O nosso admin está muito activo no Instagram!

10 Curiosidades sobre a WrestleMania que não sabes – Top Ten #219

Sejam bem-vindos a mais um Top Ten dedicado à Wrestlemania! Isto é época festiva, é o nosso Natal, só que se calhar com mais malta a sair mais desapontada com as prendas que lhe dão. Como seja, já todos esfregamos as mãos à espera do evento e por aqui e por ali, em tudo o que seja gazeta que fale de gajos musculados a rebolar juntos, já só se fala neste grande evento anual. E aqui é igual.

Como anunciado na semana anterior, este é um Top Ten mais relaxado, mais trivial. Porque é isso mesmo, todos têm também as suas listas de factos que se calhar não conheciam, aqui o Top Ten também faz um. Sem importância de ordem e irrelevância numérica. E com admissão de que se calhar até sabiam muita coisa da que está aqui. Que sirva para entreter um bocado.

10 – A recompensa de Sheiky Baby!

Uma das nossas lendas politicamente incorrectas favoritas, o Iron Sheik, introduz esta contagem com uma mera curiosidade engraçada isolada e menos profunda que algumas das que aparecerão por aqui. Mas é sobre o nosso Sheiky Baby, WWE Hall of Famer, lendário que nunca teve assim tantas recompensas como nós, ele e muitos lhe atribuímos merecimento.

Apenas um reinado como WWF Champion e foi transicional para largar o cinto para Hulk Hogan. Hoje em dia, ele mesmo se credita como criador da Hulkamania. Nós também. E isso antes dos tempos da Wrestlemania. No grande evento, pronto, pode gabar-se de ter participado na primeiríssima edição, ao lado de Nikolai Volkoff numa clássica rivalidade anti-Americana, o que mais preenche o seu currículo. No entanto, podemos ficar mais contentes por ter gozado uma vitória de Iron Sheik. Na Wrestlemania X-Seven, na hilariante Gimmick Battle Royal.

Iron Sheik venceu esse clássico, após levar quase o evento inteiro para chegar ao ringue – aqueles comentários do Bobby Heenan! – e só podemos assumir que tenha sido um presente pela sua carreira e pelos seus feitos. O que nós faríamos. Veio-se a saber que não foi essa a razão. A razão foi mais Sheiky ainda: Iron Sheik não estava em condições físicas para competir e não podia levar bumps. Venceu porque assim não tinha que cair fora do ringue. Assim sim!

9 – Raven vs Wrestlemania

Curiosidade dentro das curiosidades, que nem me apercebi quando fiz o alinhamento do Top Ten. A posição 9 e 10 referem-se à mesma Wrestlemania. Mas aqui já não é sobre a Gimmick Battle Royal – apesar que uma aparição lá do Johnny Polo era mark out garantido – mas sim sobre um dos melhores combates feitos pelo Hardcore Championship. Onde o título até era tomado como uma cena a sério.

Neste combate, Raven defendia o título contra Kane a Big Show. Não estava mal acompanhado por uns minorcas quaisquer. Tinha uma tarefa literalmente enorme em mãos mas era um combate onde valia tudo, claro. E já sabemos que Raven é um gajo criativo. Logo não podia ser só cadeiradas nas costas, canas e uma lata de lixo na cabeça. Tiveram que sair, arena fora e fazer asneiras. Foi quando lhes apareceu o carrinho de golfe – arma que não vêem em muitos combates por aí hoje – que elas se dão.

Raven, em toda a sua segurança, usufrui do carrinho, enquanto acompanhado e, como bom condutor embriagado, espatifa o veículo contra uma parede porque até era mais cómico, extremo e conveniente assim. Mas como veio o próprio Raven a confessar, aquilo podia ter corrido muito pior. O carrinho por si dirigido foi chocar com uns cabos muito essenciais para fornecer energia para… Todo o evento. Sim, Raven tinha que ser o tolo que quase cancelava toda uma Wrestlemania por falta de energia e que pegava fogo a uma arena. Para a história ficava! Já que este combate, perdeu-o…

8 – A saga Sheamus/Daniel Bryan

Bem sabem que eles se encontraram, muito brevemente, por lá. O que é aqui notado e que podem, ou não, ter reparado, é que estava aqui uma saga, uma rivalidade interminável, um Rock vs Cena de múltiplas revanches, uma feud para as gerações. Ou qualquer coisa assim. O certo é que por três Wrestlemanias seguidas que existiam planos para colocar Daniel Bryan frente a Sheamus, com mínima concretização.

Primeiro, na Wrestlemania XXVII, Sheamus acabara de vencer o United States Championship a Daniel Bryan e prometia arrancar-lhe a cabeça em frente à namorada – que era a Gail Kim, naquele caso. Estavam no card mas, para poupar tempo para o The Rock a falar, a Snooki a lutar e o clássico entre Michael Cole e Jerry Lawler, o seu combate foi despromovido para “dark match”. Nem sequer havia Kickoff na altura para se poder considerar que contasse e para que o povo cá em casa visse. Pior que isso, normalmente o “dark match” era sempre uma battle royal. Este ano era esse campeonato num Lumberjack… Que acabou nessa mesma battle royal.

No ano seguinte já foi diferente. Daniel Bryan defendia o World Heavyweight Championship contra Sheamus e aí sim se concretizou. Tecnicamente sim, oficializou-se. Mas despachou-se nos infames 18 segundos. No ano seguinte, já andavam a planear mais um. Não fosse a saída de CM Punk e a exigência já intimidadora dos fãs para alterarem-se planos e na Wrestlemania XXX não teríamos o histórico momento épico de Bryan. Por três anos seguidos que se planeou, por apenas um em que se despachou em segundos. Daniel Bryan e Sheamus são rivais para a vida! Sem que realmente se encontrem.

7 – A segunda e mais exclusiva

Pode dizer-se que, com o projecto mais embrionário e tal, ainda estavam abertos a experimentações e a não ter logo um formato fixo pensado. Mas a Wrestlemania II ainda se destaca hoje como a Wrestlemania mais singular de todas, devido a umas experiências que fizeram na sua transmissão que nem tiveram propriamente explicações.

A diferir dos dias de hoje, e todos os restantes, em que muito se anseia por esse especialíssimo Domingo. Segunda-Feira é dia de retomar o pica-boi – e nós aqui feitos tansos a pé até às 6 da manhã – e de comentar o que vimos no serão de Domingo anterior. A Wrestlemania II, por alguma razão que nunca se especificou, foi transmitida na Segunda-Feira à noite. Parece improvável que se escolha esse dia para transmitir o seu grande evento, ou outro qualquer. Mas eles lá o fizeram, Monday Night Wrestlemania.

Outra coisa que realçam actualmente é o local onde decorre. O grande anúncio com mais de um ano de antecedência, as vinhetas também antecipadas a fazer hype à grande cidade anfitriã, constante menção da arena ou estádio que pretendem encher. Já antes do Hulk Hogan botchar o nome dela, sempre tiveram muita atenção à arena exclusiva onde decorria a Wrestlemania. Menos a Wrestlemania II, que ocorreu em três arenas diferentes pelo país fora. É… Foi diferente, essa.

6 – Os bebés!

Sim, este ano vamos para a 34ª Wrestlemania. É um evento anual, ou seja, corresponde a quantos anos o evento tem. Já é um homem/mulher adulto e maduro. Mais velho que uma significativa percentagem dos seus espectadores. Então e o plantel? Pois claro, aquele ringue estará repleto de jovens Superstars mais jovens que a Wrestlemania. Perguntem ao Tyler Bate qual foi a primeira que ele viu e riam-se. E depois chorem ao ver onde ele já está na vida.

O que pretendo destacar aqui, são dois bebés de Wrestlemania especiais. Os primeiros de uma lista que agora so se expandirá sempre. O primeiro é Seth Rollins, fica ele como o primeiríssimo. Nascido em Maio de 1986, nasceu um ano depois da Wrestlemania e venceu o WWE Championship na Wrestlemania 31. Com isso, tornou-se o primeiro Superstar mais jovem que o evento a vencer o main event da Wrestlemania. Já ninguém lhe tira esse feito estreante.

Logo no ano seguinte, alguém lhe seguiu as pisadas, quando foi a vez de Roman Reigns vencer o WWE Championship a Triple H no main event da Wrestlemania. Já mais velho, Roman Reigns nasceu também em Maio – têm aniversários próximos – de 1985… Dois meses depois da primeira Wrestlemania de sempre. A partir de agora o que não faltarão serão bebés desses, a Wrestlemania não parará e terá um card repleto de estrelas que nasceram todos depois da Wrestlemania. E o Undertaker, provavelmente.

5 – Quatro décadas!

Então agora olhemos para o oposto. Olhemos para os veteranos que já viram a Wrestlemania de todas as formas e feitios. E temos logo que olhar para o Mr. Wrestlemania. Já disse na semana passada que ele não obteve esse nome com muitas vitórias e que ele até tem mais derrotas que vitórias. Fê-lo roubando o show e… Marcando muito presença para roubar o dito show.

Tal como o próprio evento, as participações de Shawn Michaels na Wrestlemania abrangem quatro décadas! É o único com esta distinção. e não quero que pensem que estou aqui a falar numa carreira de quatro décadas, falo de abrangência. É uma pequena batotice. Como ainda integrante dos Rockers, Shawn Michaels participou na Wrestlemania nos finais da década de 80. Foi dominante durante os 90s e 00s e foi fechar a sua carreira em 2010, onde teve a sua última. Foi por esse triz, mas já entrou na actual década.

O único a participar no evento em anos com o penúltimo algarismo diferente. Nem mesmo outro sinónimo de assiduidade do evento, curiosamente aquele que conta mais participações no total, Undertaker se pode gabar do mesmo, visto que, como nos podemos bem lembrar, ele só estreou na WWE em 1990. Não acabou a carreira de HBK a tempo de o impedir de completar a proeza.

4 – A streak vive!

Deixem lá de viver em negação. O Undertaker já perdeu duas vezes. E deixem lá de se enfunar, é um tremendo feito que mais ninguém alcançará, nada altera a história e o legado da sua streak, lá porque foi rompida ou outro gajo que não gostam tanto foi lá ganhar outra vez. Daí que fale noutras streaks.

Entaõ e quem está a seguir a ele? Essa é a parte mais difícil. Não só de arranjar alguém que tenha tantas Wrestlemanias, mas também que não perca, num evento tão significativo onde só podem ganhar muito menos de metade daqueles que participam – muitos combates colectivos e poucos one-on-one. Veteranos como Triple H, John Cena ou Kane já guardam derrotas até ao pescoço – Triple H é recordista – de quem é a maior streak? Rob Van Dam. Ah pois é, se calhar nem ele sabe. Mas isso é porque a esta hora deve andar meio desnorteado. Sem contar com uma derrota num pré-show, nos tempos em que o combate era gravado para o Sunday Night Heat, logo aí sim considero que esteja noutra programação diferente, RVD nunca perdeu.

O ginasta tem o recorde de 4-0, o maior até agora. Até teve a sorte de ser atirado para o combate colectivo pela mala Money in the Bank e… Ganhar mesmo aquilo. Querem que RVD volte para aumentar a cena com mais uma ou duas? Eu cá torço para que o Michael Cole prolongue a dele. Rumo ao 2-0!

3 – Fica tudo igual

Wrestlemania é palco de fazer história. Novos Campeões se coroam e celebram o seu “Wrestlemania moment” imortalizado para sempre. É aquele palco de sonho para o “finalmente”. Podem existir retenções históricas, até mesmo quando é vendido como improvável. Mas há sempre aquela excitação do novo Campeão. É mesmo um óptimo palco para mudanças de título.

Apenas uma é excepção. A Wrestlemania XXVII foi a única Wrestlemania que não teve qualquer mudança de título. Mas também… Outra banhada da história, destaca-se por outro factor pobre: apenas os dois títulos Mundiais foram os defendidos nesse evento! Pertenciam a Edge e The Miz e saíram da arena nas mãos de Edge e The Miz. Os outros títulos? O United States Championship foi o tal “no contest” do Sheamus e do Bryan que ficou para o “dark match”, a Divas Champion não estava onde ser vista, com a acção feminina reduzida ao combate misto que envolveu a Snooki, e os Tag Team e Intercontinental Champions… Faziam parte dos paupérrimos The Corre, que conseguiram ser squashados num abrir e fechar de olhos, assim mesmo só para largar um torpedo lamacento encima desses dois títulos.

Apenas dois títulos defendidos e retidos. Na Wrestlemania XXVII que, deixem-me que vos diga… Também é das piores e dava para uma contagenzinha jeitosa só a malhar na porcaria que foi. Mas vamos com calma, já falei noutra e vocês andam a pedir essa, vamos lá a uma coisa de cada vez!

2 – Tu entras, tu não / À última da hora

Todos sabemos que muitas vezes há um pandemónio lá para dentro ou outras vezes, guardam as coisas muito bem guardadinhas até à hora. Por vezes, planos mudam mesmo ali quando está prestes a acontecer, com a malta na “gorilla position” pronta para entrar. Por vezes até actos como o cash-in de Seth Rollins, revelou ele que foi no momento, minutos antes, que lhe disseram o que ia acontecer.

Temos memória recente de um combate misto que colocaria Brodus Clay, Tensai e as suas Funkadactyls a enfrentar os Rhode Scholars de Cody Rhodes e Damien Sandow, mais as Bella Twins a ser cancelado e a concretizar-se no Raw seguinte. Consta-se que já estavam todos equipados e prontos a entrar quando lhes disseram que já não havia tempo. Também o tal combate que mencionei em que RVD perdeu, era um combate significativo por Tag Team Championships que envolvia nomes grandes como o dele ou de Eddie Guerrero, mas não houve tempo para eles. RVD que se dê por feliz, foi da maneira que a derrota dele não “contou”.

O curioso também é quando acontece o contrário. Na Wrestlemania 23, havia um combate marcado entre Melina e Ashley Massaro, pelo título, num Lumberjill. Mas todo o tempo esse combate andou a marinar, ninguém dava nada por aquilo e o mais provável é que fosse cortado por tempo. É bem provável que, na própria noite, as raparigas estivessem mentalizadas que não iam competir. Até lhes dizerem que afinal até dava para apertar as coisas e metê-las ali num buraco e fazer o combate acontecer. Ainda mais curioso: estão a ver quando alguém está equipado e prontíssimo e dizem-lhe depois que afinal já não é para ir? Então verifiquem este caso: Ashley já não contava com ir e até estava com um pé partido. Mas mandaram-lhe e lá foi ela!

1 – Para o bem e para o mal… Puxar cordas

Já sabemos que é coisa que acontece sempre. Politicar-se as coisas lá atrás para ver se dá para alterar uma coisa. Já sabemos como a coisa funciona e antigamente aquele balneário devia ser assustador. E sabiam que existem vários casos de insistência dos lutadores para alterar algo? Como, por exemplo, o curioso caso de Triple H e Chris Jericho que fecharam a Wrestlemania X8 mas não queriam e andavam a pedir para que o fecho fosse o confronto entre The Rock e Hulk Hogan, que consideravam o verdadeiro main event. Gentileza e reconhecimento da parte deles ou eles simplesmente viam que aquilo ainda os ia ofuscar e iam ter um main event morto?

Como seja, vamos ser uns gajos positivos e olhar para casos de bem. Sim, ainda existe malta com boas intenções e por acaso é na história mais recente que se vê mais simpatia, amizade e gentileza, agora sim aquela malta dá-se bem. Dois exemplos. Um será da Wrestlemania XXVIII. Brodus Clay teve um segmento de dança. Não era óptimo mas era o que tinha e já tinha aí a sua primeira participação. Era preciso tempo para Cena e Rock, logo já iam dizer ao Funkasaurus para ligar à “mama” porque o seu segmento ia ser cortado. Isto até intervenção de… John Cena. O main eventer lá estendeu o seu tempo de preparação para o seu combate, de propósito, para que Brodus Clay pudesse ter o seu momento e subir ao palco da Wrestlemania. Outro caso ainda mais fofo, que até nos enche o coração e a alma será o da Wrestlemania 32 e o combate de sete homens pelo título Intercontinental. Não posso confirmar a veracidade desta história, mas consta-se que todos os outros seis participantes – todos! – insistiram e pediram para que Zack Ryder tivesse o seu momento. E teve-o! Que queridos!

Mas nem tudo é bonito e nem todos são assim tão boas pessoas. E se queremos um mau exemplo, bem sabemos a qual é que temos que retroceder. À Wrestlemania IX, pois claro! Acontece que o evento fecharia com Yokozuna, dominante, a derrotar Bret Hart e tornar-se WWF Champion. E seria óptimo, algo normalíssimo a acontecer no meio daquele desastroso evento. Mas alguém achava que o evento não podia fechar sem ser com um babyface a ganhar. Mas o que esse alguém queria realmente dizer era que o evento não podia fechar se não fosse ele próprio a ganhar! E lá tivemos nós que levar com Hulk Hogan, a inserir-se num combate pelo título à força, para ganhar em segundos e cagar completamente na streak de domínio de Yokozuna. Ainda melhor que isso? Ele prometeu e jurou a pés juntos que largaria o título de volta para Bret Hart, limpo. Algo sobre o qual ele também mudaria de ideias. Uma jóia. De quem gostam mais? Deste Hogan ou do evento em questão?

Por aqui fica este artigo de curiosidades que se calhar até nem sabiam. Ou que sabiam. E as que realmente não sabiam se calhar são mentira e também eu ando para aqui enganado. Injusto desperdiçar o vosso tempo assim, portanto só espero que tenha sido divertido de se ler e que realmente haja uma curiosidade ou outra interessante. É época de Wrestlemania, temos que andar felizes. Pelo menos um AJ Styles vs Shinsuke Nakamura é-nos garantido! Alegremo-nos!

E quanto à próxima semana? Vamos continuar em clima de Wrestlemania, pois claro que vamos. Mas o que fazer na próxima semana? O conceito de “Worst of” é uma boa subsérie à qual já recorri anteriormente e que até gostava de resgatar mais vezes e criar mais subcategorias dentro do Top Ten. Listar dez do pior de algum certo evento, ocorrência, acontecimento, etc. Pronto, já estão a ver onde vou chegar com isto, a próxima semana é um “Worst of” e sejam feitas as cedências:

Na próxima semana, é para cascar forte e feio na Wrestlemania IX!

Marquem presença, divirtam-se e fiquem bem. Uma boa Ultimate Deletion a todos!

Autor

- Escritor do artigo “Top Ten”.

6 Comentários

  1. 13 cm há 4 meses

    Excelente artigo, é por essas e outras que eu não consigo gostar nenhum pouco do Hogan.

  2. Santos99 há 4 meses

    Adoro os teus artigos. Que continues por muito tempo!

  3. Rui Ribeiro há 4 meses

    Excelente, mais uma vez.

  4. Simba há 4 meses

    Yeah WrestleMania IX thanks

  5. KILL OWENS KILL há 4 meses

    Excelente artigo, muito ansioso pelo próximo haha

  6. Mendrick há 4 meses

    Sem dúvida um artigo deveras interessante

Comentar