Existem 2 vagas na Equipa do Wrestling PT para publicar notícias. Candidata-te!

Top Ten #111 – Mais Duros Rivais de Undertaker

Sejam bem-vindos a mais um Top Ten que volta a ser daqueles temas simples. Quando não tenho muita mão para fazer daquelas esquisitices, curiosidades e tesourinhos deprimentes, por vezes tenho que recorrer aos assuntos directos e regulares. Mas não é sem qualquer propósito porque tal tema é muito pertinente actualmente.

Acontecimento mais marcante, mesmo que tenha sido de reacção mista, foi o regresso de Undertaker. Seguido de uma brutal e muito mais bem recebida “pull apart brawl” no Raw do dia seguinte que nos mostrou que eles ainda sabem fazer tremendos segmentos e que o R-Truth tem uns fantásticos dotes persuasivos. Vem tarde e em má hora mas sabemos que Undertaker tem as suas razões. Foi às mãos de Brock Lesnar que ele viu a sua streak a acabar e ainda lhe dói mais do que a todos nós. Até reconhece que streaks foram feitas para ser quebradas e respeita isso. Mas foi toda a consequente gabarolice que o incomodou. Ou diz ele, se calhar perder causou-lhe mesmo comichão.

No entanto, o que não se nega é que Lesnar é um dos seus grandes e mais duros rivais. Undertaker foi sempre um Superstar dominante, que intimida. Mas de vez em quando lá aparece um que lhe expõe algumas vulnerabilidades. Aqui listo dez dos mais duros rivais de Undertaker que o fragilizaram e/ou que o fizeram recorrer ao fundo do seu estômago para sair por cima. Será este apenas um “grandes rivais de Undertaker”? Talvez. Ao contrário do caso recente que fiz com John Cena em que sabia perfeitamente o que estava a fazer e o que não estava a fazer, aqui pode muito facilmente fluir um tema para o outro. Decidam vocês. O certo é que olhando para a definição que dei, tinha que incluir o Giant Gonzalez e o Great Khali, mas façam de conta que eu sou o Diabo e eles são duas cruzes. Avancemos para a lista de uma vez:

10 – Yokozuna

Uma besta imparável quando chegou na primeira metade da década de 90, o seu tamanho e assustadora agilidade faziam dele o mais duro adversário que qualquer um pudesse ter. Que não fosse o Hogan na Wrestlemania IX a aparecer e a ter combates pelo título porque sim, porque a graça divina o permite. De resto, já todos as passaram negras. Incluindo Undertaker quando, em 1993, se juntou à equipa patriota do Survivor Series liderada por Lex Luger e encontrou ali um duro adversário no líder da equipa oposta, o WWF Champion Yokozuna. Deu numa das mais peculiares feuds em que nenhum conseguia anular o outro: poucos conseguiam parar ou até derrubar Yokozuna. Poucos conseguiam manter Undertaker deitado. Isto acabou por colidir e deu para o torto. As coisas acabaram por dar num Casket Match, onde se expôs uma autêntica vulnerabilidade de Yokozuna: uma fobia a caixões. Mas não lhe adiantou porque ainda era Yokozuna… e todos os Heels do plantel a manter Taker no caixão – essa parte já desgostei. Mas foi das melhores coisinhas, em feud, a sair daqueles anos, com a questão de “quem raio consegue bater quem” numa batalha em que um não cai e o outro sempre se levanta.

