sabem, ser uma WWE superstar é muito mais do que ser bom dentro do ringue. Ao contrário, por exemplo, de Benjamim, Morrison não soube manter comportamentos profissionais no backstage que não só interferiram com as suas produções, como também com as suas relações com outras pessoas. Se misturas prazer com negócio, não és lá muito interessante do ponto de vista de qualquer empresa.

Morrison sofre, ainda, do defeito de não ter o tal “it-factor” que faz a diferença entre tantos lutadores conseguirem ou não o main-event. Ver que Hennigan está a trabalhar e a melhorar no circuito independente é muito bom sinal e bem que lhe pode abrir as portas da WWE, que lhe poderá proporcionar o estatuto de main-eventer caso mantenha a humildade, o trabalho e profissionalismo. Talvez aí lhe retribuam com uma refrescada gimmick, capaz de ser levada mais a sério para um nível mais alto.

Até lá, o que nos podemos focar é exatamente no que levou ao despedimento de Morrison. Se considero que tal medida, embora a compreenda, possa ter sido exagerada, estou completamente do lado da WWE quanto à decisão de Morrison não ter conquistado nenhum dos dois títulos principais. Sim, é um talento que podia ter ido muito longe com a sua habilidade dentro do ringue, mas cujo culpado do seu fracasso na WWE é apenas o homem que vê ao espelho.

Em suma, um dia JoMo até pode voltar à WWE e quem sabe atingir o que antes não atingiu. Obviamente que com a unificação dos títulos, tal ainda será mais difícil, mas o nível de main-eventer estará certamente ao seu alcance. Focando o momento da decisão, nada indicava que este lutador pudesse passar do nível que apresentava e não dava os sinais de consistência necessários para uma aposta séria. A ter continuado na WWE, teria sido apenas para chegar a um ponto degradante pior do que Drew McIntyre e teria sido reduzido a uma personagem cómica.

Melhor para Morrison que saiu com a sua dignidade intacta e melhor para a WWE que evitou muitos problemas no backstage com a saída deste elemento que criava demasiados conflitos. Tanto Regal, como Kennedy ou Benjamim, todos tinham potencial para, a dada altura das suas carreiras, brilharem ao mais alto nível de forma consistente… Algo que não consigo ver em Morrison. Pela primeira vez na história do TNA, e os fãs do Monday Night Delight que me perdoem, o marcador tem de funcionar a favor da decisão da WWE: 3-1.

Sobre o Autor

- Já escrevi no espaço “Long Horn Peep Show”. Atualmente publico notícias, sou moderador do chat e ajudo no que puder o WPT a ficar cada vez melhor.

18 Comentários

  1. JoaoVitorCesaro - há 3 anos

    Adorei o artigo,e eu sempre achei o Morrison digno de um World Heavyweight Champion,nem que fosse por alguns meses.E espero que le volte a WWE,porque ele tem muito a acrescentar lutando.

  2. JP7 - há 3 anos

    Sinceramente, a algum tempo tinha opinião de ,por exemplo, John Morrison foi um grande lutador , teve um belissimo reinado como IC… Mais Parando para pensar o IC por si só já valoriza e muito o lutador , é só ver exemplos como : Drew, Dolph, Cody, Wade… Que Só por possuirem esse cinturão já ficarão bastante valorizados. Não que ele não seja um grande wrestler, mais não vejo tanto “diferencial” digamos assim

  3. RuiFerreira222 - há 3 anos

    ótimo artigo.

  4. Franciscoxp - há 3 anos

    Grande artigo Ricardo
    O Morrison era sem dúvida um grande wrestler ele prejudicou-se graças a Melina e a conflitos no backstage só não concordo com a parte em que disseste que o Morrison se tornava aborrecido em alguns combates. Se fizereses um próximo novelty act as minhas sugestões : Goldust,Lashley, Gregory Helms ou MVP

  5. AwesomeTheMiz - há 3 anos

    Gostei muito do artigo, mas discordo que as mic-skills de Morrison não eram boas, eu sempre achei Morrison um grande mic-work (não o melhor, pode melhorar como escreveste!)

    Mas de fato, as ring-skills dele são incríveis, não é qualquer um que faz o Standing Moonsault Side Slam, um Moonlight Drive ou um Starship Pain, só alguém com imensidade capacidade técnica como o mesmo pode!

  6. damv - há 3 anos

    Ricardo exelente post, não acabes com este tipo de artigos pois isto vem sempre a limpar algumas dúvidas que o pessoal tem.
    Apos ler este artigo, foi logo (re)ver os TNA anteriores, e vinha indicar algumas coisas relativamente aos casos k já referiste.
    Shelton Benjamin é sem sombra de dúvida um desperdício de wrestler, por parte de qualquer promotora. Eu vi recentemente o que rapaz tem feito, e só sei k ele não para, é imparável, desde nem sei NJPW, desde ROH, ele não se fica só pelos States mas também o resto do mundo. Devido a isto quero referir que TNA deve andar a dormir, pois o rapaz trabalha com tudo que lhe venha a rede, e é sem sombra de dúvida um dos jovem mais atléticos que passou nos últimos 11 anos pela WWE. Se forem a ver o ultimo DVD da WWE referente aos MITB, eu penso que o rapaz deve falhar só os últimos PPVs, no qual já não estava presente na empresa. Ele esteve em quase todos, e nem um titulo ECW, fod… é estupidamente estupido, por parte do Vince Mac(mer…), não elevar tal talento.
    Bem depois temos o Regal, esse senhor nem vale a pena falar, ele se tivesse feito o mesmo que o Angle, e se tivesse modado em 2005 para a TNA, devia ter tido na boa pra e uns 4 TNA World Heavyweight Champion. Burrice dele, pois a pessoa sabia que tinha talento, bastava mudar de ares.
    Kennedy/Anderson ele dava tudo no micro, mas o infeliz era doido para meter a vida dos outros em risco. Apesar disso ele deve ser sempre relembrado na WWE como o Sr. que meteu no bolso 10 campeões mundiais num corto espaço de tempo. Devido a sua inteligência não ficou parado e foi direto a TNA, sem olhar pra traz, e lá está e vai estar.
    O Morrison, tem andado na FWE, entre outras promotoras a ver se ganha mais cabecinha, e mandar a Melina para outro lado (para minha casa era um bom sitio), pois fazer asneira com senhoras tipo trish stratus só dá asneira. Mas acredito que agora já deve estar na hora de volta a Big League, pois a hora do recreio já foi, eheheheh.
    Agora ricardo vem as hipóteses para futuras análises, acho que temos imensos senhores para falar e dedicar um tempo pertinente, mas desde logo posso te retirar algum trabalho. Devido ao um senhor, um tal de Montel Vontavious Porter, MVP esse senhor para infelicidade de muitos, se não me engano retirou-se do Wrestling este ano, no qual vinha a representar a NJPW, por isso como campeão mundial já não devemos ver, mas podes sempre dedicar um bocadito para perceber o que falhou na WWE, pois eu não percebi, despediram e prontos.
    Mas aqueles nomes que me deixa estupido são os do bobby lashley. Acredito que também deve ter sido devido a andar com uma wrestler, mas ele mesmo indicou que dificilmente iria ser um Main Eventer, perante os restantes lambe botas. Mas ainda me restam mts duvidas, sobre este senhor.
    Chavo Guerrero, podia ter sido outro campeão tal como o Rey, pá o tio morreu. que fazer ao jovem? homenageá-lo com um titulo mundial, mas não a bosta do ECW champ. O homem luta desde puxa, nem sei 1997, por ai acho eu, e nunca lhe deram nada, vergonha.
    Pá eu sou fa do Matt Hardy, e penso que mercia mais que o irmão devido aos anos árduos que passou na WWE, mas pá se não fosse a droga ele era um senhor. Mas quer dizer outros tantos andaram metidos na branca e também foram campeões, ex: Randy Orton, o mesmo indica a sua envolvência com psicotrópicos no seu DVD.
    Pá é uma lista infindável: Tommy Dreamer, muhammad Hassan.
    Pá vejam estes clips, e tirem nomes, pá em cada ano são pra e uns 5 wrestlers decentes que levam na toba(brasileirismo pra an..).
    http://www.youtube.com/watch?v=_GFnxdtuEbM
    http://www.youtube.com/watch?v=p4Cq8KeLv2I
    http://www.youtube.com/watch?v=O6VKkxKoxdU
    http://www.youtube.com/watch?v=VZfllUVFYsE
    http://www.youtube.com/watch?v=8bl02AJPSSk

  7. Diogo7 - há 3 anos

    Excelente artigo sobre o John Morrison, Ricardo.

    O Morrison era um grande wrestler com excelente qualidade técnica. O seu único ponto fraco eram as mic skills, que mesmo assim não eram muito más.

    Gostei bastante dele quando esteve na ECW e, principalmente, quando teve em Tag Team com o Miz. Se ele não tivesse aqueles problemas todos backstage, acho que poderia ter sido, pelo menos uma vez campeão Mundial.

  8. José Sousa - há 3 anos

    Eu era fã dele, mas percebo exactamente o teu ponto de vista a WWE defendeu os seus interesses, e o Morrison foi pouco profissional ao influenciar-se e colocar a Melina a valer mais que os seus interesses dentro da empresa.

  9. MicaelDuarte - há 3 anos

    Excelente artigo Ricardo.

    Só uma pequena correcção: referiste que o Morrison perdeu o Título da ECW no quarto consecutivo PPV nos embates com o Punk, mas o Morrison perdeu o Título numa ECW.

    Curioso que foi com Morrison que o Miz teve o melhor combate do seu reinado, enquanto Campeão da WWE xD

    Eu gostava bastante do Morrison, mas ele não era aquela fonte de carisma, nem mesmo o melhor em “mic-skills”. Já disse isto algumas vezes e volto a repetir: o Morrison enquanto foi “heel” tinha boas capacidades no micro. Claro que não era um mestre, mas também não era mau como o pintam. Posto isto, gostava de revê-lo na WWE e, quem sabe, tornar-se naquilo que antes não teve oportunidade de se tornar, ou, melhor dizendo, aproveitar melhor as oportunidades e deixar a “baquinha” de lado…

  10. Nani - há 3 anos

    Sugestão: Finlay, Carlito ou Vladimir Kozlov

  11. Nani - há 3 anos

    Dean Malenko, Perry Saturn, Chris Masters, Bobby Lashley, X-PAC, Matt Hardy, Chavo Guerrero, Essa Rios, Lance Storm

  12. danielLP21 - há 3 anos

    Excelente artigo Ricardo.

    O John Morrison, infelizmente, deixou-se influenciar pela sua namorada. As mulheres, muitas vezes, têm esse “dom”, e, neste caso, ele deixou-se ir.

    Contudo, acredito que pode voltar um dia à WWE e ter o seu grande momento de glória, ganhando, talvez, um título principal. Não o vejo ( e nunca vi) como um “main-eventer” “a tempo inteiro”, mas sem dúvidas que podia ter sido mais do que um “mid-carder”…

    Pessoalmente, ficam as memórias da ECW. Nunca gostei tanto dele como nessa altura. Primeiro sozinho e como campeão ( aquela rivalidade com o Punk é muito boa…), depois com o Miz. Saudades desses tempos, em que a ECW, mesmo não sando “a” ECW, era muito interessante e, muitas vezes, o melhor programa semanal da WWE…

  13. MR Perfection André Santos - há 3 anos

    Bom artigo Ricardo.O tempo que ele ECW Champion e teve a rivalidade contra Punk foi do melhor.Infelizmente houve um combate que o enterrou…WWE champion vs ECW champion…ou seja John Cena vs John Morrisson, a derrota foi muito rapida para posteriormente perder para PUNK o titulo.
    Se regressar,(acho pouco provavél), será um eterno mid-card…

  14. Nani - há 3 anos

    Veio-me a cabeça :D

  15. don_ricardo_corlone - há 3 anos

    O John Morrison tinha tudo. Mic-skills, ring skills e carisma, e sim, também o tal it factor. Infelizmente a WWE não conseguia tirar isso dele pois fez a asneirada de fazer o face turn. O John Morrison heel era perfeito, com esse personagem inspirado no Jim Morrison. Aqui fica uma amostra do seu enorme talento: http://www.youtube.com/watch?v=205wTVlDnG8&list=PL83BBD7D24DDB3D90&index=142. Podia ter sido maior, infelizmente é mais um que não souberam aproveitar.

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador