Top Ten #54 – Reinados interrompidos à força

Dou-vos as boas vindas a mais uma edição do Top Ten. No passado Monday Night Raw, recebemos notícias preocupantes por parte de Daniel Bryan, que necessitará de cirurgia após uma séria lesão no pescoço. O povo ficou todo baralhado e nem tinha a certeza se era tudo história ou se era uma lesão a sério, mas agora a questão que se levanta: então e o título?

O título… Pode ter muitos destinos. E num caso extremo mas muito possível em que o cinto tenha que ser retirado a Daniel Bryan… Já não é o primeiro e já existiram vários reinados a ver um final abrupto e forçado pelo competidor não conseguir prosseguir devido a alguma lesão legítima. Há casos recentes de lesões em que os lutadores se safam e podem manter os títulos, como CM Punk e Dolph Ziggler. Mas na história, já existiram lutadores com menos sorte. Olhemos a dez indivíduos com pouca sorte – menos de dez até, há aqui algumas repetições e um certo Hall of Famer que parece ter sido muito azarado na sua carreira…

10 – Bret Hart, WCW World Heavyweight Champion, 2000

Isto já apanhou a altura desastrosa da WCW em que o título Mundial já mal tinha valor e mudava de mãos com uma regularidade escandalosa, chegando o cinto a ter mais de trinta mudanças em cerca de dois anos, com muitos períodos de títulos vagos, reinados de mínimos dias, e nomes como Vince Russo ou David Arquette a constar entre os Campeões. Alguns desses casos também se deviam a azares grandes, como foi o caso de Bret Hart que foi um dos Campeões desse mar de nomes em 2000. No Starrcade de 1999, onde defendia o cinto contra Goldberg, as inseguranças que manchavam o nome de Goldberg levaram a que Bret Hart acumulasse traumatismos e viesse a sofrer de um síndrome pós-traumatismo, que lhe forçou a reforma por aquele momento. Mas não logo, ainda teve que haver um “Russo swerve”, uma Heel Turn que prolongasse o reinado, uma espécie de nWo – às reencarnações que tiveram, aquilo já mal era nWo – e então só em Janeiro de 2000 é que as lesões acumuladas o forçaram a abandonar o título, a companhia e por um longo tempo, o wrestling. Quase foi preciso puxá-lo com um gancho, mas lá se conseguiu.

9 – Edge, Intercontinental Champion, 2004

Este, se fizerem as vossas contas… Já devem saber que é o Hall of Famer azarado de quem falei na introdução. Esta é a primeira de várias das suas entradas neste menos feliz Top Ten e corresponde aos seus tempos de crescimento e transição do midcard para o main event, em 2004. Pela altura da supremacia dos Evolution, era preciso alguém forte para retirar o título Intercontinental a Randy Orton. Alguém forte que viria a ser seu parceiro uns anitos mais tarde, Edge tratou do assunto no Vengeance de 2004 e tornou-se Campeão Intercontinental. Mas uma lesão na virilha deixou-o de baixa e foi-lhe retirado o título, até ele parar às mãos de Chris Jericho, homem que conhece bem aquele cinto. Antes fosse este o último dos seus azares…

8 – Batista, WWE Champion, 2009

Já dos seus últimos grandes feitos na companhia antes da sua saída – conseguiria mais um título – Batista foi capaz de sair por cima numa batalha com o seu agora outra vez “miguxo”, Randy Orton, que andava por aí a fazer asneiras com os Legacy. Conquistou o título no Extreme Rules de 2009 num combate de jaula, mas por pouco tempo. No Raw, em Junho, vimos os Legacy a atacá-lo e a dar-lhe uma carga de lenha das valentes para fingir uma lesão que o obrigou a desistir do cinto. Mas este Top Ten não fala de fingimentos e isso dos Legacy foi só para o grupo ficar com os louros e haver uma história em TV. Na realidade, Batista tinha mesmo uma lesão num bícep e teve que se retirar por um tempo e deixar o título vago para, mais tarde, voltar às garras de Randy Orton.