9 – Hulk Hogan

Existiu uma feud mais recente, em 2002, na qual Undertaker o derrotou pelo WWE Undisputed Championship mas nem conto essa, até porque o maior obstáculo deve ter sido a incapacidade de Hogan para levar com um Chokeslam como deve ser. Esse já não era o primeiro encontro entre os lendários lutadores, porque já em 1991, nem ele tinha chegado há muito tempo, Undertaker tinha em Hogan um verdadeiro desafio. Não se pode considerar o seu primeiro grande desafio visto que, antes de lá chegar, passou por nomes como Sgt. Slaughter, Randy Savage ou Ultimate Warrior, tudo Hall of Famers de respeito. Mas havia algo em especial de Hogan, para além de ser o Hogan: o WWF Championship. É talvez aí que reside o factor “primeiro grande desafio” e, mesmo com alguma ajuda de Ric Flair, conseguiu-o no Survivor Series de 1991, tornando-se o mais jovem WWF Champion até então. Mas como a coisa não podia ser fácil e porque Hogan, perderia o título seis dias depois. Finais polémicos acabaram por retirar o cinto a ambos, deixando-o vago. Mas culminava aqui a imparável ascensão daquele esquisito que tinha estreado há um ano atrás. Num combate pelo grande prémio e contra Hulk Hogan. Não é para todos.

8 – Triple H

Sabemos que estamos perante alguém notável e, de certo modo, teimoso, quando nas 22 vitórias da Wrestlemania, ele aparece três vezes! Já se conhecem bem e mesmo que existam feuds antigas de destacar como o episódio do seu regresso, na forma do “American Badass” em que atacou toda a McMahon-Helmsey Faction e foi atrás do líder Triple H, ao encontro na Wrestlemania X-Seven, acho que é caso para se destacar a rivalidade mais recente, que os viu enfrentar-se em duas Wrestlemanias seguidas, XXVII e XXVIII. O propósito de Triple H já só era um: romper a streak. E o propósito de Undertaker aparecer também já só era um: defender a streak. Tal tarefa fica progressivamente mais difícil e Triple H não é dos moles. Vendido, com legitimidade, como alguém perfeito para conseguir a proeza, esteve muito perto de o conseguir em ambas as ocasiões. Na primeira, Triple H levou-o tão ao limite que ele nem conseguiu celebrar ou sair pelo próprio pé. Na segunda, foi um épico, um dos grandes combates do nosso tempo que foi vendido como o “End of an Era” e com boas razões. Com Shawn Michaels a arbitrar, deu-se um combate lendário envolvendo três lendas. E a imagem dos três abraçados a deixar a arena e a agradecer ao público fala por si.

7 – Stone Cold Steve Austin

Diz que um alvo até era o Vince. Mas sabemos bem como isso se desenrolou e a coisa só fica mais horrorosa quando nos lembramos a forma como Stephanie McMahon foi tratada no meio disto tudo. A altura para a qual recuamos é para os finais da década de 90, mais especificamente em 1999. Undertaker reforçava a sua personagem de “Dead Man” ao tornar-se mais macabro, sinistro e Satanista como líder da Ministry of Darkness, onde de vez em quando gostava de crucificar malta e tentar sacrificar alguns quantos. E, lá está, o principal alvo parecia ser Vince McMahon, a quem também lhe tentou sacrificar a filha – e ela ainda nem era uma personagem recorrente na WWE. O Chairman teve que se aliar ao seu maior rival, Stone Cold Steve Austin, para derrubar essa força das trevas que era o grupo liderado por Undertaker. Mas como nós já bem sabemos, a coisa foi dar em “It was me, Austin, it was me all along!”, o que só torna os segmentos com Stephanie mais perturbadores ainda. Tudo foi para retomar a feud com Austin, o eterno rival do patrão, e a coisa que já estava azeda entre Undertaker e Stone Cold só azedou mais. Por entre esta renhida rivalidade, dadas as lendas aqui retratadas, contam-se trocas de títulos com o WWF Championship e uma ou outra tentativa de homicídio. A normal feud que temos hoje em dia regularmente entre Wade Barrett e R-Truth.

6 – Edge

Por momentos até podia parecer que Edge era um adversário frágil. Pelo menos assim era vendida a ideia quando este tinha que o enfrentar num Hell in a Cell no SummerSlam de 2008. Edge teve que recorrer a Mick Foley para o ajudar e este apenas disse que quem o melhor podia ajudar era Edge. Mas não o Edge, bom maridinho da Vickie Guerrero, mas sim o Edge mais doentio e sádico. Acordou. Trouxe esse Edge de volta e Undertaker já tinha uns problemas à sua frente. Mas isto era o culminar da feud porque ela já durava há uns bons meses e já Undertaker tinha conquistado o World Heavyweight Championship de Edge na Wrestlemania XXIV. Avançando o seu reinado, Vickie baniu o Hell’s Gate como uma manobra perigosa e retirou-lhe o título, obrigando os dois Superstars a combater pelo cinto vago até um TLC que Edge venceu, com ajuda de armas fortíssimas como a estipulação do combate e La Familia. Essa derrota do Dead Man até lhe valeu a saída da companhia, até Vickie o trazer de volta para vingar Edge no tal Hell in a Cell. Finais da década 00 pode não ser das alturas mais ricas na WWE, mas esta terá que ficar como uma das grandes feuds desses anos!

5 – Mankind

Pois, à medida que as posições vão subindo, aumenta também a dúvida acerca do tema, se não é mesmo uma lista das melhores feuds da sua carreira. Já temos aqui uma das históricas que nem precisam de qualquer tipo de detalhe. Mas claro que incorporo isto no tema que disse nos parágrafos iniciais: sabemos que estamos perante um gajo duro de roer quando é preciso atirá-lo do topo de uma jaula de 5 metros, ou mandá-lo pelo tecto dela dentro para o derrotar. É que nem isso chegou, que o sacana levantava-se sempre! Lá está, das que nem adianta estar a detalhar mas temos que recuar ao ano de 1998, ao PPV King of the Ring, onde culminava esta feud já retomada de altercações que tinham havido anteriormente. Feud histórica e cabe perfeitamente no conceito que procurava. Mick Foley é o adversário mais rijo de toda a gente, simplesmente porque não há como quebrá-lo. Ou até há, só não adianta muito, ele levanta-se!

4 – Brock Lesnar

E ia faltar este? Que já nem é estranho dele e com quem já teve uma feud bem intensa em 2002, que chegou a um combate Hell in a Cell, no qual Undertaker competiu com uma mão partida porque ele é um filho-da-mãe rijo também. Não conseguiu ganhar e era com algo grande em jogo, que era o WWE Championship. Mostra que talvez Undertaker não tenha nele o que necessite para bater Lesnar. Temos que esperar pelo SummerSlam para saber se há volta a dar, a porradinha velha que aconteceu no Raw foi igual para os dois lados. Mas todos nós sabemos qual foi o derradeiro momento, o histórico. O que pode deixar muitos a perguntar “quarta posição?”. E agora até eu estou a perguntar isso. Havia uma tal “streak” que era bem impressionante. Em toda a sua carreira, Undertaker tinha participado em 21 Wrestlemanias e nunca tinha perdido. Tornou-se um dos seus maiores símbolos e, quiçá, o feito mais impressionante na história do “sports entertainment”, só para me armar em corporativo agora. Chega o Brock Lesnar e acaba com isso, deixando uma arena, um mundo, em choque sem conseguir reagir. Caiu mal a muitos mas uma coisa era certa: história estava feita. A maior streak da história acabava de ser quebrada. Por uma Besta que quase se borrou no Battleground quando tinha esse gasto homem à sua frente. Realmente há muito mais vulnerável e batido que isso?

3 – Randy Orton

Este é um dos grandes para aquela outra lista que quase é esta, também. Para aqueles da mesma geração que eu que tiveram os seus inícios ali para os lados do wrestling na mesma altura, esta pode muito bem ser a maior rivalidade de Undertaker do nosso tempo. E Randy Orton era um moço que ia muito longe na sua crusada anti-Undertaker para o puto arrogante que aparentava ser. Mas era danado e não era dos fracos, além disso tinha uma simples missão que lhe dava muita mais força nisto: ele era simplesmente um “Legend Killer” e não devia ter muitos alvos à sua mercê maiores e melhores que Undertaker. Foi uma feud bem longa e passou pela Wrestlemania, acrescentando o nome de Randy à lista das almas colhidas. Foi também ele um dos primeiros a mencionar a streak como algo existente e na qual ele via outra missão. Quiçá seja o primeiro, não tenho a certeza, não posso precisar nisso. Mas muitos foram os combates que tiveram, uns bem sangrentos e violentos. E Randy era um dos que melhor tinha o “número” de Taker, mesmo que nem sempre a coisa lhe corresse bem e ele andasse frequentemente cheio de medo. Nunca foi rapaz de colocar limites ao que fazia e para acabar com o Dead Man, tentou de tudo desde pegar-lhe fogo dentro de um caixão, a tentar passar-lhe a hepatite do pai através do sangue. Já Undertaker fazia loucuras como possuir o Josh Matthews. Tudo bem que queira andar de vez em quando no corpo de outra pessoa, mas do Josh Matthews?

2 – Shawn Michaels

Mais um que dá para a pergunta retórica jocosa de que é que estes dois já fizeram juntos. Uma pergunta que se pode aplicar de seguida é em relação à quantidade de ocorrências e a dificuldade em destacar a melhor. Na primeira, teremos que recuar a 1997, ao primeiro Hell in a Cell da história, combate de meia-hora que valeu uma raríssima classificação de cinco estrelas do sempre esquisitíssimo Dave Meltzer. E que ainda nos trouxe o Kane como brinde. Só um pouquinho de história a ser feita. Mas para comprovar a longevidade de ambos e a sua boa relação com o tempo – relação essa que já está bem mais conturbada para o nosso amigo Undie – podemos avançar para tempos mais recentes, para as Wrestlemanias XXV e XXVI, onde se enfrentaram meramente por serem lendas. Sim, também havia a história da streak e ao segundo encontro também envolveu a carreira de HBK. E são pontos bem fortes. Mas também já eram os seus estatutos que estavam aqui a servir de rodas para o andamento. E deram dois combates de fazer cair queixos. Shawn Michaels pode muito bem ser o epítome de levar Undertaker ao limite e de ser um daqueles que mais próximo esteve de acabar com a streak. E cimentou isso com dois combates que ninguém conseguirá reproduzir. São coisas destas que não são para quem quer.

1 – Kane

E quem melhor para liderar tal lista que alguém que o conheça bem? E quem é que o conhecerá melhor que o próprio meio-irmão? Ainda para mais um meio-irmão piromaníaco que matou a família num incêndio, porque esta malta era bem esquisita na hora de inventar histórias há uns bons anos atrás. O eterno rival e parceiro, aquele com quem trocou tantos galhardetes intensos e pessoais assim como partilhou títulos de Tag Team. Kane é um nome que costuma andar sempre ao lado de Undertaker. Talvez seja necessário sentar e ter uma conversa com alguns para os tentar convencer que é esse o mesmo Kane que andava agora de fato e a lutar com as calças do tal fato. A rivalidade que era sempre retomada por entre outras e que era sempre bem-vinda. A rivalidade que não era como as outras porque cada um não era para o outro um adversário como os outros. Feuds que se resolviam na Wrestlemania, a pegar fogo um ao outro, a enterrar-se vivos, a matar-se famílias, etc. Pode muito bem ser “o” rival de Undertaker vitalício, o que o introduzirá no Hall of Fame e que mais semelhanças tem com ele. Porque não há melhor para levar ao limite, superar e expor fragilidades que alguém muito parecido com o próprio.

E com isto chego ao fim de mais um Top Ten e espero que tenham gostado do tema e que este tenha sido suficientemente claro. Se quiserem torná-lo mais claro ainda, estão à vontade e até vos encorajo a acrescentar outros casos que achem que encaixem no conceito. Igualmente se quiserem clamar os lugares do Gonzalez e do Khali. Ou até do Maven. Como queiram. O artigo agora é vosso e a minha parte retorna na próxima semana – ainda tenho cá uma paragem a meio desta semana, mas é outra coisa – quando vos trouxer um novo tema. Quero que estejam lá todos outra vez e que continuem a ser malta bem comportada até lá. Continuação de um bom Verão e até à próxima!

