Faz login e reduz a publicidade

More Than Words #10 – Um Ano Memorável

Bem-Vindos a mais um More Than Words, esta é a décima edição e a última de 2017. Como hoje é o último dia de 2017 não posso deixar de falar do que aconteceu este ano na WWE. Tivemos várias mudanças de título, vários dream matches, quer seja em shows semanais ou em PPV’s, a inauguração de dois torneios históricos, a implementação do Money In The Bank Match feminino, vários regressos esperados e inesperados de antigos superstars da WWE, várias estreias de talentos do NXT, e acima de tudo vários momentos memoráveis que irão ficar para a história, seja por boas ou más razões.

O ano de 2017 na WWE ficou não só marcado por tudo aquilo que eu referi acima, mas também por uma simples palavra: Traição. Este ano vimos várias Tag-Teams chegarem ao fim, não por acordo mútuo, mas sim por ataques inesperados que resultaram quase sempre num Heel Turn de um dos membros. Vimos isso acontecer primeiro com a Wyatt Family, em que Orton foi o responsável pela separação de Bray Wyatt e Luke Harper, conseguindo alcançar o seu objetivo de desmoronar esta stable, vimos isso acontecer com Big Cass e Enzo Amore, em que o primeiro atacou várias vezes o seu parceiro pois sentia que ele não passava de um fardo que o prejudicava, vimos isso acontecer também no NXT com os DIY, em que Tommaso Ciampa atacou violentamente Johnny Gargano, já no final do NXT Takeover Chicago quando ninguém o esperava e vimos isso acontecer com Chris Jericho e Kevin Owens, no que para mim foi um dos melhores, senão o melhor segmento de 2017, em que num suposto Festival Da Amizade, Owens deu uma lista nova a Chris Jericho(visto que a outra tinha-se estragado). No entanto essa lista não era a lista de Jericho, era a lista de Kevin Owens, que logo de seguida atacou-o brutalmente, deixando o público completamente perplexo.

Por falar em público perplexo, 2017 foi um ano repleto de surpresas na WWE, tais como as presenças de Goldberg, Undertaker e Brock Lesnar no mesmo Royal Rumble, o regresso dos Hardy Boyz à WWE, a estreia de Shinsuke Nakamura no Roster Principal, o regresso de Kurt Angle, que passou de uma aparição esporádica para o Hall Of Fame para ser GM do Monday Night Raw, a conquista do WWE Championship por parte de Jinder Mahal, as estreias de Samoa Joe, Bobby Roode e Asuka no Main Roster, a reunião dos The Shield, o regresso de Paige, entre outros… O que eu quero dizer com isto tudo, é que 2017 foi um ano em que várias coisas que há um ano atrás diríamos que eram impossíveis de acontecer, acabaram por acontecer. Não interessa se muitos destes momentos, foram causados pela obcessão da WWE em criar “momentos históricos”, isso não tira todo o efeito surpresa que este ano teve e se há coisa que o entretenimento deve ter é imprevisibilidade e isso não faltou na WWE em 2017.

Este ano vimos também vários superstars abandonarem a WWE, alguns por despedimento como: Emma, James Ellsworth e Neville e alguns que devido à idade já não conseguem acompanhar o ritmo dos mais novos, estou a falar de Big Show, Mark Henry e de Undertaker, que tiveram de abandonar os ringues, não se sabe se definitivamente, de forma a descansarem de todos os anos que passaram a porem os seus corpos em risco e de forma a também poderem-se dedicar a outras coisas que não o wrestling. Afinal de contas isto faz parte do ciclo da vida, todo o ser humano chega a um ponto na sua vida, em que já não se encontra na capacidade de trabalhar ao ritmo que trabalhava antes e por isso tem que abandonar esse trabalho. É certo que é sempre triste ver estes wrestlers que vimos nos nossos televisores durante a infância, deixarem de aparecer nesses mesmos televisores e deixarem de fazer aquilo que mais gostam, mas o que é certo é que estes três wrestlers vão certamente ficar para a história da WWE e vão ser recordados como lendas do Wrestling.

Outra palavra que marcou o ano de 2017 na WWE foi a palavra mudança. Para além de estes wrestlers terem abandonado os ringues, houveram também grandes mudanças na WWE este ano, mais concretamente na divisão feminina, que continua progressivamente a ser alvo de feitos históricos. Como eu já referi noutro artigo, as mulheres da WWE deixaram de ser designadas Divas para passarem a ser designadas Superstars, partilhando assim esta designação com os homens. A WWE está cada vez mais a dar um papel mais importante às suas wrestlers, que este ano viram ser inaugurado o primeiro Money In The Bank Match feminino e viram ser anunciado o primeiro Royal Rumble Match feminino que irá ter lugar em Janeiro do próximo ano. Podem criticar o booking que a divisão feminina da WWE teve ao longo deste ano e até podem criticar o facto de a WWE ainda não tratar as mulheres da mesma forma que trata os homens, mas a verdade é que ninguém pode negar a história que tem sido feita na divisão feminina, que está cada vez mais a atraír mais fãs não pelo aspeto fisíco das atletas mas sim pelo wrestling, que tem vindo a apresentar cada vez mais qualidade.

2017 viu nomes como AJ Styles, The Miz, Kevin Owens, Charlotte e Sasha Banks afirmarem-se como peças importantes no funcionamento da WWE, nomes como Braun Strowman, Alexa Bliss e Carmella porem a sua marca na história da WWE, nomes como John Cena, Goldberg e Brock Lesnar assegurarem o seu estatuto de lendas da WWE, vários recordes a ser igualados ou quebrados, como o maior númeo de reinados de títulos mundiais que viu John Cena a igualar o número de reinados de Ric Flair, que foram 16 e o fim da maior streak de vitórias que deixou de pertencer a Goldberg, para pertencer a Asuka com cerca de 206 combates ganhos, sem qualquer derrota até agora, nomes como Kurt Angle, Jeff e Matt Hardy e Drew McIntyre voltarem a pisar os ringues da WWE, nomes como Undertaker, Big Show e Mark Henry a dizerem um adeus à WWE, nomes como Adam Cole, Aleister Black e Roderick Strong a fazerem a sua estreia e nomes como Vince McMahon e Triple H a fazer história, pois estes foram os principais responsáveis por todos estes acontecimentos.

Obrigado a todos os que leram este artigo e àqueles que leram todas estas 10 edições do More Than Words que houve até agora, é sempre bom ver os vossos comentários e opiniões, mesmo que não estejam de acordo com a minha. Desejo-vos um bom ano e vemo-nos no próximo More Than Words que irá ser o primeiro de 2018.

4 Comentários

  1. Kick_Ass há 10 meses

    O Neville ainda não saiu da WWE oficialmente.

  2. Sou do Russo há 10 meses

    Os melhores artigos do Wrestling.pt actualmente são os teus. Parabéns

Comentar