Frank casino

Boas a todos nesta grande casa que é o Wrestling PT!

Após várias semanas, concluo, hoje, esta minha série de fantasy booking. Para um melhor entendimento recomendo a leitura prévia da primeira, segunda, terceira, quarta, quinta e sexta parte. Considerações finais serão deixadas para o fim do artigo, por isso, sem mais demoras, vamos então terminar!

Pós-Fastlane e build para a WrestleMania

É anunciado no RAW pós-PPV que, este ano, a WM é demasiado grande para apenas uma noite, por isso os seus combates serão distribuídos por um evento com duas noites (sim, acreditem ou não, já nesta altura eu achava que a WWE deveria ter começado a usar esta logística na Mania).

Depois do que se passou no último PPV, todas as atenções estão centradas no main-event. A duas semanas do Fastlane, Styles e Orton assinam o contrato que oficializa o seu combate. No segmento, Styles diz que para ele, enfrentar Orton é um Dream match, mas coloca dúvidas quanto à capacidade do Orton, dado que nos últimos meses ele perdeu para Brock Lesnar e até para KO. Orton responde confirmando que realmente não tem tido os meses mais dominantes da sua carreira, mas que o AJ não deveria estar a pensar nas suas eventuais fragilidades, mas no que uma “víbora” consegue fazer quando está ferida e de todos os ângulos que ataca… Com isto, Styles levanta-se e sai do ringue, não mais para Anderson e Gallows virem ao ringue e atacarem Orton. Surpreendentemente Orton consegue levar a melhor depois de dois RKO´s e olha depois para um AJ algo surpreendido na rampa.

No RAW seguinte, Orton dá uma entrevista no backstage onde questiona AJ em frente à câmara. Diz que nos últimos meses o AJ tem feito nada mais que desrespeitar a WWE e a sua história, as pessoas que a põe de pé todos os dias e pelos vistos também pretende arruinar o main-event da WrestleMania, por isso ele lança um desafio: se ele vencer Anderson e Gallows em combates singulares, estes estão banidos da zona do ringue na WM. Mais tarde, depois de um bom combate de 15 minutos no main-event do RAW contra Sheamus, AJ aceita o desafio.

No RAW a seguir, Orton vence Anderson (no que também é um combate de sonho para muitos) e no SmackDown seguinte, vence Gallows. AJ tenta interferir várias vezes em ambos os combates, mas Orton parece saber sempre antecipar-se de todo e qualquer movimento que os Styles faça. Contudo, no último RAW antes da WM, Styles desafia Orton para uma rixa ringue, coisa que o Randy aceita. Eles lutam durante uns 5 minutos, mas são separados por seguranças. Ainda agarrado, Styles diz ao microfone que o Randy acordou um novo Styles e que neste momento não quer saber da WWE, mas simplesmente destruir Orton. Como podem ver, quero uma história em que o Orton consegue ir mudando a confiança do Styles com os seus mind games.

Ainda falando dos Club, Anderson e Gallows não têm um day off na Mania. Os seus adversários serão encontrados num Tag Team Turmoil que decorre no RAW a 4 semanas da WM, em que todas as equipas da divisão participam. São os American Alpha quem vencem e tornam-se os novos nº1 Contenders. Durante o combate, os Usos custam a vitória aos New Day e os New Day também custam a vitória aos Usos em determinado momento. O build up do title match pelos títulos de Equipas é bastante tradicional. De um lado a equipa heel que vai atacando os adversários sempre que pode, ao passo que os candidatos vencem todos os seus combates até à Mania, mostrando bem o momento que vêm construindo desde que se estrearam o ano passado.

Quanto aos Usos e os New Day também acabam por entrar numa feud, pois ambas as equipas trocam palavras agressivas uma para com a outra. É marcado um combate entre ambas para o RAW a duas semanas da WM, mas que termina em dupla desqualificação pois todos os envolventes se atacam entre si. No SmackDown seguinte, um rematch é marcado para a WM.

Relativamente ao título dos EUA, é determinado que o vencedor de uma battle royal será o nº1 Contender na WM. Quem a acaba por vencer é Cesaro, mas no final Rusev, que estava a assistir da mesa dos comentadores entra no ringue e deixa o seu candidato principal estendido no chão após um Machka Kick. Ambos tiveram uma rivalidade muito equilibrada no ano anterior e queria que isso fosse mencionado no build up deste combate.

No RAW pós-PPV, Wyatt e Strowman aparecem no ecrã gigante, mas são atacados na sala onde estavam por Luke Harper o que os leva a fugirem. No RAW seguinte, é anunciado um Bray Wyatt vs. Luke Harper para mais tarde. Nesse combate, o árbitro é derrubado a certa altura, o que possibilita que Braun entre no ringue e ajude Bray Wyatt a vencer depois de um Sister Abigail. Quando estes dois iam embora, eis que Luke Harper pega no microfone e em dificuldade diz que, apesar de estar em desvantagem, isso não será por muito mais tempo… Nesse momento as luzes apagam-se e no ringue aparece a máscara de ovelha branca de Erick Rowan para terminar o segmento.

Na semana seguinte, Bray e Braun vêm ao ringue e exigem que Harper apareça. Este vem até à rampa, mas diz que hoje não está sozinho, Erick Rowan está ao seu lado e os 4 começam uma brawl por toda a arena. No SmackDown seguinte, um tag team match entre Bray e Braun e Harper e Rowan é marcado para a WM. Na promoção deste combate teria vários jogos psicológicos, bem ao estilo da Wyatt Family. No último RAW antes da Mania um combate entre a ovelha branca (Erick Rowan) e a ovelha negra (Braun Strowman). Com muito custo e depois de um combate com muitas inferências, Rowan vence e juntamente com Harper festeja a sua vitória enquanto os seus dois ex-irmãos ficam furiosos do lado de fora do ringue.

Quando ao título Intercontinental, durante uma edição do MizTV com Sami Zayn e Dolph Ziggler, o primeiro refere que o Dolph estava totalmente batido e que foi o som da campainha que o salvou, por isso, nada é mais que justo que ele receba outra oportunidade. Dolph sorri ironicamente e diz que se o sucesso na WWE tivesse algo a ver com justiça, ele seria o main-event da WM todos os anos. Sami responde dizendo que aceita qualquer desafio do Dolph para ter o combate. Depois de pensar, este diz que aceita um combate com o Sami na WM com o IC title em jogo, mas que para isso, ele tem de vencer um adversário escolhido por si todas as semanas. Sem hesitar, Sami aceita. Os adversários são: Arya Davavi, Bo Dallas, Heah Slater, Jinder Mahal e The Miz e todos caem perante o momentum do Sami. A história entre os dois já vem de há meses e é uma feud essencialmente pelo título, por isso pouco mais há a dizer.

Relativamente à história entre o Triple H e o Seth Rollins, no RAW pós-Fastlane, o primeiro vem ao ringue e diz que tem muita pena do que se passou com o Seth, mas que o mesmo é só um produto que ele criou, um brinquedo com que jogou na Authority e que agora que não precisa mais dele, quer-se desfazer dele. Ele apercebeu-se disso quando viu que, sem ajudas, Seth é “mais um”, uma má aposta sua. No entanto, Seth aparece no ecrã gigante e diz para o Hunter ter mais calma: sim, ele está lesionado e os médicos não o querem deixar lutar na Mania, mas ele não vai ligar a isso, vai treinar o máximo que poder até à WM para o enfrentar nem que seja com muletas. Durante as semanas seguintes temos vários vídeos do Seth a treinar. Quanto a Triple H, este também faz um vídeo, onde diz que se o Seth é tão valente e vai lutar contra a ordem dos médicos, o seu combate será um Non-sanctioned match, em que ele poderá fazer tudo o que quiser ao Seth sem que a WWE se tenha que responsabilizar.

No último RAW antes do PPV, é marcado um confronto entre os 2 no ringue. Triple H referencia que o Seth é um erro de casting, que o enganou bem e que o seu reinado como campeão da WWE não significou nada, pois qualquer um podia ter sido o escolhido na altura. HHH sempre teve dúvidas, mas deixou de as ter quando viu o Seth retornar depois de lesão e a não conseguir vencer o título que nunca tinha perdido. Seth responde que de facto essa é uma ideia que transpareceu na altura, mas que depois da WM ninguém a vai voltar a trazer. Ele vai provar que é merecedor dos títulos, do destaque, dos main-events e também do apoio do público que o ajudou desde a sua lesão. Ele vai rebentar o Hunter na Mania e derrota-lo, mesmo sem uma perna. Com isto, HHH furioso lança um violento ataque à perna do Rollins, deixando a incógnita se o combate decorrerá mesmo no domingo.

Também no RAW pós-PPV, Samoa Joe vence Gran Metalik, mas John Cena aparece no final para o atacar, enquanto Joe bate em retirada. Na semana seguinte, é a vez de John Cena ser atacado, desta vez na rampa antes do seu combate por Samoa Joe. Com tudo isto, é marcado um combate entre os dois para a Mania, um autêntico Dream match. Também no RAW, durante uma entrevista, Samoa Joe diz que depois do Cena se ter metido no seu caminho na Chamber vai pagar caro, pois na Mania ele não quer só vencer o Cena, ele quer humilha-lo em frente do mundo e que vai fazer o que nunca alguém havia feito na WWE: fazer o John Cena desistir! Num segmento no mesmo RAW, Cena lembra o Joe que normalmente quando dizem que o vão fazer desistir, isso nunca corre bem para o lado deles. Termina dizendo que o Joe tem um péssimo mau perder e que na WM se vai vingar por ele lhe ter custado o seu título.

Relativamente à divisão feminina, no RAW pós-PPV, Becky vence Natalya, mas Charlotte e Nia Jax aparecem no final. A primeira diz que tem uma nova ideia para este seu reinado, que é eliminar todos os seus obstáculos e que vai começar por Becky. Quando se preparavam para a atacar, Bayley vem ao ringue e ajuda Becky a limpara o ringue. É marcado um Tag Team match para a hora. As faces vencem quando Becky prende a Nia por Submissão, mas no final, Sasha vem ao ringue e ataca Bayley, Becky e Charlotte. No RAW seguinte, Sasha dá uma entrevista em que diz que nada nela mudou, só que está farta de ser sempre prejudicada por este ou aquele mal-entendido, e que neste momento o que interessa é a Sasha, e nada mais que ela. Em reacção, Becky vem ao ringue e desafia Sasha para um combate a decorrer na semana seguinte. Porém, esse combate nem chega a começar, pois ambas envolvem-se numa grande brawl, que Charlotte e Nia aproveitam para lançar um ataque às duas. No SmackDown da próxima semana, conseguem também atacar Bayley no backstage.

No RAW seguinte, Charlotte vence Naomi e, no final, refere que não há adversárias para a Mania e está muito bem com isso, contudo, Becky aparece na rampa, Sasha pelo público e Bayey do outro lado do público e ambas cercam Charlotte e Nia e uma brawl começa. As faces afastam as heels do ringue, mas no momento, Bayley e Becky atacam Sasha como resposta pelo ataque de há umas semanas. Tudo termina com Michael Cole a anunciar uma Quadrilha Fatal entre estas 4 lutadoras pelo título Feminino na Mania (era a oportunidade perfeita para a WWE fazer uma grande feud entre as 4 hoursewomen antes da brand split, pois com esta seria mais difícil acontecer, uma oportunidade que não perdi).

Quanto à divisão dos cruiserweights, é anunciado que o próximo adversário de Neville será encontrado num Triple Threat match no RAW a duas semanas antes da Mania, mas para o qual irão existir combates de qualificação. Num SmackDown, Drew Gulak vence TJP e avança para o combate. No RAW, Rich Swann vence Jack Gallagher e também está no combate. No último combate de qualificação, com Neville na mesa dos comentadores, o regressado Cedric Alexander vence Tony Nese e também está no combate. No final, corta uma promo onde diz que o Neville não há-de esperar muito pelo “payback” da lesão que lhe provocou há uns meses e que o título irá regressar à sua cintura. No Triple Threat match, Cedric vence Gulak e Swann e é o nº1 Contender para a Mania.

Também os problemas entre Dean Ambrose e Roman Reigns continuam. Após meses de interacções entre ambos, em que se eliminaram mutuamente dos combates mais importantes, e em que se envolveram em várias rixas, a sua feud caminha para um clímax. Nas primeiras semanas após o Fastlane, as mesmas interacções continuam até que é marcado um Last Man Standing entre os dois para a Mania para terminar esta rivalidade. No build up para o combate, recuperaria o que se havia passado na última WM com a traição de Roman ao Ambrose e que após um ano os dois ainda não esqueceram isso, principalmente o Dean que nunca conseguiu pôr as suas mãos no Roman. No último RAW antes da WM, Ambrose e os New Day vencem os Samoan Bloodline e o segmento termina com todos os lutadores numa rixa para apimentar as coisas para a Mania.

No RAW pós-Faslane, num segmento que se passou ainda antes do show começar, KO é apanhado na parque de estacionamento por Brock Lesnar que o empurra contra um camião da WWE e, na semana seguinte, Brock aparece várias vezes em segmentos em que goza com KO e do medo que este tem de si, bem como a se questionar se o KO alguma vez o vai enfrentar como um homem. No RAW a seguir, KO vem ao ringue chateado e pede para que Lesnar apareça. Este vem ao ringue com Heyman e KO pergunta o que o Lesnar quer para o deixar em paz, pois as últimas semanas ele já não confia no chão que pisa. Lesnar diz que não há nada que KO possa fazer para ele parar de fazer o que bem quiser. Nesse momento, Lesnar tenta ataca-lo. Contudo, desta vez, KO desvia-se e desfere um grande pontapé nos genitais do Lesnar, fugindo por entre o público nesse momento, ao início surpreendido consigo mesmo, mas depois tendo um riso de confiança.

7 Dias depois, Brock tenta atacar KO depois do seu combate, mas apercebe-se da sua presença e usa uma cadeira para sua vantagem e desta vez, Lesnar é obrigado a ficar no chão pois KO lança 10 cadeiradas às suas costas. KO olha malignamente para a cadeira que usou toda destruída e pega no microfone de seguida. Avisa o Lesnar que ao início ele não queria nada com ele, mas agora que tem de lutar pela vida vai utilizar tudo o que tiver ao seu dispor para tirar o máximo que pode da situação, pedindo um combate na WM entre ambos. O RAW seguinte é o último antes da Mania e abre com Lesnar e KO numa brawl que começa no backstage e vai pelo público até ao ringue. Apesar do domínio do Lesnar, KO vai tendo vários momentos de abertura em que consegue atacar. Até à WM, temos assim uma evolução de KO, que parece agora não ter medo de Lesnar.

São igualmente anunciados a Andre The Giant Memorial Battle Royal, tendo vários lutadores a serem anunciados e a anunciarem a sua presença no combate, bem como a Gauntlet feminina que também ocorreu na Mania passada.

Para surpresa de muitos, Chris Jericho é anunciado para a Battle Royal pelos comentadores, mas nesse preciso momento este vem ao ringue muito zangado com essa decisão. Pega num microfone e diz que está farto de ver a WWE a desprezar uma estrela e uma lenda como ele de há uns meses para ali e que se a WWE não lhe dá um bom combate para a WM ele próprio o fará, deixando um desafio a qualquer membro do roster naquele momento. Porém, as luzes apagam-se por uns segundos e quando voltam a acender aparece o regressado Finn Bálor que aplica o Paylei Kick de surpresa no Y2J. No final, pega no microfone e aceita o combate. Nas semanas seguintes, Y2J tenta várias vezes saber se Finn vai aparecer enquanto Finn ou enquanto Demon. O Finn, através de vários segmentos enigmáticos deixa a pergunta no ar e diz para Jericho esperar o pior.

 WrestleMania 33 – 1ª noite

– Sheamus vence a Andre the Giant Memorial Battle Royal ao eliminar The Miz em último lugar.

– Erick Rowan e Luke Harper vencem Braun Strowman e Bray Wyatt num Tag Team match. A certa altura, Braun tenta fazer o tag, mas Bray salta fora do ringue. Luke Harper aproveita e faz um Big Boot seguido de um Discus Lariat para arrecadar a vitória. No final, Bray abraça Harper e Rowan e faz um Sister Abigail em Strowman. A versão originária da Wyatt Family está assim reunida.

– Dean Ambrose vence Roman Reigns num Last Man Standing match.

– Sami Zayn vence Dolph Ziggler após um Halluva Kick e torna-se o novo campeão Intercontinental.

– American Alpha vencem Doc Gallows e Karl Anderson e tornam-se os novos campeões de Tag Team.

– Samoa Joe vence John Cena após fazê-lo desistir com um Coquina Clutch. No final, John Cena, visivelmente muito desiludido estende a mão a Joe, mas este recusa e faz-lhe um Muscle Buster.

– Becky Lynch vence Bayley, Charlotte e Sasha Banks numa Quadrilha Fatal e torna-se a nova campeã Feminina. Becky consegue a vitória após um Disarmer em Bayley, obrigando esta a desistir. Sasha quase que consegue evitar a derrota, mas não chega a tempo, olhando com um ar bastante chateado para Bayley, enquanto Becky celebra no ringue (seria o início de um heel-turn da Sasha).

WrestleMania 33 – 2ª noite

– Alexa Bliss vence a Gauntlet feminina ao eliminar por último Nikki Bella.

– The New Day vs. The Usos. Antes do combate começar, é anunciado que o combate será uma Ameaça Tripla pois mais uma equipa foi adicionada ao combate. A música dos Hardy Boyz toca, e estes são a equipa surpresa, fazendo o seu regresso à WWE. Os Hardyz vencem depois de Swanton Bomb em Jeff em Jimmy Uso, ao mesmo tempo que Matt Hard aplica o Twist of Fate em Big E. Nenhuma referência ao Broken Universe é feita.

– “Demon” Finn Bálor vence Chris Jericho após um Bloddy Sunday.

– Cesaro vence Rusev com um Neutralizer e torna-se o novo campeão dos EUA.

– Neville vence Cedric Alexander com um Black Arrow e mantém o seu título dos Cruiserweights.

– Brock Lesnar vence Kevin Owens depois de um F5. Durante o combate, KO vai tentando todos os truques que se possam imaginar para ganhar vantagem sobre Lesnar e em várias tentativas é bem-sucedido. Sobrevive várias vezes à Suplex City e consegue acertar um Moonsault e uma Pop-Powerbomb em Lesnar, mas que não é suficiente.

– Seth Rollins vence Triple H num Non-sanctioned match após um Pedigree numa cadeira.

– Randy Orton vence AJ Styles após 2 RKO´s e torna-se o novo campeão da WWE. Ao longo do combate, Orton consegue tirar várias vezes o Styles do sério, o que eventualmente acaba por custar o combate ao “Phenomenal One”.


E pronto, chegamos ao fim desta série que tanto prazer pessoal me deu fazer, mas, acima de tudo, espero que o sentimento de quem acompanhou este rebooking semana após semana seja o mesmo. Antes de terminar e como prometido, vou fazer algumas explicações:

– Uma das minhas “desilusões” neste booking foi não ter conseguido usar o Sheamus e o Miz de uma forma mais importante e com maior destaque. Porém, o roster foi crescendo de mês para mês e não há tempo nem espaço para todos. O mesmo se diga dos Vaudevillains, que eram uma equipa que sempre gostei, mas que não encontrei espaço para os incluir. A brand spit já em 2017 ia ajudar a contrariar isso;

– Gostaria de ter bookado uma rivalidade entre o Chris Jericho e o Kevin Owens como aconteceu na realidade, bem como uma entre o Y2J e o Seth Rollins, até porque o Jericho deixa a WWE a full-time depois da WM 33, mas queria bookar outras histórias e tive de deixar estas ideias de lado;

– Não quis dar um reinado tão longo aos New Day como aconteceu na realidade não porque desgostei dele, mas para não acontecer o que acontece hoje em dia. Penso que se os New Day são um grupo a pensar a longo prazo, então todas as suas fichas não deveriam ser gastas durante os primeiros anos para os fãs não se fartarem deles como acontece hoje. Não obstante, consegui sempre utilizá-los em feuds e combates interessantes, algo que a WWE nunca conseguiu fazer com eles para além dos títulos de Tag Team e, por outro lado, isso abriu espaço para os Lucha Dragons terem tido pelo menos um reinado enquanto campeões, algo que penso que sempre lhes faltou;

– Não dei destaque algum ao Baron Corbin porque sinceramente não sou fã dele e, num contexto sem brand split há um roster muito mais talentoso acima dele que merece esse destaque, o mesmo se diga do Enzo Amore e do Big Cass. Quanto ao Austin Aries na divisão dos cruiserweights nunca gostei da forma como o lançaram no espaço de um mês ao título depois de uma lesão de forma tão rápida. Preferi ter a estrela da divisão durante os primeiros meses (Cedric Alexander) a ter a oportunidade de brilhar na Mania com o Neville;

– Sim, fiz o Cena dar “tap out”. Porquê? Porque a carreira dele a full-time terminou nesta WM e ele tinha de passar a tocha de vez aos que estão lá sempre. E a quem melhor dar este privilégio de fazer o Cena desistir ao “Samoan Submission machine”?

– Quanto ao futuro do KO, tudo iria depender dos fãs. Tenho noção que esta feud que lhe bookei com o Lesnar e pela forma como o fiz, provavelmente os fãs ainda o iriam apoiar mais do que já fazem. Se assim fosse, não tinha problema nenhum em virá-lo face.

Por fim, dizer que espero um dia voltar com uma série de artigos parecida e que aceito qualquer tipo de sugestões ou propostas acerca de fantasy bookings que posso vir a fazer no futuro.

Hoje ficamos por aqui.

Até para a semana e obrigado pela leitura.

22 Comentários

  1. Richard4 meses

    Um desafio bem interessante no futuro seria vc bookar a wwe em 1995 esse ano foi difícil. Parabéns adorei o artigo e toda série

  2. Rodrigo4 meses

    Bom fantasy booking, concordo totalmente com a divisão da WrestleMania em duas noites e gostei de teres dado um dos main-events à divisão feminina.
    Deixo aqui a minha sugestão: da WrestleMania 34 até à WrestleMania 35, mantendo os resultados da Mania 34. Acho que até foi um bom evento, mas teve alguns resultados inesperados para alguns, nomeadamente as derrotas da Asuka, do Nakamura e do Roman, por isso gostava de ver o booking que farias (particularmente para essas superstars derrotadas) pós o evento. Para além de que 2018/2019 tinha um roster ainda melhor que 2016/2017.

  3. Sandrojr4 meses

    E termina uma série de Fantasy booking incrível, gostei muito, foi divertido de se ler, parabéns por ter conduzido está série.

  4. Adorei ler todas as partes ! Muito bom mesmo, parabéns!
    Tenho pena que tenha terminado… 🙁

    Espero voltar a ver este tipo de artigo o mais breve possível.

  5. E fazer um booking a colocar a WCW de volta ao ativo( um episodio do Nitro por semana)?

  6. é4 meses

    Não para não! Continua com o booking até a atualidade, mantendo as mesmas regras e dando continuidade ao universo que você criou.

    Único detalhe que não gostei em toda a série: Dean Ambrose ter destaque infinito. Mas isso já é algo mais pessoal, vejo sim potencial nele, mas para o mid-card. Enfim, de resto eu adorei tudo, parabéns! Continue por favor!

    • Facebook Profile photo

      Obrigado! Ahahaha, um fantasy booking tem que ter inevitavelmente um fim e, por outro lado, quero voltar a trazer outro tipo de artigos para dinamizar este espaço
      Claro, todos nós temos opiniões pessoais, para mim o Ambrose era um main-eventer nato, embora nunca a estrela da empresa, foi isso que tentei transparecer neste booking.

  7. Anonimo4 meses

    que logica tem o ziggler escolher esses gajos fracos e irrelevantes em vez do lesnar, hhh, undertaker?

    • Facebook Profile photo

      Obrigado pelo comentário. A mesma lógica que tem o Ziggler não escolher esses adversários porque eles nunca aceitariam lutar por ele.

  8. Anonimo4 meses

    achei que o miz foi o grande injustiçado deste booking mal por mal prefiro o booking que a wwe faz com ele pelo menos ganhat titulos nem que sejam secundarios

    • Facebook Profile photo

      Obrigado pelo comentário. Eu concordo que não dei o devido destaque ao Miz, referenciei-o nesta última parte, mas não disse que todos os anos da carreira dele comigo iam ser assim, como expliquei a brand split ia começar já em 2017, o que iria permitir dar-lhe mais destaque. Mas se fosse fã acérrimo do Miz também tinha acabado por preferir o booking da WWE, é uma das minhas desilusões deste booking.

  9. Litos4 meses

    O ME podia ter sido melhor xD nada contra o que fizeste, mas Styles vs Orton não me dá feels de main event da WM apesar do starpower de ambos, não sei porquê…. Também achei um bocado estranho a maneira como bookaste o Owens vs Lesnar porque fez o KO parecer um bocado “fraco” e com medo. Já agora, nada contra as duas noites, tem os seus prós, mas acho que é algo pior para os fãs. Poucos eram os que iam às duas e escolher uma era perder metade da experiência. Mas isso é preferência, claro.

    De resto, excelente! Cesaro com um WM moment, Joe vs Cena, Rollins vs HHH, Fatal 4 Way das 4 Horsewomen que incorporaste bem como ME dá 1.ª noite e um excelente Lesnar vs KO usando para um face turn do Owens, que foi algo que já me tinha passado pela cabeça. E tiraste uma boa história centrada na Wyatt Family, que foi algo que a WWE nunca conseguiu. Overall, bem superior ao que a WWE fez.

    Se alguma vez fizeres algo assim curtia que fosse da WCW ou nos tempos da WWF. Algo que é o paraíso dos fantasy bookers é a Invasion.

    • Facebook Profile photo

      Obrigado pelo comentário. O Styles e o Orton foi sabotado quando a WWE o bookou para lutarem em SmackDowns sem história. Se os primeiros momentos do Styles com o Orton fossem épicos como com os do Cena o hype seria maior, pelo menos na minha opinião.
      O objetivo era mesmo fazer o KO parecer fraco às mãos do Lesnar, principalmente em termos de mentalidade, por isso seria interessante ver a sua evolução até deixar de “ter medo” e passar à ação.
      Epah, eu até fazia da Invasion, mas o Rúben Rosa no The Bottom Line fez um rebooking desse angle que eu, ou sequer alguém, já mais conseguirá fazer melhor ahahahahah.

    • Litos4 meses

      Por acaso o booking dele da Invasion foi muito bom! Foi isso que me fez “investigar” esse angle.

    • Facebook Profile photo

      Foi um fantasy booking perfeito, não mudava um resultado sequer, por isso não vou tocar nisso.