Uma nota importante: Longe de mim querer insinuar coisas mas ontem o WWE.com publicou isto. Pronto, só queria dizer…

Sobre o Autor

- Escritor do artigo “Top Ten”.

26 Comentários

  1. pagodeiroking - há 1 ano

    Só uma dúvida por que nome do hogan tá todo riscado?. Fora isso ótimo artigo.

  2. Reigns one versus all - há 1 ano

    Otimo top ten.
    Um tema bem escolhido,sem duvida

  3. "The Architect" - há 1 ano

    Mais uma grande Top 10.
    Morri na parte do Hulk Hogan xD

  4. MicaelDuarte - há 1 ano

    Fantástico, Chris.

    O pormenor no texto do Hogan foi muito bem pensado, ahahahahah! :D

    Os nomes que escolheste nem merecem justificação, mas acho que teria colocado o Batista nessa lista.

    • RFBM - há 1 ano

      Concordo contigo, talvez o único nome que falte seja o Batista, na sua expetacular feud em 2007.

      • Eu - há 1 ano

        Também tenho essa ideia, o nome do Batista teria ficado muito bem nesta lista ..

  5. BRRM - há 1 ano

    Excelente artigo.

    Aquela parte do Hogan…xD

  6. Cronos HHH - há 1 ano

    porque da parte do Hogan ESTAR RISCADA?

  7. goncalolucha - há 1 ano

    eu tinha incluido ultimate warrior Chris JRM mas um otimo artigo

  8. JL Paes - há 1 ano

    Sempre adoro os Top Ten, e sempre dou risada com esse artigo, mas aquela parte do Hogan foi demais, ri muito hahahahahahahaha

  9. FrancisDreezPT - há 1 ano

    MT bom este top ten, pegaste num tema bastante interessante..aquela parte do Hogan está espetacular, mas acabava por o tirar e colocava o Batista e o CM Punk,pois ambos tiveram uma grande feud…
    Em relação ao Punk,estou a falar da feud da WM e da feud pelo Heavyweight Title…

  10. JP UNSTABLE Maior - há 1 ano

    Como sempre, um too ten muito bom. Mas porquê que não puseste ninguém na posição nove. Quem é esse tal hulk hogan?

  11. Dolph Ziggler - há 1 ano

    Excelente top ten!

  12. HH IS DEAD - há 1 ano

    10- Yokozuna
    9- Stone Cold Steve Austin
    8- Batista
    7- Randy Orton
    6- Edge
    5- Mankind
    4- Brock Lesnar
    3- Triple H
    2- Shawn Michaels
    1- Kane

  13. João Paulo - há 1 ano

    Excelente Top Ten, a feud do Taker contra Randy Orton com certeza foi uma das melhores rivalidades dos anos 2000

    • Bruno "waytt" Costa - há 1 ano

      de 2000 ?? tas todo cego em 2000 o Orton nem sequer era lutar da WWE

      • DMartins_WWE - há 1 ano

        Caso tu não tenhas percebido ele disse “anos 2000”. E a feud do Randy contra o Undertaker decorreu no ano de 2005, que é nos anos 2000.

  14. Inzayn - há 1 ano

    Falta ai o Batista…

  15. Bruno Alves - há 1 ano

    Para mim só falta aí o Batista
    The Undertaker vs Batista na Wrestlemania 32

  16. Sorlei Rui Oltramari - há 1 ano

    Excelente Top Ten, Chris. A parte do Hogan é de matar. XD

    É dispensável falar sobre o Taker, uma lenda viva e um grande ícone da históia da WWE. Todos os rivais listados são bastante importantes, mas talvez desse um jeito de incluir o Batista nessa lista.

  17. DMartins_WWE - há 1 ano

    Excelente Top Ten, Chris. Bastante bem pensado na parte do Hogan xD.

  18. leo_ink532 - há 1 ano

    exelente top ten , eu so trocaria o kane pelo HBK

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador