Existem 2 vagas na Equipa do Wrestling PT para publicar notícias. Candidata-te!

Wrestling, Diz Ele #34 – Nomes pequenos, boa opção?

Qualquer promotora de wrestling embraça-se com determinadas medidas ao investir em estrelas potencialmente grandes. Ás vezes isto pode incluir gimmicks novas, novos temas de entrada, novo vestuário ou então tornar os nomes próprios dos seus atletas mais diminutos, digamos assim. Os exemplos são vários e a este nível temos os mais recentes exemplos de Big E Langston, que deixou cair o Langston, e Antonio Cesaro, que deixou cair o Antonio. Ora, esta semana, no Wrestling Diz Ele, e com base num artigo internacional, trago-vos alguns exemplos de mudanças a este nível que não foram assim tão bem sucedidas.

Ora, se por vezes significa novos pushes, principalmente no que parece ser o caso dos dois atletas referidos, por outro lado, tornam-se completas tentativas frustradas de tornar um atleta bem sucedido. Ora, exemplo disso, é Curtis Axel, se bem que a este nível falamos de um novo nome, na íntegra até.

Tal como referi, esta semana o Wrestling, Diz Ele tratará disto mesmo, para a semana, tudo muda, e trago-vos um artigo polémico, que até onde me lembro, não é muito falado na blogosfera, principalmente em Portugal; um bocado ao estilo daquilo que vos trazia no antigo Freedom, Caos and Critic, para quem se recorda do espaço, até porque, para a semana, e apesar da contagem não o revelar, faz um ano que este espaço se encontra no Wrestling.pt.

Ora, de volta ao artigo de esta semana, um claro mau exemplo de diminuir o nome dos atletas é (Gene) Snitsky. A possivel carreira deste atleta como um monstro heel acabou antes até de ter começado quando a WWE decidiu que Snitsky teria causado um aborto a Lita depois de atingir Kane com uma cadeira o que faria com que o então casalinho chocasse um contra outro. Ora, foi daqui que, para quem se recorda, foi criada a mítica catchphrase “it’s not my fault!”. A WWE queria muito mudar tudo isto, ao deixar cair o Gene em Snitsky, aliando a isto, tornar o atleta calvo e manchar os dentes do mesmo de amarelo. No entanto, depois de uma história como aquela, dificilmente algo se alterava, e facto é que, Snitsky foi despedido a Dezembro de 2008 pela empresa.

Heiden

The Bad: Heidenreich

Jon Heidenreich apareceu na RAW pela primeira vez quando este se apresentou a Stone Cold Steve Austin e isto foi praticamente tudo o que fez na WWE, se tirarmos a imagem perturbante que foi a pseudo-violação a Michael Cole nos bastidores, e outros momentos bastantes constrangedores. O objetivo era, tal como todos os outros que se seguem tornar Heidenreich mais visivel, e mais sonante principalmente, no entanto tal nunca chegou. E isto, mesmo com uma rivalidade de destaque com Undertaker e uma tentativa de o fazer parecer a Brock Lesnar! De qualquer forma, Heidenreich, com o sem Jon não conectou com as audiências ou espectadores e nem uma diminuiçao do nome próprio consegue fazer milagres neste sentido. Posto isto, o que acontece quando um monstro falha na sua gimmick? Principalmente na WWE? Basta olharmos para o Great Khali, torna-se um ato de comédia, mísero e pronto para ir para o olho da rua.

The Good: Bill Goldberg

Muitos podem não se recordar mas Goldberg inicialmente foi apresentado como Bill Goldberg no seu primeiro combate contra Hugh Morris. No entanto, tudo mudou, deixou cair o Bill, e continuou numa maré de vitórias que lhe deram uma impressionante “streak” e legado de 173 vitórias contra 0 derrotas. Facto é que Goldberg era uma estrela no seu tempo tal como Elvis e Madonna foram, e no mundo do wrestling profissional, era dos atletas mais cobiçados e respeitados, principalmente depois de ganhar o Título Mundial de Pesos Pesados a Hulk Hogan num Nitro, transmitido a partir do Georgia Dome. Quer se ache que este terminou cedo demais ou não, Bill Goldberg estava predistinado ao estrelato e diminuir o seu nome de atleta veio facilitar as coisas. Atualmente é mais do que admissível afirmar, que associado a este simples nome se encontra muito mais do que o sucesso de uma personagem de televisão.

The Bad: Sylvain

La Resistance! Alguém se recorda? Relembrando quem é deste tempo, e dando a conhecer esta tag team aos mais novos, Rene Dupree e Sylvain Grenier capturaram os Títulos Mundiais de Tag Team há uns anos mas não conquistaram nada mais que isto, e muito menos conseguiram singrar a nível individual. A WWE decidiu, numa Smackdown, colocar Sylvan sem o Grenier, redefinir a sua gimmick, e torná-lo o “homem mais bonito de toda a WWE”. Por um lado, podemo-nos questionar porque falhou isto, já que Sylvain tinha os looks e habilidade atlética que a WWE tende a beneficiar mas, infelizmente, a gimmick do homem não era nada demais. Um claro exemplo de falhar em captar a oportunidade certa, na altura certa, e um claro exemplo de como diminuir um nome de um atleta pode trazer mais desvantagens do que vantagens.

The Good: Batista

deacon

Deacon Batista. Estão a perceber porque é que foi positivo? Dave Batista de nome real foi introduzido na WWE, primeiramente, como uma personagem musculada de Devon, e mais tarde foi redefinido e renomeado como Dave Batista, ingressando a stable Evolution. Ora, pouco tempo depois, deixou cair o Dave e singrou apenas como Batista, e foi precisamente com este nome que aquilo que inicialmente era algo aparentemente desastroso se tornou num Campeão Mundial por 6 vezes, e atualmente se apresenta como o vencedor do Combate Royal Rumble, quer se goste ou odeie. Se em parte a aliança com Ric Flair, Randy Orton e Triple H, beneficiou? Sem dúvida, principalmente o combate com o último na Wrestlemania 21 e as rivalidades com John Cena mais tarde no pós-Attitude Era. Ter um nome como Dave Batista, numa figura como é a do atleta, só seria um atraso para uma boa carreira e para torná-lo num nome soante no wrestling. Deixar cair o nome Dave, cumpriu mais do que bem o objetivo.

E isto é tudo por esta semana, não se esqueçam de deixar o vosso comentário e opinião, na caixa de comentários abaixo localizada e até para a semana!

– Acham que diminuir os nomes dos atletas é uma boa jogada?
– Acham que tem algum impacto?

Sobre o Autor

- Escritor do artigo “Wrestling, Diz Ele”.

18 Comentários

  1. José Sousa - há 3 anos

    Outro bom exemplo é o Sheamus. Imagina se era o nome dele nas Indys: Sheamus O’Shaunessy, era horrível.

  2. Bad News Barrett - há 3 anos

    Pessoalmente acho que no Big E foi algo bem pensado. O Langston não lhe faz falta mas preferia ouvir Antonio Cesaro do que simplesmente Cesaro. Mas são apenas e só opiniões.

  3. afonsomaster - há 3 anos

    Epa, com todo o respeito mas o artigo é teu, ou de outra pessoa? Quase todos os teus artigos são baseados em artigos internacionais, mas tu na referes o site do artigo em que te baseaste. E isso é plagio, ou seja ilegal.
    Salvador, tens que fazer qualquer coisa em relação a isto pois alem de este escritor não escrever regularmente, quando escreve “baseia-se” noutro artigo para escrever o seu. Um site como o WRESTLING.PT não pode permitir isto na minha opinião, pois é vergonhoso.
    Artigos de opinião não são artigos retirados de outros sites. Mas pronto é a minha opinião baseada na opinião de outra pessoa…

    • don_ricardo_corlone - há 3 anos

      Escrever baseado num outro artigo é completamente diferente de plágio. Sabes por acaso se ele copiou tudo o que aqui está e referiu exactamente os mesmo wrestlers ou se só retirou a ideia? Até te dou o exemplo do remake do Robocop, é um remake, é baseado no Robocop original, não é cópia nem plágio. Nem o robot é igual (na minha opinião o robot devia ser igual mas isso é a minha opinião pessoal, vale o que vale, este robot parece que veio do espaço).

      • afonsomaster - há 3 anos

        Se tivesses lido bem o meu comentário percebias:
        “Quase todos os teus artigos são baseados em artigos internacionais, mas tu na referes o site do artigo em que te baseaste. E isso é plagio, ou seja ilegal.”

        É plagio caso não seja indica o site de onde foi retirado, e nesse artigo e em todos os outros ele não indicou nada.
        Alem disso tenho a certeza que no Robocop, na ficha técnica do filme, ou numa entrevista seja referido que é baseado no Robocop anterior.

        E mesmo que ele identificasse o autor? Já não era plagio, mas continuava a não ser um artigo de opinião.

        Já agora eu tive uma ideia… vou escrever um livro baseado num qualquer de Saramago, e no inicio ponho
        “Este livro é baseado num livro português”. Vais me dizer que isto não e plagio??????????

    • joaop - há 3 anos

      “Artigos de opinião não são artigos retirados de outros sites. Mas pronto é a minha opinião baseada na opinião de outra pessoa…” bommmmmmmmmmmmmmmm!!!!!!!!!

    • DirtCrit - há 3 anos

      Sr. afonsomaster
      Com todo o respeito, vou responder-lhe de forma que acho adequada. As metodologias que uso para passar mensagens e temáticas cabem-me única e exclusivamente a mim. A fonte vai variando consoante o trabalho de pesquisa que faço. O escritor, que encontra-se representado pela minha pessoa simplesmente vai dando a sua opinião ao longo do artigo tal como já referi inúmeras vezes. Mais ainda, um artigo nem sempre é um artigo de opinião, pelo que deverá rever no que realmente concerne um “artigo de opinião” pois em termos estruturais, a meu ver, não segue a mesma linha. Quanto a plágio, eis a definição mais usual: “O plágio é normalmente definido como sendo “a apropriação ou cópia de um trabalho sem autorização do autor ou sem indicação da respetiva pessoa”” Como tal, não me apropriei de nenhum artigo ou ideia de qualquer autor, seja qual for a minha fonte, indico, quando tal acontece, que me baseio em artigos internacionais. Obrigado pela sua opinião, enquanto leitor atento, e sinto-me lisonjeado por saber que a minha assiduidade é tão marcada no wrestling.pt.

      Os melhores cumprimentos.

      • DirtCrit - há 3 anos

        * e quando me refiro a ideia refiro-me ao que fora transmitido ipso facto o dito no artigo original.

      • afonsomaster - há 3 anos

        Senhor DirtCrit,

        obrigado pela sua resposta. Já agora poderia-me informar de qual fi a artigo internacional que se baseou neste vez?

        Os melhores cumprimentos.

      • Mindfreak - há 3 anos

        Senhor afonsomaster,

        O mais correto seria escrever “poder-me-ia” pois no tempo em que você conjugou o verbo, normalmente o pronome fica colocado a meio da palavra.

        Sr. afonsomaster você tem é de se começar a basear na gramática…

        Agora a serio, qual é o problema de o DirtCrit se basear em artigos internacionais como tem sido dito? Que eu saiba para se escrever qualquer coisa que seja tem de se ter informações sobre o tema e é normal que ele vá buscar umas coisas “aqui e ali”.

        Este pessoal só comenta mesmo por comentar e sem fundamento nenhum…

        Peço desculpa pelo incomodo. Fique bem.

        PS: Bom artigo xD

      • BadAssS - há 3 anos

        Sr. afonsomaster

        Mais uma lá esta e acho que resposta do DirtCrit foi mais do que explícito. As metodologias cabem apenas e exclusiavamente a ele e como tal foi dito em cima os textos são de opinião e não plágios. O Sr Afonsomaster é está a tentar arranjar confusão onde não há necessidade para tal. Estes textos do DirtCrit contêm a sua própria opinião e até apela aos leitores darem as deles! Daí não entender esta sua frustração!

        Se não está satisfeito co o conteúdo tem bom remédio:MUDE DE SITE!

        P.S: Sr DirtCrit neste caso e neste texto acha que há mais nomes que devem ser diminuidos? Acha que isso acabar por dar carácter ao wrestler e também levar os fãs a ganhar certa empatia por eles. Porque se virmos bem ao fazer isso estamos a dar um grande voto de apoio aos wrestlers. Right? Acho que só o facto de estar o público a gritar cada vez mais alto o nome dado aumenta o carácter, leva-os a agir de forma a que se espera e aumenta-lhes a confiança..

        Espero pelo próximo texto!

      • Anónimo - há 3 anos

        Mindfreak e BadAssS, eu apenas disse a minha opiniao, mas claro tem que vir uma data de gente defender o escritor.

        Em relação à correção, mindfreak, obrigado, mas estou a pensar seguir matematicas

  4. joaop - há 3 anos

    “it’s not my fault!” foste buscar isso ao fundinho do baú! Das piores storylines que me lembro de ter visto… snitsky ainda andou pela ecw já de dentes limpos….

  5. don_ricardo_corlone - há 3 anos

    Epá, eu não concordo nada. Nada disso teve a ver com o nome mas sim com outros factores. Mudaram o nome e mudaram tudo, alguns do que dizes que falharam foi pela gimmick não pelo nome, assim como outros que referiste que venceram.
    Quanto ao Snitsky, o aborto provocado por ele até que é uma boa ideia para se construir um monstro, o pior veio depois. Não deixa saudades porque a storyline que se seguiu foi riducula, com a Lita a muda para o lado dele e tudo e porque o próprio Snitsky não tinha nada de especial. Essa dos dentes amarelos foi pior que a ideia do aborto.

  6. danielLP21 - há 3 anos

    Tenho saudades do Snitsky :(

Comentar

Login com Facebook

Editar avatar »

Notificações por email:

Wrestling.PT © 2006-2016 / Política de Privacidade / Disclaimer / Sobre Nós / Contactos / RSS Feed / Desenvolvido por Luís Salvador