7 – Triple H, Intercontinental Champion, 1998

Bons tempos dos D-Generation X na Attitude Era e bons tempos da feud com os Nation of Domination. Essa precisa feud levou a um confronto entre dois nomes como Triple H e The Rock, num combate Ladder no SummerSlam de 1998. Os DX cada vez mais se estabeleciam como um grupo Face, um título seria bom para cimentar a coisa. E assim foi, Triple H vence esse encontro e vence o título Intercontinental. A parte menos boa viria dois meses depois quando uma lesão no joelho o forçaria a desistir do título, que ficaria aberto a disputa em torneio, que viria a ser vencido por Ken Shamrock. Já não é tão bonito quando te acontece a ti, não é, Hunter?

6 – Edge, World Heavyweight Champion, 2007

Cá está ele de novo. Mais um dos seus azares e aqui ele já era um main eventer estabelecido. Em 2007, como fruto de mais um cash-in de Money in the Bank com sucesso, Edge ganha o título Mundial a Undertaker e começa o seu reinado de sucesso, saíndo por cima numa feud intensa com Batista. Poderia continuar essa sua boa onda, mas a má sorte teve que o atingir quando, um ataque de Kane, o lesionou legitimamente num músculo peitoral. Lá tinha Edge que desistir do seu estimado título, que ficaria vago para definir novo Campeão numa battle royal. Se se lembram ou leram o Top Ten da semana passada, o fantástico novo Campeão foi The Great Khali. Há o passar de cavalo para burro e há isto…

5 – Batista, World Heavyweight Champion, 2006

Como podem ver, também não é dos mais sortudos para já estar aqui outra vez. E nesta entrada foi o fim abrupto do seu longo e dominante primeiro reinado como Campeão Mundial. Todos nos lembrámos do grande combate com Triple H na Wrestlemania XXI, onde ganhou o título e também nos devemos lembrar do quão longo e dominante foi o consequente reinado, onde Batista passou por cima de tudo e todos. Com um reinado a aproximar-se cada vez mais dos 300 dias, não se via quem poderia parar este Superstar em constante crescimento, mesmo após já estar no topo. Quem o parou? Mark Henry, num house show, logo no início do ano de 2006, lesionando-lhe um trícep e obrigando-o a parar e a deixar o título vago. Abriu-se o caminho para Kurt Angle ganhar o título numa battle royal que não foi incluída no passado Top Ten porque… Porque… Cabeçada na parede!…

4 – John Cena, WWE Champion, 2007

Sim, o Cena. Até mesmo o Superman que já deve andar a lutar lesionado há anos, que está sempre lá mesmo que partido ao meio, que se retira para recuperar de lesões mas que volta mais cedo porque adoram forçá-lo… Ele também já teve que deixar um título. O indivíduo que precisava de umas férias para descansar e para que os fãs descansem dele viu o seu enorme reinado como WWE Champion terminar apenas à força, após uma das mil feuds com Randy Orton – esta foi a primeira das grandes e que até já começou a envolver o pai do Cena – em Outubro de 2007 – mais de um ano depois de o conquistar.

Mas a dramática lesão num músculo peitoral deixou Cena na prateleira e forçou-o a deixar o cinto, que seria oferecido de recompensa a Randy Orton no seguinte PPV, No Mercy. Isto serviria, pelo menos, para preparar o inesperado e entusiasmante regresso no Royal Rumble de 2008.
O que acontecia com o título é que era o engraçado. O cinto era oferecido a Randy Orton – que defrontaria Cena no No Mercy, se este tivesse condições – que viria a perder o título para Triple H, logo ao abrir do PPV, para mais tarde voltar a perdê-lo no fecho do mesmo. Isto enquanto o Cena se encontrava de baixa.

3 – Shawn Michaels, WWF Champion, 1997

Tempos controversos de Shawn Michaels e tudo isto está bastante envolvido em controvérsia. Após a vitória de Shawn Michaels sobre Bret Hart na Wrestlemania XII pelo título, HBK viria a ter um longo reinado, até ver Sid Vicious colocar-lhe um fim. Recuperou o título a Sid e diz-se por aí que na Wrestlemania XIII ia ter um rematch com o seu arqui-rival Bret Hart. Mas, muito infelizmente e para alguns muito coincidentemente, Shawn explica num episódio especial do Raw a uma Quinta-Feira, que uma séria lesão no joelho o retiraria dos ringues e o cinto teria que ficar vago. Chegou mesmo a falar em reforma e foi esta a infame promo em que o lendário “Showstopper” afirmou que perdeu o seu sorriso e que precisava de encontrá-lo.

O facto do timing apanhar pouco antes da altura em que iria voltar a encontrar Bret Hart fez correr línguas. E o próprio Hart saiu em público a dizer que Shawn estava apenas a meter uma grande peta, não tinha lesão nenhuma e só se recusava a largar o título para Bret Hart na Wrestlemania, porque todos sabemos o quão bem eles sempre se deram no backstage. Mentira ou não, a história que chegou a nós foi a de lesão de um joelho que tirou Shawn dos ringues e tirou-lhe o título. O título acabaria por ser recuperado por Bret Hart que vencia Stone Cold, Undertaker e Vader. Perdia-no no dia seguinte para Sid, para desgosto de muitos. Era só questão de meses para Shawn Michaels regressar e recuperar o título… Daquela tão falada forma que não preciso de mencionar de tão famosa que ela é…

2 – Steve Austin, Intercontinental Champion, 1997

Permitindo-me o uso de calão aqui por estas andanças para introduzir esta entrada e justificar a sua alta posição: isto requer um valente par de tomates. Um daqueles casos em que um botch faz tanta asneira. Durante uma feud intensa entre Stone Cold e a Hart Foundation – de Owen Hart e British Bulldog – Austin tornou-se Campeão de Tag Team com Dude Love na feud com a equipa. A coisa intensificou-se e Austin foi atrás do título Intercontinental de Owen Hart. No SummerSlam de 1997, o grande momento para Austin brilhar, Hart não executa bem um piledriver e causa uma legítima fractura no pescoço de Austin, deixando-o paralisado por momentos.

Assim que o maior dos sustos passou e Stone Cold recuperou os seus movimentos, amanhou ali um final com um roll-up que lhe deu a vitória… Com o pescoço partido. Que o Kurt Angle aplauda de pé. Sim, Stone Cold mostrou uma força de vontade incrível em cumprir o plano e ganhar o título… Mas o seu estado não lhe permitia mantê-lo e logo de seguida teve que ser-lhe retirado, juntamente com o seu cinturão de equipas que detinha com Dude Love. O cinto acabaria por regressar à posse de Owen Hart, não fosse ele desatar a partir mais pescoços.

Nota: o título de equipas que Stone Cold tinha com Dude Love foi recuperado. Antes disso o título tinha-lhe sido retirado devido à incapacidade do seu parceiro… Shawn Michaels.

1 – Edge, World Heavyweight Champion, 2011

Claro que para o azarado dos azarados tinha que haver, pelo menos, mais uma. E ficou-lhe guardada logo a galardoada do número 1. Número 1 porque todos ainda a recordamos com uma tristeza imensa. Número 1 porque não foi só uma paragem, foi um fim de carreira. Número 1 porque foi dos momentos mais emocionais da história recente e que desanimou muito bom fã da WWE e de wrestling em geral. Após muitos anos de uma excelente e gloriosa carreira, Adam Copeland, conhecido como Edge, acumulou demasiadas lesões. Nem é preciso dizer mais, ele aparece neste Top Ten mais duas vezes, e isso são só vezes em que ele tinha títulos. Faltam as restantes.

A mais grave encontrava-se no seu pescoço e era demasiado grave – o agora Hall of Famer nem conseguia mexer os braços após cada combate seu. E os médicos tiveram que o alertar antes que o pior acontecesse: Edge corria o risco de ficar numa carreira de rodas, incapacitado de mexer os seus membros. Isto quando um combate de escada se aproximava. Custou-nos ver a carreira de Edge a acabar mas foi pelo melhor e ainda bem que ainda foi a tempo. Tudo isso aconteceu, a emocional promo do lendário lutador aconteceu… Quando ele detinha o seu décimo primeiro título Mundial. Ficou vago e Christian tratou de ficar com ele, como homenagem ao seu grande amigo de infância. E Edge ainda é recordado como um dos grandes de sempre, com uma excelente carreira que nos fez admirá-lo. Vai aparecendo sempre que quiseres, Edge!

Dez tristes fins de reinado como estes completam o Top Ten desta semana. No dia em que este artigo sai é o dia em que se fica a saber o paradeiro do actual WWE World Heavyweight Champion, Daniel Bryan, cuja cirurgia no pescoço o afastará dos ringues por agora e que pode fazê-lo juntar-se a esta lista. Esperemos para ver. Agora se há mais casos como estes que se lembrem e até com outros títulos mais “baixos”, estão à vontade para os lembrar. E comentem o tema, estes finais abruptos e o que sentiram na altura em que se deram, se os viveram.

O artigo já é todo vosso e voltará a sê-lo na próxima semana quando regressar aqui com novo tema, se tudo correr bem e o título de escritor do Top Ten não me for retirado à força devido a uma séria lesão nas pontas dos dedos. Em princípio, estou rijo. Até lá, fiquem bem e parabéns ao Benfica pela Taça de Portugal e pela final, mesmo não conseguindo o título Europeu!

Sobre o Autor

- Escritor do artigo “Top Ten”.

20 Comentários

  1. Alexandre Romano - há 3 anos

    Bom artigo Chris coitado do Edge “O Atleta Mais Azarado do Mundo” lol e o Batista também não têm lá muita sorte tenho de admitir que numa Smack Down 2011 até chorei quando o Edge se foi embora e deixou ali o titulo no meio do ringue.
    Comprimentos, Alexandre.

  2. Retribution - há 3 anos

    Todos acabam por ir embora quer queiramos ou não e não podemos fazer nada em relação a isso nao os podemos obrigar a voltar , Ja agora Otimo artigo Chris

  3. Don_Ricardo_Corleone - há 3 anos

    Um bom artigo. Assim de repente, de outros casos, lembro-me do fim da cerreira do Muhammad Hassan devido a uma lesão no cérebro de jornalistas e do Vince McMahon.

    • Triple G - há 3 anos

      O wrestler que usava o dive, antes do Benoit e o Bryan era o Dinamite Kid, que fazia equipa com o British Bulldog (juntos eram os British Bulldogs).
      Devido ao seu estilo técnico e por vezes extremo, foi acumulando lesões, e por não ter respeitado as ordens dos médicos para parar, está agora paraplégico.

      http://www.tuttowrestling.com/kid3.jpg

      • Don_Ricardo_Corleone - há 3 anos

        Era esse mesmo, não me recordava do nome. Obrigado. :)

  4. John_3:16 - há 3 anos

    Bom artigo e sim lembro-me de algumas destas despedidas forçadas, especialmente a do edge, de facto foi triste.

  5. Malco Canedo - há 3 anos

    Excelente artigo.
    Pra mim, o reinado interrompido que mais teve consequências foi o do Edge, já que quando ele deixou o título vago, começou a era dos reinados relâmpago, começando pelo seu grande amigo Christian (Damn you, Orton).

  6. Tunes9 - há 3 anos

    Excelente artigo, com os “azarados”, Parabéns! Chris JRM. :-)

    Bom top, o Batista realmente estava em alta em 2005/2006, depois de deixar os Evolution e vencer o HHH na WM21 e depois no Backlash e Vengeance, saiu por cima na feud e ficou em grande, depois foi para a Smackdown no draft (outro grande momento com o JBL cheio de medo, eheh) e teve um reinado dominante e imparável, mas a lesão estragou tudo e tive pena de o ver sair por causa dessa lesão, ele era mesmo brutal nessa altura, era dos meus preferidos, só não gostei da feud com o HHH (eheh), mas foi uma pena a lesão, depois ele falou no No Way Out 2006 e disse que estava perto do regresso, houve o grande combate entre Kurt Angle e Taker pelo titulo, esse foi um dos momentos mais azarados do Batista e depois em 2009 novamente.
    O Edge também teve aquela lesão do tendão de aquiles, mas nessa não era campeão, teve essa do peitoral e depois teve a definitiva em que teve que se retirar e entregar o titulo, foi um momento emocionante e fiquei bastante triste, o Edge não merecia e ele dava outro nível ao roster e à Smackdown, que depois dele nunca mais foi nada, ele e o Batista são mesmo os mais “azarados”.
    O top foi muito bem escolhido, Parabéns. :-)

  7. Hildo - há 3 anos

    Muito bom artigo. Sem duvida o Edge não teve muita sorte quando estava com os titulos, aquela ultima promo dele, e o video do Hall of Fame, quase me fazem chorar, é triste, mas fico feliz que nada de mais grava tenha acontecido com ele.

  8. PedroSWWE - há 3 anos

    Belo artigo, apesar de ser sobre um assunto triste.
    Para além dessas lesões em que os cameões tiveram que doar o título, houve o caso de Shawn Michaels em 1998, que na WrestleMania 14 já tinha a lesão nas costas, sendo obrigado a perder o título devido a essa lesão, tal como John Cena 2013, onde perdeu o título para Bryan no SummerSlam!
    Mas desses 10, os meus mais memoraveis sao, o do Batista 2006, que até Kurt Angle que era do Raw venceu o titulo, do Stone Cold em 1997, e nesse combate foi incrivel, como Stone Cold consegue fazer o roll up muito atordoado, e o do Edge 2011 sem dúvida.

  9. Rodrigo do Bem - há 3 anos

    Artigo muito bom! Devido a existência destas lesões que põem fim a carreiras, vimos a minha superstar favorita desde sempre EDGE “desaparecer”…Não vou dizer que espero que o Daniel Bryan recupere depressa porque ele que leve o tempo que quiser até estar a 300%. Todos sabemos que se ele estiver a 100% pode acontecer uma lesão outra vez. No geral artigo muito bom e interessante. Parabéns!

  10. AFFALLOU - há 3 anos

    muito bom o artigo prbns a todos os envolvidos , pobre edge e um dos maiores de todos co certeza

  11. Control - há 3 anos

    Um bom artigo,um tema que foi abordado uns dias atrás mas não tão a fundo.Sabia que o Edge ficaria em primeiro infelizmente ,apesar de ser azarado era tão bom que a WWE não tinha remorsos em li dar um titulo um dos grandes nomes do World Heavyweight champion já teve.

  12. rodrigomcb99 - há 3 anos

    Excelente artigo
    Sem duvida o Edge foi muito azarado e quem não lhe fica muito atrás é o Batista

  13. Matheus Alt - há 3 anos

    Cara, a despedida do Edge foi muito triste :'(. Ótimo artigo :).

  14. Joao Marcos Yes - há 3 anos

    quem tinha que tar ai era sheamus!!!

  15. Quando é que o reinado do Sheamus foi interrompido à força? Pelo menos não me recordo…

  16. Pedro Vytor - há 3 anos

    Coitado do Edge. 3x Campeão Mundial de Azar Esportivo! Belo artigo, Chris!

  17. Triple G - há 3 anos

    Mais um excelente top ten!
    O Edge ainda podia ter sido melhor se o azar não lhe tivesse batido tantas vezes a porta! Mas mesmo assim que grande carreira ele teve!
    A sua retirada foi um momento marcante para todos os fãs de wrestling e espero que tal não volte a acontecer a nenhum wrestler, porque deixar de fazer o que se ama por causa de uma lesão deve ser super doloroso.
    Enfim, continua com o excelente trabalho que tens desenvolvido!

  18. danielLP21 - há 3 anos

    Excelente artigo.

    Ainda me lembro de quando o Batista cedeu o Título Mundial no início de 2006 e o Kurt Angle entrou naquela “Battle Royal” vindo da Raw e fez um “face-turn”. Curiosamente, foi aí que comecei a gostar dele, visto que não o suportava anteriormente.

    Em relação ao Edge, enfim… Muito triste. Valeu pelos regressos em 2004 e em 2007. Pena que em 2011 tenha sido em definitivo…

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador