Opinião Feminina #247 – Monday Night Rollins

Seth Rollins, actual campeão principal da WWE, acredita que os fãs estão a assistir a algo de tal forma histórico que é comparável a outros recordes existentes no mundo do desporto. O algo em questão é o próprio Seth Rollins, no auge da sua carreira.

Ora, embora as dúvidas que tinha relativamente ao sucesso de Seth Rollins como estrela individual se tenham dissipado ao longo do último ano (tal como aconteceu com tantos outros fãs) e embora ache que o melhor de Seth Rollins ainda está para vir, não sinto que a sua afirmação corresponda à realidade.

Tal não é um problema. Seth Rollins é um vilão arrogante, portanto ter o exagero como uma das características principais não é algo chocante ou, sequer, descabido. Contudo, não acho que, num futuro próximo, este não venha a ter razão no que disse. Depois de um ano, onde foi consistentemente mais protegido que um comum midcarder, penso que temos razões para acreditar que, eventualmente, Seth Rollins irá ter um maior impacto no topo e, provavelmente, fazer mais história.

Penso, no entanto, que a única coisa histórica do reinado actual de Seth Rollins é o facto de ter começado na Wrestlemania. O primeiro, e único, cash-in da mala de Money in the Bank a ser feito na Wrestlemania. Fora isso e, repito, embora tenha sido um pouco mais protegido que a maioria do roster, sinto que o seu reinado ainda apresenta vários defeitos cruciais e típicos da WWE. Particularmente, no que toca à forma como o campeão é retratado.

Um dos problemas fundamentais com Seth Rollins começa logo na identificação da sua personagem. Numas vezes, este é um estratega genial e matreiro com esquemas infalíveis. Noutras, é um cobarde que precisa de ajuda de terceiros para vencer até os adversários mais incapazes.

O problema com Seth Rollins não é este ser um vilão cobarde e incompetente ou um génio infalível. O problema é a WWE não se conseguir decidir qual dos dois é que ele é.

Durante muito tempo, e até hoje, Rollins identificou-se como o “Arquitecto,” responsável pela criação e destruição do grupo The Shield. Aliás, este destacou-se de tal forma como especial, no grupo, que a Autoridade o escolheu a dedo para ser a cara do futuro da companhia. Até o seu cash-in na Wrestlemania pode ser visto como um plano brilhante. A execução foi perfeita.

Mas, esta apresentação não foi a única que vimos ao longo do último ano.

Também temos visto um Seth Rollins que, pior do que ser cobarde, é incompetente, porque eram raríssimos os combates que este conseguia vencer sem interferência e ajuda. Já para não falar da credibilidade de algumas das pessoas que o venceram, como foi o caso de Joey Mercury e Jamie Noble.

Existe uma enorme diferença entre não ser capaz de vencer ninguém sem ajuda, e vencer da forma como Rollins venceu Neville, numa das últimas edições da Raw.

O combate foi excelente, mas o final em questão foi absolutamente brilhante e, de certa forma, inovador. Rollins mostrou estar consciente da situação em que estava, do sítio onde estava, e usou um estratagema inteligente para se escapar. Foi um fim que protegeu Neville e, especialmente, Seth Rollins, porque enalteceu a versão de Seth Rollins que de facto funciona.

Não há problema nenhum em ter um vilão que escolhe as suas batalhas (argumento para fugir em certas ocasiões), usa estratagemas do género e, por outras palavras, tem sempre uma na manga, porque se for bem executado, mostra que este é inteligente e alguém que deve ser receado. São estes detalhes que enervam e irritam os fãs, porque sabem que a vitória do seu herói era garantida se não fosse aquele, pequeno, detalhe.

Vilões cobardes e claramente incompetentes, gozados por todos os que os rodeiam, é que são personalidades mais complicadas de vender. Especialmente quando os seus esquemas nem sempre funcionam ou são, sequer, inteligentes. Seth Rollins tem desempenhado os dois papéis ao longo do último ano.

A situação piora quando o grupo que, alegadamente, o escolheu a dedo porque viu nele algo especial, o trata como um aspecto secundário. Ou pior, como uma criança que precisa de ser posta no lugar e ensinada uma lição. Todavia, não é novidade que a Autoridade só se consegue beneficiar a si mesma.

É importante que o vilão seja coerente e forte, senão os heróis não terão muito impacto ou, se forem heróis já estabelecidos como John Cena, então a diferença de qualidade entre as duas personagens irá prejudicar o vilão. Seth Rollins, o cobarde e incompetente, não é nada contra John Cena. Essa história não tem qualquer interesse e Rollins não representa o menor perigo.

Seth Rollins, o estratega astuto e perigo, é uma versão completamente diferente que tem outro impacto contra um nome como John Cena. Uma vitória de John Cena contra esta última versão de Seth Rollins é uma, relativa, surpresa. Uma vitória de John Cena contra a primeira versão é rotina.

Apesar dos típicos problemas de booking, o reinado de Seth Rollins tem evitado o rótulo de “desgraça total” graças ao próprio Seth Rollins. Ajuda, imenso, este conseguir ter excelentes combates com praticamente toda a gente e os combates pelo Título serem sempre algo que vale a pena ver.

A sua qualidade dentro de ringue não é a única a manter o reinado de Rollins interessante. Ocasionalmente, Rollins exibe traços de brilhantismo com algumas das suas falas ao microfone, tornando-o – ocasionalmente – hilariante. Por vezes, este apresenta um timing perfeito para certas falas, acabando por tornar um segmento frustrante em algo bastante mais interessante.

O seu exagero e crescente à vontade em falar durante longos períodos de tempo também ajudam. Por minha vontade, os longos segmentos de conversa que abrem a Raw com tanta frequência tiravam umas férias bem longas, mas de todos, Seth Rollins não é o pior a fazê-los.

Neste campo, o único problema que Seth Rollins enfrenta é o mesmo que todos enfrentam. A necessidade da WWE de escrever todas as palavras que toda – ou quase toda – a gente precisa de dizer é um problema.

Ter as mesmas vinte pessoas a escrever os discursos de indivíduos e personalidades, por vezes, completamente diferentes é um método que não funciona. Frequentemente, acabamos por ver pessoas a usarem termos que, em nada, se enquadram nas suas personagens.

Então, quando os discursos são muito longos ou as palavras um pouco menos vulgares, assistimos a enganos. Quando tudo corre bem, temos apenas alguém a debitar um discurso bem estudado, sem conseguir transmitir aquilo que realmente sente. Resumindo, não se ganha nada com este método.

Rollins, com a quantidade de vezes que precisou de falar durante longos períodos de tempo ao longo do último ano, é um dos mais afectados por este problema. Rollins deveria dizer o que a WWE quer que ele diga, mas pelas suas próprias palavras.

Não é por acaso que os melhores momentos de Rollins ao microfone parecem ser improvisados. Se são ou não, é irrelevante, importante é a forma como são transmitidos. Mas, enfim, nada disto é uma novidade.

Assim como também não é novidade a escolha do adversário de Seth Rollins para o Summerslam. Pessoalmente, acho que é um combate que já foi usado com demasiada frequência, recentemente.

Quando foi dado a entender que o combate era uma possibilidade para o Summerslam, na Raw após o Battleground, não fiquei propriamente empolgada. Também não ajuda que a WWE apresente um dos combates principais do Summerslam na Raw, meras semanas antes do evento.

No entanto, não deixa de ser a melhor escolha para Seth Rollins, neste momento. À excepção das duas estrelas de part-time que, como já se sabe, estão ocupadas uma com a outra, John Cena é a maior estrela disponível no roster para enfrentar Seth Rollins. Triple H era uma opção plausível, mas tal combate precisa que a história seja extremamente bem contada e, acima de tudo, os fãs precisam de estar predispostos a apoiar Rollins.

Que sentido faz uma rivalidade entre os dois, onde Triple H é o herói, depois de ter sido Triple H a escolher Rollins a dedo, a dar-lhe todas as oportunidades, apenas para depois o tratar como um mero factor secundário?

Logo, John Cena era a resposta óbvia, especialmente porque Rollins, como campeão, precisa da maior estrela disponível para o enfrentar. Rollins precisa de estar envolvido em combates importantes e de relevo, especialmente quando a WWE faz um trabalho catastrófico no seu combate anterior.

No Battleground, a WWE retratou o combate entre Rollins e Lesnar como algo secundário. O main-event era o regresso de Undertaker. A forma como Rollins rapidamente desapareceu e nunca mais voltou a ser mencionado reforçou ainda mais essa ideia. No meio daquilo tudo, Rollins era tudo, menos a prioridade, embora fosse o campeão. Ser retratado desta forma, quando se é campeão e, especialmente, no seu primeiro reinado, cria problemas que muitos demoram anos a ultrapassar.

Aqui chegamos a um dilema. Sacrifica-se a evolução de Kevin Owens e tenta-se ajudar o reinado de Rollins, ao apresentar John Cena vs Seth Rollins no Summerslam, ou dá-se a Rollins um adversário mais fraco e protege-se Owens?

Digo isto porque, por minha vontade, Owens tinha vencido o Título de Estados Unidos no último combate John Cena e isso significa que uma desforra era a escolha óbvia para o Summerslam.

Como foi exactamente isso que a WWE não fez, acredito que a companhia quer que Rollins saia do Summerslam com o Título principal. Desta forma, mesmo que não ganhe o Título principal no Summerslam, John Cena não sai do evento de mãos a abanar.

Também digo isto porque, neste momento, não consigo visualizar nenhum dos dois a carregar os dois Títulos ao mesmo tempo. Resta saber é quanto tempo é que tal irá durar, caso a rivalidade dure mesmo mais que um combate.

Ora, embora a ideia de John Cena vs Seth Rollins já seja um pouco repetitiva, tal é um problema que desaparece logo nos primeiros minutos de combate. Tal como o combate que deram numa das últimas edições da Raw provou, estes dois são lutadores soberbos e conseguem ter combates extremamente empolgantes juntos.

Só espero que, no futuro, John Cena se junte a Dean Ambrose, na lista de adversários que Seth Rollins não precisa de enfrentar tão cedo. Não é que os combates não sejam bons, mas são pares que já estão algo gastos.

Exactamente por isso é que acho que John Cena e Seth Rollins não se deveriam ter enfrentado na Raw.

Uma lesão nunca é algo que deve ser celebrado, mas é um facto que a lesão de John Cena trouxe alguns benefícios à rivalidade. Não só o combate no Summerslam ganhou um novo relevo e importância, como o próprio Rollins tem feito excelente promos graças ao sucedido. Infelizmente, a lesão deu também azo a mais um segmento ridículo de comédia, mas a definição de comédia da WWE é complicada de perceber.

Mesmo assim, questiono o porquê do campeão principal perder, de forma limpa, meras semanas antes do Summerslam, quando poucos o levam a sério contra John Cena. Acho que é algo que não precisava de ser salientado. Também não ajuda o Título de Estados Unidos. Pelo menos, não ajuda mais do que o reinado de John Cena até agora tem ajudado. Não era necessário ter acontecido para benefício do Título de Estados Unidos e, como se sabe, John Cena também não o precisava.

No que toca ao Título de Estados Unidos, John Cena tem tido um reinado formidável e digno de nota. Individualmente, cada uma das suas rivalidades tem tido os seus defeitos e problemas, mas não será isso que irá prevalecer na mente dos fãs depois do reinado terminar.

Serão os inúmeros combates de excelente qualidade que John Cena tinha todas as semanas, a defender o Título, e a quantidade de pessoas que aparecia para lutar pelo Título, porque queriam ser campeões. Porque o Título valia alguma coisa.

Como já disse várias vezes no passado, o verdadeiro teste irá aparecer depois do reinado terminar. Quando outra pessoa, que não John Cena, tiver o Título nas suas mãos, como é que o Título será tratado? Nessa altura, é crucial que a WWE mantenha a importância do Título, senão rapidamente este volta a ser o que era e o reinado com John Cena será visto como um feliz acaso.

Resumindo, é preciso que o Título seja tratado de forma importante, porque é importante, e não apenas porque está em mãos importantes. Se só é especial porque John Cena o tem, então daqui a um ano, o Título não irá valer absolutamente nada. Novamente.

Voltando ao combate em que Rollins desistiu, tal como Kevin Owens, Rollins justificou o que fez como sendo uma estratégia. É uma boa desculpa, mas não tem qualquer significado se todos a usarem.

Pessoalmente, talvez aceitasse melhor esta desculpa e este raciocínio, se Rollins não tivesse sido tão desvalorizado no Battleground. Se, ao longo do último ano, este tivesse sido sempre tratado como um estratega astuto e perigoso, especialmente durante o seu reinado como campeão, talvez essa desculpa funcionasse.

Mas, como não foi nada disso que aconteceu, é complicado ser fã deste desfecho.

A incógnita, agora, é o desfecho do combate no Summerslam. Como o main-event será Undertaker vs Brock Lesnar e é mais provável que esse combate acabe de forma limpa, do que John Cena vs Seth Rollins, dado ao envolvimento dos dois Títulos, estou inclinada para acreditar que este último não termina de forma limpa.

Ou seja, alguma interferência, batota ou aldrabice, será usada. Tal como já expliquei, acredito que a WWE não tirou o Título de Estados Unidos a John Cena, porque não queria que este ficasse de mãos a abanar depois de não vencer o Título principal nesta rivalidade. Portanto, a minha aposta para o Summerslam é que os dois Títulos ficam com os respectivos donos e somos todos presenteados com um excelente combate.

Da minha parte, penso estar tudo dito. Desejo uma excelente semana a todos e até à próxima edição.

Sobre o Autor

- Administradora. Publico parte das notícias, faço a gestão da League, dos Passatempos e ainda sou escritora do artigo “Opinião Feminina”.

17 Comentários

  1. MicaelDuarte - há 1 ano

    Excelente artigo. Concordo com tudo o que foi escrito.

  2. RFBM - há 1 ano

    Ótimo artigo, não tenho nada a acrescentar, concordo contigo em tudo.

  3. danielLP21 - há 1 ano

    Muito bom.

  4. CenaLunaticFringe - há 1 ano

    Excelente artigo. Completamente de artigo.

  5. Don_Ricardo_Corleone - há 1 ano

    Confesso que estou um bocado farto que o RAW comece sempre da mesma maneira, com uma promo interminável do Seth Rollins.

  6. ZigglerRollins - há 1 ano

    Excelente artigo!

  7. WWEPaulHeymanGuy - há 1 ano

    Na ultima imagem o cena n tem o titulo

  8. reigns one versus all - há 1 ano

    Excelente artigo.
    Concordo com o que escreveste,nada a acrescentar.

  9. TeamAJ - há 1 ano

    Adoro este tipo! Excelente artigo Parabéns :)

  10. you cant see me - há 1 ano

    Bom artigo

  11. Dolph Ziggler - há 1 ano

    Excelente artigo, Salgado.

  12. Sorlei Rui Oltramari - há 1 ano

    Muito bom o artigo, Salgado!

    O Rollins tem se destacado bem nos últimos tempos. Seu trabalho como heel é magnífico e suas feuds tem sido consistentes, bem como a sua proteção por parte do booking. É um dos únicos do NXT que está sendo bem aproveitado e se continuar nesse ritmo, temos um grande ícone se desenvolvendo. Esse período como heel é importante para conquistar o respeito dos fãs, para depois se tornar face. E é isso que deveria acontecer com o Roman Reigns, para que este seja a cara da WWE sem as contestações que tem sofrido.

    Quanto ao combate no Summerslam, este conta com o fator imprevisibilidade a seu favor (assim como Lesnar vs Rollins). Estou confiante em uma vitória de Rollins domingo que vem simplesmente pelo fato de a WWE certamente ter bons planos para ele. Não acho que o Cena vença o WWEWHC (a não ser que perca o US Title no RAW de amanhã), pois ele simplesmente não precisa. Esperamos (e certamente teremos) um bom combate.

  13. Control - há 1 ano

    Belo artigo,estou de acordo creio que os dois saem com seus respectivos títulos mas nos dando um excelente combate.

  14. 434 Days - há 1 ano

    Excelente artigo, Salgado. Nada a acrescentar

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador